segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

O Fidalgo e a Camponesa.


Hoje deixo-vos uma história em verso, de raízes antigas e tradicionais, vinda do tempo dos trovadores, que poderia servir a uma análise bastante profunda, quiçá, ( o que eu gosto desta palavra) a um estudo de comportamento, no aspecto moderno da emancipação da mulher. J


( Diz o Fidalgo)
Gentil pastora, ouve um estranho,
deixa o rebanho, vem me escutar
pois que perdido há mais de uma hora
vago pastora neste lugar.
(Responde a Pastora)
Senhor bons dias, bem-vindo seja
tranquilo esteja que a vila é perto.
Siga essa estrada bem direitinho
não há caminho mais curto e certo.
( Fidalgo, e assim por diante... :) )
Extensas léguas hei caminhado,
estou prostrado não tenho ar.
Vê se me indicas qualquer um pouso
onde o repouso possa encontrar.

 Senhor bem vejo que vós sois nobre
meu lar é pobre vede-o acolá.
Se aos vossos brios não há perigo
meu triste abrigo não longe está.

Muito obrigado gentil morena
mas, ó que pena, não posso ir.
Tu meiga e bela, de encantos cheia,
cá desta aldeia deves fugir.

Ah! Não que eu tenho vida folgada
sou muito amada de coração.
Meu nome adeja aos sons cadentes
dos versos quentes de uma canção.

Isto que vale, bela serrana,
se uma choupana só tens por lar?
Deixa este sítio na soledade
vem à cidade viver, gozar.

 Ai, morreria lá na cidade
só de saudade da gente nossa.
A viver rica mas esquecida
prefiro a vida na minha choça.

Mas se eu te trair nada tu sofres,
dou-te os meus cofres, juro por Deus.
Habite eu pobre numa choupana,
tu, soberana nos Paços meus.

Ah, não aceito que é vil desdouro
guarde o tesouro meu bom senhor.
Para tornar-se rica princesa
a camponesa não vende amor

És muito pobre pra amor tamanho
segue o rebanho mulher grosseira
Ah, como és tola, como eu te iludo
não passa tudo de brincadeira.

Se em vossas pompas, a vós senhores,
vendem amores as cortesãs,
essa fraqueza das damas nobres
não mancha as pobres das aldeãs!
Como já adivinharam, a autoria é de Almeida Garrett!
 
 
 
Esta camponesa é mais moderna, mas também não vai na conversa do Fidalgo!
 
Quanto à sua beleza, deixo-a à imaginação dos meus amigos...

 
----------------------------------------------------------------------------
----------------------------------

58 comentários:

  1. Gostei muito de ler Almeida Garrett neste poema e de ouvir o nosso Rui, um excelente músico, compositor e cantor.
    A música e a poesia relacionada com o campo fez-me escolher uma música de um grande cantor da MPP. Aqui fica para ti ! Ele até é conhecido pelo teu nome :) !!! Tradicional da Beira Baixa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ricardo!

      A nossa Música Popular tem canções de cariz regional belíssimas. Parece que és bruxo! Salvo seja!!...Adoro esta canção tradicional da Beira Baixa, mas acontece que sempre pensei que o título fosse 'As Armas do meu Adufe'.
      Tem um ritmo que nos faz saracotear...
      Sabes que, como vivi, na minha meninice - antes dos vinte todas as jovens desse tempo eram moças-meninas - em Castelo Branco, durante dois anos, conheço as Idanhas que o Janita Salomé canta. A Nova e a Velha. Os Cebolais- de Baixo e de Cima - e o adufe é mesmo feito de pau de laranjeira! :))
      Este tema é o que mais gosto do Janita e cantava-o com a minha amiga Maria.
      Depois...a vida encaminhou-me para o Porto, 'amarrada' por laços sagrados e tudo o vento levou!...
      Obrigada, Ricardo! Adorei reouvir a canção e nem imaginas quantas já foram as vezes que a ouvi!

      Beijinhos.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Uma partilha bastante singela, embora a considere muito bela, Mar!

      Ainda bem que gostou!

      Beijo.

      Eliminar
  3. Não conhecia, pelo que, fez-me imediatamente recordar o Gil.

