domingo, 14 de abril de 2013

No Vale de Vermont...

 
 
 

O ano é o de 1950, o mês o de Setembro, e o dia o vigésimo quinto.

Em que lugar? No vale das montanhas de Vermont, onde nasci e passei a minha infância. Atravessei os mares, fiz minha a pátria do meu amado. Depois veio a guerra, passei a ser estrangeira a despeito do meu amor, e assim regressei ao vale.

Há cerca de meia hora descia eu o caminho sob a rubra e áurea abóbada dos áceres, ao encontro do carteiro. O homem vem só três vezes por semana a este sítio remoto das montanhas de Vermont, e em três manhãs na semana eu acordo cedo e inquieta.

Há sempre a possibilidade de ele trazer uma carta de Pequim, uma carta de Gerald. Têm decorrido tantos meses sem que ela chegue!

Esta manhã, porém, recebi uma carta. O carteiro exibiu-a logo e entregou-ma:

- Aqui está aquilo por que espera.

Não a abri antes de o ver partir. Então, sozinha na azinhaga, debaixo da arcada de áceres, que resplandeciam ao fulgor outonal, resolvi rasgar o sobrescrito. Lendo-a, compreendi que já esperava o seu conteúdo; ou melhor, tinha a certeza de que não ia ficar admirada. Não me surpreende nada do que possa fazer Gerald; não me escandaliza, não me fere. Amei-o, amo-o e amá-lo-ei sempre.

    Li a carta  uma, duas vezes. Na atmosfera silenciosa deste Outono, o vento não bulia com as folhas cintilantes das árvores. Quase ouvia a voz de Gerald proferindo as palavras que escrevera:

 

                                Minha querida Eve:

 

      Antes de começar, deixa-me dizer-te que só a ti eu amo. Seja o que for que eu faça agora, lembra-te de que és tu o meu único amor. Se não te chegar às mãos mais nenhuma carta minha, acredita que no meu íntimo te escrevo diariamente.

 

Eis as palavras de abertura; li-as e soube logo o que ia seguir-se. Li até ao fim e depois, com a voz de Gerald a ecoar-me nos ouvidos, retrocedi para casa.

A casa permanece deserta quando Rennie vai ao colégio. Bem-digo esta solidão. Fechei a carta na gaveta de segredo da papeleira. Esquecê-la-ei. Pelo menos, tratarei de a esquecer até que este torpor me abandone. E escrevo, para me consolar: escrevo tudo o que sinto, desde que não há ninguém com quem possa desabafar…               

(…) No entanto aqui estou, nesta aldeia de Vermont chamada Raleigh, numa quinta isolada, em companhia do nosso filho, de dezassete anos de idade. É filho único. A nossa filha morreu repentinamente ainda muito nova: de manhã estivera a rir e, à noite, já não existia. A saudade faz parte do preço por que paguei o amor de Gerald e a minha ida com ele para a China.

Creio que ele jamais deixou de lamentar a perda da pequenita. Mal dormia nos meses que se seguiram, e alimentava-se tão pouco que a sua figura, delgada de natureza, se tornou esquelética.

- Devia ter ficado no teu país – dizia ele – Se vivêssemos na América, a nossa filha não teria morrido. Privei-te da felicidade.

Eu apoiei-lhe a minha cabeça no peito.

­ - Para onde fores, irei também. Nada me compensaria da tua ausência.

Gerald fitou-me de maneira estranha.

- Há grande diferença entre as mulheres americanas a as chinesas. Tu és mais esposa do que mãe. 

- Quando estou contigo sou inteiramente tua mulher. Além disso, nunca serias feliz na América.

Não, nunca seria feliz aqui. Bem o sabia então e mais o sei agora. Apesar de em Pequim sentir saudades da pureza e frescura destes montes de Vermont, a verdade é que fui feliz ali.

Cidade formosa como uma gema, doirada pelo tempo e pela História, com um povo cortês e alegre - e eu via a existência alongar-se à minha frente bela e pacífica! Aí, supunha, seria enterrada ao lado de Gerald, ambos velhos, carregados de anos…

 
A continuação - embora abreviada -  ficará democraticamente ao critério dos leitores.
 
« O Leitor Decide»
 

 **************************************************************
 

14 comentários:

  1. Eu vou ficar à espera do resto!
    Um grande beijinho minha querida Janita!

    ResponderEliminar
  2. É para escrevermos um final?!? Bom, vou pensar nisso, que um final não sai assim de supetão... E já percebi que o livro é de Pearl Buck e, portanto, a exigência ainda maior... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  3. Talvez a, ou uma das, últimas cartas recebidas de Pequim !
    Claro que o que se passou depois disto foi terrível ! :((
    ... e dizias que não tinhas muito jeito para descrever literatura nem filmes ! ... :))))... por isso aguardaremos ... rsrs

    Beijinho, Janita e uma Boa Semana ! :))
    .


