domingo, 4 de novembro de 2012

VIAGENS INACABADAS...

Imagem recolhida na Net.





Labirinto Ou Não Foi Nada

Talvez houvesse uma flor
aberta na tua mão.
Podia ter sido amor,
e foi apenas traição.

É tão negro o labirinto
que vai dar à tua rua ...
Ai de mim, que nem pressinto
a cor dos ombros da Lua!

Talvez houvesse a passagem
de uma estrela no teu rosto.
Era quase uma viagem:
foi apenas um desgosto.

É tão negro o labirinto
que vai dar à tua rua...
Só o fantasma do instinto
na cinza do céu flutua.

Tens agora a mão fechada;
no rosto, nenhum fulgor.
Não foi nada, não foi nada:
podia ter sido amor.

David Mourão-Ferreira, in "À Guitarra e à Viola"
 
 
 
««««««««««««««««««««««««««««««
««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

36 comentários:

  1. Olá Janita! Este poema é triste e belo ao mesmo tempo e o vídeo foi muito bem escolhido e aproveitado! Acho que o irei aproveitar para os meus "PPM"! (para os mais incautos direi: não, não se trata de mais um partido político, eheheheh)! Apesar de estar a ver este post no telemóvel, deu para perceber que se trata de um Fado de Coimbra tocado por uma guitarra de Coimbra, instrumento que considero muito difícil! Já tive uma nas mãos e só consegui fazer má figura ao tentar tocá-la! À Guitarra e à viola? Pois é mesmo o que temos aqui! Resta-me apenas saber se estes sons saíram de um labirinto!
    (terei que voltar aqui pra ver o post num pc. Só assim poderei obter mais informações acerca do vídeo)
    Beijinhos bem nocturnos! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luciano!

      A culpa será do tempo frio e chuvoso, do estado da Nação ou de ambas as coisas? A verdade é que a melancolia parece ter-se entranhado em nós e alastra como uma maldita epidemia! :(

      Se gostaste do vídeo, ficarei muito contente se o levares para o teu blog PPM - Pequenos Prazeres Musicais - . Aliás, pensei em ti quando o escolhi!:)

      Beijinhos, Mestre Luciano!

      PS. Tu nunca dormes??:)))lol

      Eliminar
    2. Pois é. Trata-se da Balada de Coimbra do Alcino Frazão. Não confundir com a Balada de Coimbra do Artur Paredes. :)))

      http://www.youtube.com/watch?v=JIXuz2i4Rno

      Eliminar
    3. Sem tirar nem pôr, Luciano!

      E já agora: "Deixa ficar a flor". :)

      Beijinhos, com a infinita admiração que por ti sinto.

      Eliminar
  2. Janita, sempre um encanto. "Podia ter sido amor". Tomei essa frase para mim. Beijos, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Amigão!
      Também foi essa a frase que tomei como minha!
      Há tanta coisa que poderia ter sido, não foi, e pior...nunca será! No meu caso, claro! Tu és um jovem e tens a vida toda pela frente.

      Beijinhos, Menino Beija-Flor.

      Eliminar
  3. Amiga Janita, parabéns pela escolha da poesia e do vídeo castiço.
    Nostalgia, saudade e um labirinto de emoções foi o que senti.

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Amiga Fê!
      As emoções, por vezes, são tantas, que nos sentimos perdidas num labirinto, sem encontrar a saida!

      Beijinhos e boa semana.

      Eliminar
  4. Olá Janita excelente escolha!
    Um poema muito triste com uma beleza muito própria, o video está espectacular!
    Bom resto de domingo

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Flor!
      O poema tem exactamente a tristeza de tudo aquilo que nos poderia ter feito felizes e nos passou ao lado!
      Os artistas de rua merecem todo o meu apreço e respeito. Estes são exímios intérpretes da guitarra portuguesa.
      Beijinhos e boa semana, Adélia.

      Eliminar
  5. Janita Amiga,
    Li um melancólico poema sobre um "amor que poderia ter sido", mas... "não foi nada"...
    Fiquei absorvido pelo som das guitarras. Foi um momento de magia.
    Bj amigo,
    J

    ResponderEliminar
  6. A escolha é magnífica, o trabalho de Mourão-Ferreira idem mas ... um pouco melancólico, não achas?

