terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Nem Contigo Nem Sem Ti.


 
 

A Guerra das Rosas




Partis-te sem dizer adeus nem nada
Fingiste que a culpa era toda minha
Disseste que eu tinha a vida estragada
E eu gritei-te da escada que fosses morrer sozinha
Voltaste e nem desculpa pediste
Perguntaste porque é que eu tinha chorado
Não respondi, mas quando vi que sorriste
Eu disse que estava triste porque tu tinhas voltado
Zangada esvaziaste o meu armário
E em nada ficou meu disco preferido
De raiva rasguei o teu diário, virei teu saco ao contrário,
dei-te cabo do vestido.
Queimaste o meu jantar favorito
Deixaste o meu champanhe azedar
E quando cozinhei o piriquito para abafar o teu grito, eu comecei a cantar
Fumavas e eu nem suportava o cheiro
Teimavas em me acender um cigarro
E quando tu me ofereceste um isqueiro
Atirei-te com o cinzeiro, escondi as chaves do carro
Não queria que visses televisão em dia de jogos de Portugal
Torcias contra a nossa seleção, se eu via um filme de acção tu mudavas de canal
Tu querias que eu fosse contigo ao bar
Só ias se eu não entrasse contigo
Saía pra não ter de te aturar, tu ficavas a dançar com o meu melhor amigo
Gozavas porque eu não queria beber.

Ralhavas ao ver-me de grão na asa
Eu ia à festa sem te dizer, nunca cheguei a saber, se tu ficavas em casa
 
  
Tu deste ao porteiro roupa minha
Soubeste que lhe dera o teu roupão
Eu dei o teu anel á vizinha pela estima que lhe tinha
Ofereceste-lhe o meu cão
Foste lendo o teu romance de amor
Sabendo que eu não gostava da historia
No dia de o mandares para o editor, fui ao teu computador
Apaguei-o da memoria.


Se cozinhavas eu jantava sempre fora
Juravas que eu havia de pagá-las
Aqui na rua dizias-me a toda a hora que quando eu me fui embora
Tu ficaste-me com as malas
Depois desses anos infernais
Os dois eramos caso arrumado
Achando que também era de mais
Juramos pra nunca mais, foi cada um pra seu lado.
No escuro tu insistes que eu não presto
Eu juro que falta a parte melhor
O beijo acaba com o teu protesto, amanhã conto-te o resto
 Boa noite, meu amor!
 

 


 

««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««



 

40 comentários:

  1. Respostas
    1. ...que alegra a vista, Catarina!:-)

      Bjo.

      Eliminar
  2. Gostei da paisagem, da voz do Camané e do quadro dos amantes. Parece que o amor acaba sempre por triunfar. ;)))))
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luciano:
      A letra também tem a sua graça!:)))

      A vida a dois é tramada, mas quando existe amor, é ele que triunfa...sempre!!

      Beijinhos.

      Eliminar
    2. Que distracção a do Luciano. Esquecer-se de mencionar a letra. Rsrsrs;)))

      Eliminar
    3. ...e pensava eu que o distraído fosse o L.O.L. eheheh

      Beijiiinhos!

      Eliminar
  3. eheheh... mas que amor mal amado, mesmo em guerra, Janita ! rsrs
    Que maus feitios ! ... só faltou andarem à pancada ! eheheh
    Que raio de poesia !!! rsrs
    Fez-me lembrar dum filme que vi há muitos anos, com esse nome (ou parecido) ... e a situação era muito similar ! rsrsrs
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem amores assim, Rui!
      Mas não creio que sejam amores mal-amados! Esses, no meu entender, acontecem quando só um deles ama...e o outro, apenas aceita ser amado/a.:(
      Também vi o filme que falas e tem o mesmo título, interpretado pelo Michael Douglas e pelo impagável Danny DeVito, a actriz é uma loura que agora não me recorda o nome. Bolas! Esses travaram uma guerra mesmo pra doer. eheheh
      De qualquer modo, penso que a letra deve ter sido baseada nesse tema.:-))

      Beijinhos.

      Eliminar
  4. A Guerra das Rosas (alusão ao filme com o mesmo nome) foi tremenda. É tremenda. E quando assim é o amor é muito, muito...tu sabes.

    Mas não devias ter dado o roupão ao porteiro...ainda se fosse o vinhos.....eheheh

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ainda se fosse o vizinho era como devia ser!

      Beijinho

      Eliminar
    2. :))))

      Ó JP, sabes que eu não estranhei nada teres falado em vinho, no 1º comentário? Pensei que ainda te lembrasses daquele vinho que eu comprei, este Verão, lá na Quinta da Bacalhôa, no Bombarral, e deixei lá ficar...com grande pena tua...!! eheheheheh

      Beijinho!:)

      Eliminar
    3. Janita,
      Por acaso também dava. E ainda me lembro desses vinhos sim....mas esses não eram para o vizinho. Seriam para os bons apreciadores.....percebeste?

      Beijinho

      Eliminar
    4. Então não havia de perceber, JP...?!?:)

      Até sei quem seria o meu vizinho que apreciaria o tal vinhinho! ehehehe

      Beijinhos.