    Gil Vicente e Almeida Garret, dois exponentes da dramaturgia portuguesa.

    As moçoilas inteligentes, depressa aprenderam a defender-se da verborréia dos fidalgotes; mas acabados estes, começou uma época de jogos de sedução mais encapotados, por isso, mais perigosos.

    VIvendo em sociedades agrícolas pobres, poucas tinham hábitos de leitura. Penso que foi a TV, oferecendo propostas de teatro, cinema e comédia e, mais tarde, o ensino obrigatório, que contribuíram para a evolução das mentalidades e grande progresso na emancipação feminina

    ~ ~ ~ Beijinhos ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Majo,

      Esqueceste Guerra Junqueiro, de quem tenho uma colecção invejável de livros, quer em prosa quer em verso. Já publiquei do seu livro " A Velhice do Padre Eterno" uns poemas lindos e comoventes. Como, por exemplo, 'O Melro'. Provavelmente deves conhecer!:)
      Aliás, gosto mais do estilo literário de Junqueiro do que de Garrett.
      De Gil Vicente, gosto dos autos! O de Inês Pereira é uma lição de vida...que eu devia ter seguido. eheh

      Beijinhos.:)

      Eliminar
  4. Esperemos que e deje opinar pues son varias las veces que lo intento y no lo consigo. Excelente poema para leerlo una y otra vez sin cansarse.

    Saludos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hola, amigo José.

      No sabia que ya habias intentado entrar en mi blog y no lo conseguiste. Bueno, espero y deseo que eso no se repita. Me gusta mucho verte por mi casa. Claro, yo sé que a ti también te gustan mis visitas.
      Te pido desculpa por mi falta.

      Un beso y gracias, José.

      Eliminar
  5. Excelente Janita!
    Gostei imenso, assim como gosto de te ver fora do baú.

    Amiga o link do meu post, era da tempestade de 19 de Janeiro de 2013 que a tal arvore caiu e deixou um rasto de destruição, as fotos foram tiradas um dia antes.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, amiga Flor!

      Gostei dessa alusão à minha saída do baú...Nada dura eternamente:))

      Eu sei, minha querida, vi o link logo depois, mas preferi não voltar a falar de males passados. Na altura deixei-te o meu apoio, que mantenho, para o que der e vier. Mas acho que ficar a remoer águas passadas, não é bom para o nosso equilíbrio emocional. Já bastam os males do presente!
      Desculpa, mas é assim que penso e já me conheces. Prá frente é que se faz o caminho...
      Espero que estejas bem, Adélia. Tu e todos os teus.

      Beijinhos.

      Eliminar
  6. Porque será que precisamos envelhecer para sabermos apreciar, devidamente, estes poemas?
    Na escola era um tormento, agora um encanto ler, embalado pelo voz do Rui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o mal da obrigatoriedade, Manuel!

      Quando os anos passam e as leituras não nos são impostas, acabamos por dar mais valor àquilo que lemos e encerram valores que antes nos passavam ao lado.
      Um abraço.

      Eliminar
  7. Olá Janita, não conhecia mas adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, querida amiga.

      Que bom voltar a ver-te por cá. Também já te visitei e adorei, como sempre, a tua bela poesia.
      Não vejo a hora de o amigo Rogério Pereira ou a amiga Fê, fazerem outra desgarrada, para lá nos divertirmos.:))

      Beijinhos com afecto.

      Eliminar
  8. Vertido para os dias de hoje, Garret ainda faz sentido...

    E o poema de Carlos Tê é lindo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há poemas e prosas intemporais , Rogério!

      Esta parceria de Carlos Té e Rui Veloso, também ficará para a posteridade.

      Beijo.

      Eliminar
  9. Gosto muito da junção de autores literatos e música de que gostamos. Eu tento fazer isso, sempre que posso, no meu modesto blog e dá-me um prazer imenso. Calculo que tenha o mesmo prazer!

    beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei, Hugo!

      O teu último post é a prova disso! Juntaste a tua bem escrita e bela prosa com um vídeo bem ilustrativo da mesma.
      Só lamento não ter o teu talento e conhecimentos musicais e o teu jeito para a escrita.:(

      Beijinhos.

