quarta-feira, 17 de abril de 2013

MARGEM SUL.

 
No início do vídeo podem ver-se imagens muito bonitas da minha terra,
entre elas, uma Praça já vossa conhecida.
 
 
 

ALENTEJO

 
Folheia-se o caderno e eis o sul
E o sul é a palavra. E a palavra
Desdobra-se
No espaço com suas letras de
Solstício e de solfejo
Além de ti
Além do Tejo

 

Verás o rio e talvez o azul
Não o de Mallarmé: soma de branco e de vazio
Mas aquela grande linha onde o abstracto
Começa lentamente a ser o
Sul

 

Outro é o tempo
Outra a medida

 

Tão grande a página
Tão curta a escrita

                        Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe
                                      situada no Alto de S. Gens.
       
Entre o achigã e a perdiz
Entre o chaparro e o choupo
                                                      

Tanto país
E tão pouco

 

Solidão é companheira
E de senhor são seus modos
Rei do céu de todos
E de chão nenhum

 
À sombra de uma azinheira
Há sempre sombra para mais um                          

                                        É de pequenino, que escolhemos o nosso caminho.
 

Na brancura da cal o traço azul
Alentejo é a última utopia
 
 

Todas as aves partem para o sul
Todas as aves: como a poesia

Manuel Alegre
 (Alentejo e Ninguém)

 
*********************************************************
                                                                                  

31 comentários:

  1. ... entretanto...
    em Abril nascem flores
    mais vermelhas
    que os teus lábios

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esperemos que essas flores de Abril se mantenham viçosas e rubras, Mar...!

      Beijo.

      Eliminar
  2. Um conimbricense a escrever assim sobre o Alentejo só se pode explicar por pura paixão e puro génio.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Alentejo desperta em todos os poetas uma paixão genial, Pedro!:-))

      Beijinho.

      Eliminar
  3. Meu querido e doce Alentejo!....
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ana!

      Também és alentejana? É doce e querido, sim, mas também agreste...:)

      Beijinho.

      Eliminar
  4. Há qualquer problema com o vídeo, Janita ! (?).
    Gosto muito mais do Poema do que do autor ! :)))
    O Alentejo ajuda ! ... Já é "poesia" ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que voltei a ouvir o vídeo e a música tocou até ao fim, Rui? Estranho! Não sei qual será o problema.
      Que pena!:(

      Já somos dois, Rui! Adoro a poesia de Manuel Alegre, mas desde que numa revista "Visão", de há uns anos atrás, li uma parte da sua biografia que muito me desagradou, e por certas tomadas de posição que ele tem tido, deixei de o ver com os mesmos olhos....
      O Alentejo é uma poesia com laivos de tristeza, Rui!

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Susana Miranda17 abril, 2013 16:42


    Maravilhoso Alentejo e lindo poema :)
    Quantas saudades…

    A meio o vídeo deixa de tocar!

    Um beijinho e um sorriso
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Susana!:)

      As longas planícies, a perder de vista, são um bálsamo para a alma, principalmente na Primavera. Também sinto muitas saudades das alegres memórias da minha infância!

      Quanto ao vídeo, na minha resposta ao Rui da Bica, já podes ler que o ouvi até ao fim e olha que o meu pc é que me costuma pregar dessas partidas. Sinceramente, não sei que fazer, sorry!

      Beijinhos, Susana!:)

      Eliminar
  6. Janita, minha Boa Amiga,
    Adoptei o Alentejo como a "minha Terra" e não estou arrependido! Tem tudo de belo e selvagem. Ainda não foi muito estragada... Graças a Deus!
    Que assim se vá mantendo é o meu sincero desejo!
    Beijinhos amigos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Luís.
      Ao escolher o Alentejo para viver, era certo e sabido que jamais se iria arrepender. Excelente clima e gente de bom trato e hospitaleira. Também sonho acabar lá os meus dias, ou melhor, sonhava!
      Entretanto, muita coisa mudou.
      Beijinhos, amigo Luís e grata pela visita.

      Eliminar
  7. « Todas as aves partem para o sul
    Todas as aves: como a poesia»

    Eu sei, sou uma ave :)
    Um vim do sul e já vou estar de novo ausente por uns tempos como sabes.

    Até breve amiga Janita!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu és um doce passarinho azul, amiga Fê!
      O importante é que te sintas feliz, quer seja no sul no centro ou no norte!
      Não trabalhes demasiado!:)

      Beijinhos e até breve, Amiga!