      Eliminar
  5. É a voz adequada
    Para falar, cantando
    Dos espinhos de cada rosa atirada
    Entre seres que se vão amando

    (gosto imenso disto... e conheço gente que se ama assim)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O comentário do Rogério lembrou-me este pensamento acerca do amor que li, por aí, algures:

      O caminho do amor é cheio de espinhos
      De lutas e prantos.
      Por todo o caminho,
      a gente suporta.
      Quem ama, abre a porta
      E agüenta os espinhos.
      Mas depois de andar, sofrer e chorar
      Paramos pra ver o que mais importa...:-))

      Beijinhos!

      Eliminar
  6. É Janita talvez o amor tenha destas coisas, não sei, sei apenas que se ama porque se ama, não há nenhuma razão para amar.
    Gostei de ouvir Camané.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Flor de Jasmim.
      O amor tem destas coisas! Como dizia aquela velha canção:

      "Inauditas, tão esquisitas
      que não têm explicação!
      Se hoje agrada, logo enfada
      e ninguém percebe nada
      das coisas do coração!"

      Também adoro ouvir o Camané.

      Beijinhos e uma rosa.:)

      Eliminar
  7. Olá, Janita!

    Tem muito de original e divertido, este texto - uma delícia: a lembrar amor de cão e gato, mas que afinal não passavam um sem o outro...

    beijinhos; bom resto de semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Vitor!

      Também acho a letra divertidíssima! Há pessoas que se amam assim...sempre em guerra, mas não conseguem viver um sem o outro. Daí, ter dado este título ao post!

      Beijinhos, Vitor!

      Eliminar
  8. O quadro ficava bem na minha cubata. :-))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Matumbo:

      Concordo plenamente.:-))

      Beijinhos!

      Eliminar
  9. Janita... sempre corajosa, sempre contundente em seus escritos. Mostrou-nos toda sua indignação de forma explícita, sua alma plena. Voce não teve culpa de nada, e se teve, foi meio a meio. Saudades. beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, amigo Carlos.

      Na verdade, nesta história eu estou totalmente inocente!

      Também sinto saudades, sim! Em breve matá-las-ei! De vc, claro.

      Beijos.

      Eliminar
  10. Amiga Janita, este fado faz-me lembrar aquela máxima:
    "Quando mais me bates mais gosto de ti"
    O quadro está um espanto e tanto! :)

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Fê:

      Neste caso, se calhar é um pouco isso.:(
      O que não deixa de ser aberrante, não concordas?

      O espanto e tanto é, afinal, como ele diz:

      "Eu juro que falta a parte melhor"...:)))

      Beijinhos, amiga!

      Eliminar
  11. Olá, JANITA,
    Uma colorida e afadistada [ Camané é um dos meus fadistas favoritos] GUERRA DAS ROSAS em que os amores e os desamores, os encontros e desencontros convivem num verdadeiro equilibrio no arame, outrossim na corda bamba...
    Bj amigo
    J

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Amigo Jorge!
      Estes amores conflituosos dão azo a cenas afadistadas, mas que não deixam de ter o seu fundo de verdade...
      A excelente voz e interpretação do Camané, deu um outro sabor à curiosa letra.:)

      Um beijo amigo.

      Eliminar
  12. Venho agradecer "La Petite Fleur"! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa dos Ventos.

      Eu é que agradeço, e fico muito feliz com a sua presença aqui no meu cantinho.:)
      Parece que desta vez não me saí mal nas dicas lá nos desafios do Rui. eheheh.
      Adoro aquele blog e o Rui é um anfitrião encantador.
      Mas que me tem dado "água p'la barba", lá isso tem!!:)))

      Beijinho, Rosa! Grata pela visita.

      Eliminar
  13. Camané é um dos meus fadistas preferidos e nenhum fado lhe "cai" mal...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João Roque.

      E não é que tens razão?
      A prova está neste fado, um pouco disparatado, mas que ele torna num poema engraçado apesar de invulgar.

      João, ando em falta contigo! Neste fim de semana vou colocar a leitura do teu blog em dia.

      Beijinho.

      Eliminar
  14. Este rapaz de baixa estatura fica sempre gigante em palco. Para além de fadista é ilusionista!

    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Hugo.
      Diz-se que os homens não se medem aos palmos e eu acrescento que o talento também não!:))

      O Camané ilusionista? Olha, não sabia!

      Beijinhos.

      Eliminar
    2. ahahahahahahahah, Janita, ilusionista porque se agiganta em palco...

      beijo.

      Eliminar
    3. Publiquei à hora da capicua!
      Yeaaaaaaaaaah!

      (agora é que pôde confirmar a minha completa loucura...)

      beijinhos.

      Eliminar
  15. Realmente poderíamos traçar algum paralelismo com a Guerra dos Rosas.
    Mas esta guerra tem um final bem mais feliz, pelo menos adivinha-se!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Manuel!
      E tudo está bem quando acaba bem, não é?
      Beijo.

      Eliminar
  16. O João Pedro Pais do fado.
    Não pela qualidade, que aí Camané ganha, mas pelo tamanho! :D

    ResponderEliminar