    ResponderEliminar
  4. Vou aguardar!
    Excelente Janita, como diz o Rui e com razão para quem dizia não ter jeito para escrever.
    Adorei

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  5. Susana Miranda14 abril, 2013 23:35



    Também vou aguardar!

    Beijinho e um sorriso
    Susana

    ResponderEliminar
  6. Meus queridos leitores amigos:
    Antes que o erro ( meu, em virtude de não ter deixado isso claro) tome maiores proporções, é meu dever esclarecer que este texto é o início do livro que consta na etiqueta do post, logo, escrito por Pearl Buck e não por mim.
    Estou a transcrevê-lo, palavra por palavra, a partir do livro. O resumo feito por mim, num post anterior, não faz de modo algum jus ao romance.
    O que escrevi no final, teve como intuito auscultar a vossa opinião sobre o interesse na continuação do mesmo, embora vá passando por cima de algumas partes que considere desnecessárias sem, contudo, desvirtuar a estória.
    Claro que pelo meio irei publicando outros temas, já que transcrever textos de livros, não é das tarefas mais apelativas.:)

    Aproveito a oportunidade para dizer à Susana Miranda, a quem agradeço as simpáticas visitas, que não me é possível aceder ao seu blogue. Nem pelos comentários nem através da foto de perfil, uma vez que não tem hiperligação ao blog. Gostaria muito de a visitar, mas não me é possível.:(

    Beijinhos e o meu muito obrigada a todos.

    Janita.

    ResponderEliminar
  7. Eu voto na continuação.
    Beijinhos e votos de boa semana!

    ResponderEliminar
  8. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderEliminar
  9. Sua danada!

    (esperarei!)

    linda semana.

    abç

    ResponderEliminar
  10. Olá.
    Sou o orgulhoso dono de um exemplar de "A Mãe" - 1ª edição, 1968. Foi-me dado pela minha prof.ª de português do 2º ano na Escola Preparatória Arnaldo Gama em 1/6/77. Ainda me lembro bem da Prof.ª Zuraida - espero que esteja tudo bem com ela.
    "A Mãe" tornou-se o primeiro livro de grande literatura, que li fora do programa curricular. Li e reli por mais que uma vez. Escrito em 1934, desenrola-se no coração da China, em torno de uma mulher que se vê abandonada pelo marido , com três filhos...
    Penso que não voltei depois a Pearl Buck.
    Voto na continuação, claro.
    Beijo

    ResponderEliminar
  11. Olá, Janita!

    Se nos é "concedido" o direito de voto, eu digo sim.Continua com a publicação da história, que parece interessante, e ficarei a conhecer um pouco do trabalho de Pearl Buck, de quem, como já disse antes, conheço apenas uma obra - de que gostei.

    Beijinhos amigos; boa semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
  12. Susana Miranda15 abril, 2013 17:16



    Janita, boa tarde

    Obrigada, pelas palavras. Sou seguidora…não tenho blog…nem facebook…devo ser poucas pessoas!

    Talvez um dia pondere :)

    Se me permite…

    Bodas de Primavera Para a Paz

    Quero levar bem longe este meu sonho,
    Esta vontade ardente, este meu grito…
    Este poema a arder, a fogo escrito,
    Esta paixão e amor, que tudo ponho!

    Quero que a minha voz seja clarim
    Despertando manhãs de Primavera…
    E a Paz, quebre as algemas da quimera,
    E se transforme em dádiva sem fim!

    (Faltam versos- extenso) …

    Porque este sonho em mim não de desfaz
    E da luta que dói, não me demito:
    Que seja este meu canto, este meu grito
    _ Bodas de Primavera para a Paz!

    (Castro Reis- Livro- Bodas de Primavera Para a Paz 1989).


    Beijinho e um sorriso
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que lindo, Susana!

      "Quero levar bem longe este meu sonho,
      Esta vontade ardente, este meu grito…
      Este poema a arder, a fogo escrito,
      Esta paixão e amor, que em tudo ponho!"

      Muito obrigada e volta sempre. Imagino que sejas uma pessoa tranquila, bem resolvida, e a tua presença faz-me bem!:)

      Beijinho sorridente e muito contente!

      Janita

      Eliminar
  13. Pois, bons textos são sempre apreciados, mas eu prefiro sempre ler a obra completa.

    ResponderEliminar