      Eliminar
  8. Olá, Janita!

    É uma linda e merecida homenagem ao teu Alentejo, quer no poema quer no vídeo.É terra de que também muito gosto, e que em muitos lugares ainda se assemelhe a um pequeno paraíso - que esperemos não seja perdido...

    Bonito post!
    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Vitor.

      Alentejo...ai, solidão! Solidão...ai, Alentejo!

      Há muita melancolia no povo alentejano, mas penso que existe em cada pessoa muito sonho nostálgico, por vezes sem saber de quê ou de quem. Pelo menos comigo passa-se isso.

      Beijinhos amigos Vitor, e obrigada pela amizade com que me privilegias.

      Eliminar
  9. Adorei rever o video (porque vejo muitas vezes), assim com adorei o poema, é uma belissima e sentida homengem ao Alentejo que também eu gosto imenso, conheço Guadalupe e conheço Serpa a terra da Janita, os meus meninos foram actuar a Serpa, tocaram a Aleluia à meia noite de sábado para domingo de Páscoa.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto muito do vídeo, Flor, e já agora...conseguiste ouvi-lo até ao fim? É que tanto o Rui da Bica como a Susana Miranda disseram que ele parava a meio.

      Nas Festas da Páscoa afluem a Serpa muitas pessoas de lá e que vivem fora, mas também imensos forasteiros, já que se celebram as festas da Cidade e da Padroeira da terra, Nossa Senhora da Guadalupe. Juntam-se as festas religiosas com imensos eventos culturais e recreativos. São três dias de grande animação, que culminam com o piquenique na serra de S. Gens, junto à Ermida e à Pousada. Muito lindo!
      Aposto que os teus netos devem ter adorado a minha terra.:)
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Para mim é novidade que sejas alentejana! Mas gosto da música, além que o Alentejo é só por si uma musa para os poetas, alegres ou não... :)))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Teté, nasci no Alentejo!

      Hoje em dia a música alentejana já não são apenas aqueles cantares dolentes, ligeiramente balanceados e carregados de nostalgia. O António Zambujo e outros cantores, deram nova vida ao cante alentejano. De qualquer modo, muitos poetas, incluindo a Florbela Espanca fizeram dos campos solitários da planície a musa inspiradora de muita poesia.
      Até os alegres...:)

      Beijnhos!:)

      Eliminar
  11. Eu não sou alentejano mas sinto-me como se o fosse quando vejo ou leio homenagens ao Alentejo.

    Mas sou suspeito e tu sabes porquê. Deixei-te resposta ao comentário do meu último post :)

    Ah é verdade, não queres que te envie pelo correio o Sete facadas? Qualquer dia és a última a lê-lo, menina.

    Uma beijoca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vitor Fernandes.

      Deves ter mais Alentejo no coração do que muitos alentejanos!

      Adoras o cante, embora digas que não sabes cantar.;)

      Já lá fui ver a tua resposta! Adorei a quadra, mas fica sabendo que não tens nada para me agradecer. Já sabes que desde há anos sou tua fiel leitora, porque gosto e não para te agradar.:)))
      Estava a contar ir à Charneca no próximo feriado, até porque faço ponte, então combinávamos a entrega do livro, mas como o meu Luís anda sempre em viagens de trabalho, o mais certo é não ir. Agora está ele em Bucareste e a irmã em Moçambique. Que raio de vida! Acabo por passar os meus últimos anos de vida privada da companhia dos filhos.
      Vou enviar-te a morada e mandas-me o livro, está bem?

      Um beijinho!

      Eliminar
    2. Está bem.
      De qualquer forma não estou no f-d-s de 25 a 28 de Abril, em Almada.

      Grande beijoca

      Eliminar
  12. Passei uns dias em Beja em casa de uma amiga há já muitos anos. Recordo-me bem do calor! : )
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina, se foste ao Alentejo no Verão, deves ter sentido muito calor, sim. Aquilo é como no México e em Espanha, toda a gente dorme a siesta, na hora da "calma"!:))
      E não te lembras de mais nada, Catarina?

      Abraço!:)

      Eliminar
  13. Olá Janita!

    Ora bem, vamos por partes!

    Quanto ao vídeo, é arrepiante ouvir o Adriano cantar sobre a angústia, logo ele que segundo o Zé Mário, morreu de tristeza...