      Eliminar
  10. Boa ideia esta de juntar Garrett e Rui Veloso.
    Ficou bestial!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Sabe que na minha juventude usávamos muito essa palavra: 'Bestial', Pedro?

      Agora a linguagem juvenil é só bués da fixe... A nossa gíria era mais engraçada!

      Beijinhos amigos.:)

      Eliminar
  11. Ainda bem que a camponesa não foi na cantiga, mas penso que iria adorar a cantiga do Rui. :)) Gostei.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa camponesa era do tempo em que havia dignidade e o amor não se trocava por nada do mundo Assim do tipo: Um amor e uma cabana, sabes? :) Por isso ela não foi na cantiga! Estava à espera de um grande amor.
      Esta cantiga do vídeo não tenta comprar a camponesa, mas se estiveres atento à letra, vais ver que o Rui diz que ela nunca o leva à sua herdade nem quer ouvir um 'trocadilho', que torne realidade o sonho que ele perfilha.
      Malandrice!! eheheh

      Beijinhos, Luciano!:)

      Eliminar

  12. Post lindo...
    Como diria o outro... adorei adorei adorei!
    Sabes do meu gosto por quadras soltas e corridas... e este jeito de Garret é uma delícia, bem como a temática dos próprios versos.
    E o tema do Rui... é uma "velha amiga" que canto desde a adolescência.


    Beijos campestres em Ti
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó AFRODITE...
      Por acaso esse que dizia: 'adorei, adorei, adorei'... não era o Zé Castelo Branco, pois não? Olha lá a quem dás ouvidos!:))

      A camponesa do Garrett pode não ser do conhecimento geral, mas a do Rui e do Carlos Té...quem a não conhece? Também é uma velha amiga minha, que adoro! Tanto quanto a ti.:)

      Beijinhos com cheirinho a a alecrim.


      Eliminar
    2. LOL... nada disso!
      Apesar de não ter visto o filme, lembro-me sempre do trailer do "Recordações da casa amarela" onde João César Monteiro dizia essas três palavrinhas.

      1beijo, 2 beijos, 3 beijos
      (^^)

      Eliminar
    3. Ahhh, amiga!

      Assim, também eu adorava, adorava, adorava!!:))

      3 beijinhos para ti!

      Eliminar
  13. A camponesa não foi na cantiga de Carlos Tê?
    Pelo menos nessa, caramba!

    Beijocas, Janita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por incrível que pareça, Observador, gato escaldado de água fria tem medo!
      Ando a gastar os meus provérbios e depois quero ver como dou continuidade aos ditos cujos!
      Bom, a cantiga é linda e todos a adoramos, mas as camponesas ficam desconfiadas com os citadinos:) Vá-se lá saber porquê! Não vês que nenhum a convence a ir até à herdade? Ela lá sabe porquê!
      Eu não sei de nada, caramba!:) :)

      Beijocas, António. Já andas com saudades minhas? Eu já!...

      Eliminar
  14. Não conhecia o poema, mas isso não é novidade para mim e para muitos que me conhecem !
    Já quanto à Camponesa é um dos temas que mais gosto do Rui Veloso ! :))
    ... e que bem que ligaste uma coisa à outra !!! ...

    Beijinhos sem preço e com o maior apreço ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conhecias mas ficaste a conhecer, Rui Amigo!:))

      Tás a ver que aqui também aprendes alguma coisita??

      De facto a melodia da Camponesa é muito suave e soa bem. Mas o Porto Sentido tem um quê especial que me faz sempre estremecer!

      O teu apreço não tem preço, meu querido amigo.

      Beijinhos!:)

      Eliminar
  15. Querida amiga
    Mais uma linda semana recomeçou
    Mais uma vez o sol brilhou
    Para nos abraçar com sua cor
    Sobre cada flor
    Fazendo com que tudo fique mais belo e colorido.
    Trazendo a alegria para viver a nossa vida com mais serenidade e alegria.
    Desejo a você minha paz e alegria para seu coração.
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Maria Alice,
      Sê Benvinda, após uma larga ausência.
      Obrigada pelas lindas palavras. Pena que, por aqui, o Sol não tenha brilhado e o frio seja de arrepiar. Mas temos esperança que a Primavera traga tudo o que dizes.
      Muita paz e alegria também para ti, amiga.

