terça-feira, 7 de agosto de 2012

SIMULTANEIDADES...






- Eu amo o mundo!
 Eu detesto o mundo!
 Eu creio em Deus!
 Deus é um absurdo!
 Eu vou- me matar!
 Eu quero viver!
 - Você é louco? - Não, sou poeta!

Escreveu Mário Quintana.

Eu, não sendo poeta, sou tão louca quanto ele!

«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««


                                                                            
LINDO!!!
 SENSACIONAL!!
TUDO O QUE SE FAZ COM AMOR
TEM RETORNO...
================================================= 
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

22 comentários:

  1. Janita
    "De louco todos temos um pouco"
    Beijo
    Rodrigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Rodrigo e ainda bem!

      Pobres daqueles que não ousam ser " um pouco loucos".

      Beijos.

      Eliminar
  2. A foto é de uma beleza indiscritível.

    Ao contrário de Mário Quintana, eu digo: "Sou poeta? Não, sou louco".

    Vídeo: interessante.

    Tudo o que é feito com amor tem retordo: aplaudo.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo lindo comentário, Observador!
      A minha alma está parva...

      E também digo como tu, António. Posso não ser poetiza, nas tenho a minha quota parte de loucura, inerente a todos os poetas. :)

      Beijocas!

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Claro que sim, Carlos!
      Nem o grupo ficaria completo sem ti.
      Não é por nada, mas creio que também possuis aquela dose "saudável" de loucura, a que o Mário Quintana se refere...

      Beijinho.

      Eliminar
  4. Vou salvar o Mundo
    O Mundo não tem salvação
    Deus é tão infinitamente bom
    Como infinitamente lento
    Caso existisse, claro
    Você é poeta? Não, sou louco
    ____

    Entre o passarito e o jovem
    escolho os três.
    Quem filmou, também contou!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá tentar, o Rogério pode.
      Mas que o Mundo não tem salvação, isso não tem, não!

      Quanto ao colibri que o jovem criou - esse sim, teve salvação- a sua escolha a três foi muito acertada.
      Quem filmou também contou e muito!

      Beijos.

      Eliminar
  5. Era eu um garoto de 14 anos quando vi um pardalito recém-nascido caído no chão. Tratei de o levar para casa e tentei alimentá-lo com uma seringa. Ele recusou. Então a minha mãe aconselhou-me a alimentá-lo perto da gaiola do periquito. O pardalito, julgando que o periquito era a mãe, começou a aceitar a comida da seringa. Já depois de criado comecei a deixá-lo voar livremente dentro de casa (nunca o coloquei na gaiola; sabia que ele morreria, caso o fizesse) tendo o cuidado de ter a janela fechada no sítio onde ele estivesse. E a coisa durou praticamente um ano. Era a minha alegria. Bastou um pequeno descuido, aka janela aberta... e lá se foi uma das minhas alegrias de menino. :(
    Mas gostei da poesia e do vídeo. E quem te disse que não és poetiza tá muito bem enganado. :P
    Beijinhos poéticos e salvadores. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mestre L.O.L.

      Deixaste-me emocionada com esta passagem tão bonita da tua vida.
      Sabes? Quando eu era criança, tinha, muita vezes, um sonho, recorrente,sobre uma ave, que voava muito alto, mas quando me avistava, no meu quintal ( lá no Alentejo) descia, em voo picado e vinha pousar na minha mão. Nesta altura do sonho, acordava sempre com o coração a bater fortemente. Quando fomos morar para Moscavide, tinha eu 12 anos, nunca mais o sonho se repetiu.
      Hoje, penso que noutra vida, noutra encarnação, eu devo ter salvo a vida a essa ave. ( ou a outra qualquer).
      Sim, porque nesta vida, não tenho ideia de ter salvo nenhum passáro...
      Mas, os pardais são aves muito independentes. Se não fosse dessa vez, o teu pardalito teria saído para o ar livre, noutra altura qualquer.

      Beijinhos, sonhadores!

      Eliminar
  6. Esse Mário Quintana diz umas coisas de jeito...

    lol:
    Nunca consegui salvar um pardal, mas já tentei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que conta é a intenção. ;)

      Eliminar
    2. Zé, concordo contigo! Mais, o Mário Quintana dizia e escrevia, coisas geniais. :)

      Afinal, o que falhou nessa tua tentativa de salvar o pardal??

      Beijos.

      Eliminar
    3. Não sei porque não salvei o pardal. Não sabia o que lhe dar de comer. Pão não comia... :(

      Eliminar
    4. Zé, deixa lá. Não fiques triste.
      Quem sabe ainda um dia vais ter oportunidade de salvar outras vidas...:)

      Beijinhos!

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Meu amigo:
      Pensei e repensei e cheguei à conclusão que estás coberto de razão!

      NEM TUDO!!

      Porém, não vai ser por isso que iremos deixar de pôr amor em tudo o que fazemos, verdade?

      Beijos!

      Eliminar
  8. Janita, boa noite!
    Mário Quintana no seu melhor, quanto ao vídeo, adorei!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  9. Querida Janita,

    O Mário Quintana, foi escrevendo o que pela cabeça de meio mundo já passou, mas nem precisa ser louco ou poeta, somente saber sintetizar tão bem o que difícil descrever (estados de espírito).
    Quanto ao vídeo, é uma ternura.
    Mais um bom momento na tua companhia.
    Beijo (mhuaaaaaaaaaa) e kandando com o carinho de sempre

    ResponderEliminar
  10. HOLA JANITA: LA LOCURA DE AMOR SIEMPRE ES HERMOSA Y ÚNICA.-
    BESOS CON AROMA DE ROSAS.-

    ResponderEliminar
  11. Olá, Janita!

    Para desejar um bom fim de semana, e de passagem aproveito para dizer que é linda e ternurenta a história contada no vídeo. E quanto a pensamentos contraditórios, diria eu que eles variam com o estado de espírito, ainda que nós permaneçamos a mesmíssima pessoa ...

    Beijinhos; fica bem.
    Vitor

    ResponderEliminar
  12. Versos lindos de um Poeta lúcido que ama viver!
    Dá gosto lê-lo...

    Toma um grande beijinho.

    ResponderEliminar