    Quanto à poesia de Manuel Alegre, convém referir um ou dois pormenores importantes! Tenho "Alentejo e Ninguém" com dedicatória do Poeta no Poema "Utopia". Mas o que importa salientar é o seguinte: o que a Janita aqui publica, não é um poema, mas sim quatro poemas desse livro!

    De "Folheia-se o caderno..." até "começa lentamente a ser o sul", trata-se do poema "Teoria do Sul".

    De "Outro é o tempo..." até "e tão pouco", trata-se do poema "Alentejo".

    De "Solidão é companheira..." até "há sempre sombra para mais um", trata-se do poema "Paisagem com homem"

    Por fim, de "Na brancura da cal o traço azul" até "todas as aves: como a poesia", trata-se do tal poema "Utopia", que tenho dedicado a mim, porque lhe pedi...

    Eu tenho a primeira edição de 1996, desconheço se o Poeta alterou, juntando posteriormente, estas Poesias numa só... mas parece-me pouco provável (posso estar enganado)... Aliás, se assim o fez, aproxima-se de Herberto Helder, que passa a vida a alterar a sua Poesia já escrita... Mas repito, que não me parece que Manuel Alegre tenha a mesma relação com a escrita que o também enooorme Herberto, reserva como muito própria.

    Sem chatear mais, assim me despeço, com muitos beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu nunca "chateias", Hugo! Fico sempre muito feliz quando te vejo por "perto":)

      Eu arrepio-me sempre que o Adriano canta aquela parte "...terra sangrenta de Serpa, terra morena de Moura..."
      E sim, Hugo, acredito que se possa morrer de tristeza.

      Quanto ao Poema do M.A., tens de facto razão, ele escreveu vários poemas relativamente ao Alentejo, em "Alentejo e Ninguém", mas este foi condensado num só com parte dos outros, Pelo menos é esse o conhecimento que tenho, o que não significa que esteja 100% certo.

      Tem uma boa noite querido Hugo e mando muitos beijinhos para ti, também!:)

      Eliminar
  14. Já consegui ver o vídeo sem qualquer problema, Janita ! :))
    Lindo ! :)) ... Sabes que há 2 anos resolvi passar 4 dias no Alentejo, hospedado em Beja (proximidades), para fazer vários circuitos em volta ?... :))
    maravilhoso !... Aljustrel, Castro Verde, Mértola,... Beja, Serpa, Moura, Alqueva, Reguengos de Monsaraz, Monsaraz,... Beja, Portel, ... Beja Portel, Évora,... Antes, acedi a Beja pelo litoral até Sines, Santiago de Cacém, Ferreira do Alentejo,...
    Dias maravilhosos em Maio, muito bem aproveitados ! :))

    beijinho ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maio, é o mês ideal para se passear pelo Alentejo, Rui!

      Imagino que dias maravilhosos devem ter sido esses.:))

      A minha nora tem uma amiga que vive num monte em Monsaraz e diz maravilhas daquela antiga e histórica localidade, que eu não conheço!
      Ainda bem que conseguiste ouvir o vídeo até ao fim.:)

      Beijinho, Rui!

      Eliminar
  15. Sabes quanto gosto do Alentejo e principalmente de Serpa,onde deixei um bocadinho do meu coração durante os anos que lá vivi.
    Curiosamente nunca lá passei as festas da Páscoa pois coincidiam com as férias escolares.
    Mas ainda hei-de lá ir um dia para passar essas festividades.
    Tão linda a Capela do Altinho...

    ResponderEliminar
  16. Eu sei, João!
    Sei o quanto ficaste a amar o Alentejo, durante os quatro anos que leccionaste em Serpa. Os laços de amizade que lá criaste e, assim sendo, seria impossível que um pouco do teu coração não tivesse lá ficado.
    Curioso como o local onde se situa a Capela da Padroeira, se tivesse mantido, através dos tempos, com a denominação que o povo tão sabiamente lhe atribui-o: "Altinho"!
    Justamente por se situar no ponto mais alto de S. Gêns. Já no meu tempo assim era e assim será para sempre.
    Se nunca lá passaste as festividades pascais, não deixes de lá ir na primeira oportunidade. Durante esses dias, há no ar um ambiente tão festivo, que nos enche a alma de alegria.

    Beijinho.

    ResponderEliminar