      Janita

      Eliminar
  16. Respostas
    1. Gostaste de verdade, Tio? Que bom!

      Nunca gostas de nada que eu publico. lol

      Beijinhos!:)

      Eliminar
    2. Pois, podes passar a publicar coisas que eu não goste?
      Espero que não...
      Beijinhos

      Eliminar
    3. Tio Algarvio,
      Em primeiro lugar eu publico os temas que gosto. Quando agradam e os amigos gostam fico muito feliz. A minha observação acima, foi uma brincadeira da minha parte, dadas as raras vezes que passas por cá!

      Tudo numa boa!:)

      Beijinho.

      Eliminar
    4. Eu passo por cá muitas vezes e gosto sempre do que publicas. Mas nem sempre comento :-(
      Beijinho

      Eliminar
    5. Se alguma dúvida me restasse - de que passas por cá - ficaria dissipada com estes teus saborosos comentários!
      Mas não te preocupes, comenta só e quando te apetecer. A amizade não se mede pela quantidade de comentários. Há blogues que leio, porque gosto do que escrevem, mas nem sempre comento.

      Beijinhos, Tio!:-))

      Eliminar
  17. Lembra um pouco a história da raposa e das uvas... :)

    Gostei de ouvir Rui Veloso!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me fizeste rir, Teté! E não é que tens razão?

      O aldrabão do Fidalgote, quando viu que a doce camponesa não ia na sua lábia, tentou rebaixá-la chamando-lhe grosseira. Tal qual a raposa, que despeitada, por não lhes chegar, disse que as uvas estavam verdes, só um cão as poderia tragar.

      Mas heis que cai uma parra
      quando prosseguia o seu caminho
      e crendo que era algum bago
      volta depressa o focinho!:)

      Um grande beijoca!

      Eliminar

    2. Amiga, ao recordares essa fábula deixaste-me com os olhos cheios de água... lembrei-me do meu pai, tal e qual, a contar-me essa história.

      Doces recordações...

      Eliminar
    3. Minha querida, esta e outras fábulas aprendi-as pouco depois de aprender a ler e nunca mais as esqueci.
      Suponho que o teu pai também as tenha aprendido, mais ou menos na mesma altura.
      Essas emoções até te fazem bem, amiga! Por vezes é bom recordar, ainda que a saudade doa!

      Beijinhos e um grande abraço com carinho

      Eliminar
  18. Não conhecia o poema, mas gostei.
    A camponesa não foi na cantiga, suponho que iria adorar a cantiga do Carlos Tê.

    Beijinho e um sorriso
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Histórias rimadas que actualmente caíram em desuso, Susana.
      Hoje para poetar nem é preciso rimar!
      Mas eu gosto...Garrett e Junqueiro têm um lugar especial na minha pequena biblioteca, embora, ao lado de muitos dos contemporâneos. Uma mistura sem brigas, por lugares de destaque!!:)

      Beijinhos.

      Eliminar
  19. Amiga Janita;

    Escolhestes bem ! Duas camponesas cheias de personalidade e que não vão em cantigas de fidalgos mal intencionados :)


    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh
      Amiga Fê, parece que a opinião da maioria é que a 2ª camponesa deveria ir na cantiga do Rui e do Té. Só nós é que achamos que não!:)

      Beijinhos já meio ensonados. A esta hora eu só ia em cantigas de embalar! :-))
      ___________________________________

      Vitor e António, vão desculpar-me mas falo convosco amanhã.

      Beijinhos aos dois.

      Janita

      Eliminar
  20. Olá, Janita!

    Como acima disse a Teté, a capacidade do fidalgo mudar o rumo ao discurso, faz lembrar a fábula de La Fontaine...

    O texto é delicioso, e se o adaptarmos ao vocabulário de hoje é perfeitamente contemporâneo: a arte da conquista não mudou assim tanto ao longo dos tempos, com a ressalva de uma diferença de monta:a de que ela deixou de ser exclusivo de fidalgos, já que também as fidalgas passaram a entrar no jogo...

    Boa escolha de tema e de vídeos, em particular o da barra lateral - de que gosto muito.

    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Vitor!