    Beijo e bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Observador.
      Acho sim! Mas é desse modo que eu me sinto: melancólica!

      Obrigada, beijos e bom domingo.:)

      Eliminar
  7. Olá Janita,
    O vídeo é muito bem escolhido....a primeira quadra a minha preferida.

    Melancólica? Abre a janela, amiga:)

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, JP!
      A primeira quadra é realmente a que tem mais impacto e a mais dolorosa!!
      Quanto ao abrir a janela, primeiro vou espreitar pela vidraça a ver como está o tempo, vale amigo?

      Beijinhos, JP!

      Eliminar
  8. Que bom recordar David Mourão Ferreira, poeta tão esquecido, à excepção dos poemas que Amália cantou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, João!
      David Mourão Ferreira tem sido injustamente esquecido nestes dezasseis anos que passaram sobre o seu desaparecimento.
      No entanto, para além de um grande poeta ele foi um excelente romancista. Nós, portugueses, temos uma característica muito peculiar: tanto colocamos em pedestais e idolatramos certos intelectuais, como votamos ao esquecimento homens de grande valor. Somos um pouco como as "modas".


      INSCRIÇÃO SOBRE AS ONDAS

      Mal fora iniciada a secreta viagem
      um Deus me segredou que eu não iria só.

      Por isso a cada vulto os sentidos reagem,
      supondo ser a luz que Deus me segredou.

      ( D.M.F.)

      :))

      Beijinho.

      Eliminar
    2. Eu publiquei dele no meu blog, há tempos, este poema, que é um hino à sexualidade feminina:

      "Quando em lugar de feltro é de barro de Outubro
      o calor interior das coxas habitadas
      Quando a língua é um barco avançando no escuro
      de um canal de Corinto entre pardas escarpas
      Quando o cheiro do Mar se desdobra em veludo
      Quando rompe na boca o mistério das algas
      Quando em baixo o teu pé a triturar-me o surdo
      Perímetro do sexo encontra a madrugada
      Quando mais se aproxima a náutica do culto
      Quando mais o altar se mostra navegável
      Quando mais eu descubro e restauro e misturo
      Na crista litoral de súbito ampliada
      o ritual do grito o ritual do cuspo
      e vês que ninguém mais merece esta homenagem
      é que enfim te possuo é que enfim te reduzo
      a uma luva uma esponja uma deusa uma nave"

      Eliminar
  9. Olá, Janita!

    Poema recheado de "talvez", o que não foi e poderia ter sido - tantas vezes com a vida a condizer.
    Soa a tristinho; se calhar para rimar com o tempo, e este Portugal que nos querem obrigar a ser...

    Beijinhos; boa semana, de preferência com o Sol a sorrir.

    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Vitor!
      É sempre um enorme prazer receber as tuas opiniões, aqui no meu cantinho!
      Realmente, este é um dos poemas em que tudo é muito dúbio. Como se todas as expectativas saíssem defraudadas! Tal como acontece tantas vezes na vida, dizes bem!
      Felizmente, nem sempre tudo é triste, principalmente quando o Sol nos sorri...:)

      Boa semana também para ti, Vitor!

      Beijinhos.

      Eliminar
  10. Estou com muitas saudades
    como estou resolvendo no momento
    problemas pendentes que preciso realmente
    decidir.
    Com muitas saudades venho deixar meu carinho
    e agradecer sempre pela sua linda amizade.
    Quantas vezes ao me sentir sozinha entro
    no meu blog vejo um recado carinhoso
    minhas forças se renova a cada dia.
    Uma abençoada semana beijos na sua alma
    pra sempre sua amiga,Evanir..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá amiga Evanir!
      Espero que resolva esses problemas que tem pendentes e tudo volte ao normal.
      Obrigada pelo seu carinho, que retribuo com gosto.
      Irei ao seu blog deixar-lhe o recado carinhoso que deseja.
      Beijinhos.

      Eliminar
  11. CREPÚSCULO

    É quando um espelho, no quarto,
    se enfastia;
    quando a noite se destaca
    da cortina;
    quando a carne tem o travo
    da saliva,
    e a saliva sabe a carne
    dissolvida;
    quando a força de vontade
    ressuscita;
    quando o pé sobre o sapato
    se equilibra...
    É quando às sete da tarde
    morre o dia -
    que dentro de nossas almas
    se ilumina,
    com luz lívida, a palavra
    despedida.

    David Mourão-Ferreira, in "Lira de Bolso" (1969)

    (beijo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Hugo.
      Obrigada por esse significativo e lindo Lusco-Fusco que tanto me sensibilizou!
      Fico feliz por também apreciares a poesia de David Mourão Ferreira.

      Beijinhos, Hugo!

      Eliminar
  12. Olá Janita!
    Vi agora o email que me enviaste... fiquei à espera de te ver pelo Facebook visto que tenho uma ligação do blog até ele mas isso não aconteceu...
    Não voltarei àquele blog...talvez um dia...noutra paisagem.
    Talvez seja para breve.
    =)

    Bjs

    Rabisco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rabisco!
      Andei no FB, mas não tive a certeza se eras tu a pessoa cujo nome pesquisei. Deixei uma mensagem, mas vou voltar àquele blog e deixar-te a informação para seres tu a encontrar-me.
      Espero que me avises quando reabrires o novo blog...nessa nova paisagem.
      Fiquei muito feliz por me dares notícias tuas.

      Beijinhos...Rabisco!:)

      Eliminar
  13. Olá Janita
    Em passo de corrida, só para te deixar um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carlos.
      Tem cuidado com as correrias, meu querido amigo.
      Logo que possas abranda um pouco o ritmo...seja qual for o motivo que te faz correr!
      Adorei a tua passagem e agradeço o beijinho.

      Outro grande, para ti, Carlos.

      Eliminar
  14. Olá minha querida!
    Por momentos, lembrei-me de Carlos Paredes, que eu adoro. Quantos artistas destes por aí andam sem que nunca conheçam as luzes da ribalta?
    O poema do DMF também é uma maravilha!
    Um beijinho minha querida Janita!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu querido Kim.
      O som faz lembrar a música do saudoso Carlos Paredes, mas esta Balada é da autoria de outro grande intérprete da guitarra portuguesa, Alcino Frazão, infelizmente também já desaparecido.
      Devo essa informação ao meu amigo L.O.L., um apaixonado pela música.
      E tu, Kim, já te sentes mais animado? Amanhã irei visitar-te no teu cantinho.
      Beijinhos, meu querido e obrigada pelo teu carinho.

      Eliminar
  15. Enquanto esperava poder entrar vi a sua frase sobre a amizade e gostei.

    Que graça, também tenho este vídeo para colocar no blogue, rrss

    De David MF há tanto tempo que não lia nada...

    O meu grato abraço pelas simpa´ticas palavras que deixou no "são", onde espeto vê-la sempre.


    Tenha um excelente dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São.
      Esse vídeo tem a particularidade de ter uma música linda da autoria de Alcino Frazão, como o nosso amigo Luciano já fez referência. Depois, o Castelo de S. Jorge e esses estupendos músicos de rua, merecem toda a divulgação possível. Não deixe de o publicar, São.
      Foi com todo o prazer que a felicitei pelos 5 anos do seu blog e porque o mérito é todo seu!:)
      Voltarei, sim. Gosto sempre de voltar aos sítios onde me sinto bem.
      Um abraço e bom resto de semana.

      Eliminar

  16. Olá Janita,

    Conheço alguns textos de David Mourão-Ferreira e aprecio-o bastante.
    Este é triste, muito bem acompanhado pelo fado de Coimbra de que tanto gosto.
    Se me permites, deixo-te aqui a minha interpretação da palavra LABRIRINTO:

    Lábios
    Abraços
    Beijos
    Inocência
    Risos
    Iintimidade
    Núpcias
    Tentação
    Orgasmo


    Beijinhos em linha reta
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, AFRODITE!

      Não há dúvida que és uma mulher de múltiplos talentos!:)
      Que bem aqui deixaste definida a palavra LABIRINTO!

      Com lábios que beijam, abraços, intimidades, risos, tentações e núpcias, onde não faltam orgasmos, a vida é um labirinto no qual se pode preservar a inocência!!
      ADOREI!!!

      Beijinhos para ti, sem curvas nem esconderijos.

      Eliminar
  17. (agora fui eu que coloquei um "R" a mais. Também tenho a vista embaciada... hehehe)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa lá...
      esse é um R de Riso
      que nunca é demais
      e bem preciso...eheheheh

      Eliminar