      A Teté é muito perspicaz e apanha 'no ar' tudo o que possa estar nas entrelinhas!
      A arte da conquista fraudulenta tem sempre os mesmos contornos e qualquer mulher, seja do meio rural ou citadino , tem um sexto-sentido que o detecta a léguas. O pior será quando se apaixona e, como sabes, o amor é cego, ou entorpece a razão. O que vai dar ao mesmo...
      Por acaso eu gosto dos versos pelos versos em si, independentemente da história que contam.
      Ainda ninguém tinha reparado ou se reparam nada disseram, sobre os vídeos da barra lateral. De vez em quando irei mudando, para variar.
      Aquele do Pablo Alborán e da Carminho já não é novidade para ninguém, mas eu adoro-o. A "Pronúncia do Norte" é já um clássico do Rui Reininho.

      Beijinhos muito amigos, Vitor! Agradeço as tuas sempre simpáticas opiniões.

      Um abraço.

      Janita

      Eliminar
  21. Boa noite,
    Texto delicioso muito bem construído, a musica assenta na perfeição, é linda.
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite, António.

      Se há algo de que Portugal se pode orgulhar é de ter tido, ao longo dos séculos, grandes figuras ligadas à Literatura, à Poesia e à Pintura.
      Às Artes, enfim!...
      Gosto muito desta nova vaga de autores contemporâneos, mas sinto uma grande atracção pelos autores do passado. Se calhar, nasci fora do meu tempo!:)
      Fico contente com o seu agrado, António.

      Abraço,

      Eliminar
  22. Bom-dia Janita, passei para te tranquilizar (como respondi no 'nosso' canto) e para te ler. O teu espaço transmite muita tranquilidade.

    Beijo enorme!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje madrugaste, amigo!:)

      Boa noite! Sensibilizou-me muito que tenhas tido a preocupação de me vires dizer que está tudo bem. O vosso longo silêncio já me trazia preocupada, já que da última vez me disseste não te sentires bem.

      Se o meu cantinho te faz sentir bem, vem sempre que possas e queiras. É um prazer ter a tua companhia.

      Beijinho Grande!:)

      Eliminar
  23. Minha querida Janita!
    Todas as mulheres são deusas e como tal tu também és.
    Um grande beijinho para ti!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, querido Kim.

      É com imensa alegria que te recebo no meu simples cantinho. Como sabes, és da casa há muito tempo.

      Acho que concordo contigo, Kim! A Natureza já se encarregou de fazer de cada mulher uma Deusa. Infelizmente, é pena que nem todas sejam devidamente apreciadas. Nem sabem o que perdem os homens que não fazem com que uma mulher se sinta devidamente apreciada e valorizada!:)

      Um beijinho grande Amigo Kim.

      Eliminar
  24. Janita Amiga,
    Ainda bem que a camponesa não foi na lábia do fidalgo, malgrado ele,coitadinho, estar com falta de ar e querer descansar.
    A fidalguia não se coaduna com os hábitos campesinos, daí a desconfiança ser natural.
    Tudo isto fez-me lembrar a história do rato do campo e do rato da cidade.
    Um abraço,
    Jorge

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Jorge.

      Os antigos fidalgos achavam que as jovens campesinas seriam presas fáceis, algo que, como um objecto, usariam e deitariam fora
      .
      Já António Aleixo, o meu poeta popular preferido, sabia dar valor a uma modesta e bela camponesa. Adoro este poema!

      "Gentil Camponesa"

      Tu és pura e imaculada,
      Cheia de graça e beleza;
      Tu és a flor minha amada,
      És a gentil camponesa.

      És tu que não tens maldade,
      És tu que tudo mereces,
      És, sim, porque desconheces
      As podridões da cidade.
      Vives aí nessa herdade,
      Onde tu foste criada,
      Aí vives desviada
      Deste viver de ilusão:
      És como a rosa em botão,
      Tu és pura e imaculada.

      És tu que ao romper da aurora
      Ouves o cantor alado...
      Vestes-te, tratas do gado
      Que há-de ir tirar água à nora;
      Depois, pelos campos fora,
      É grande a tua pureza,
      Cantando com singeleza,
      O que ainda mais te realça,
      Exposta ao sol e descalça,
      Cheia de graça e beleza.

      Teus lábios nunca pintaste,
      És linda sem tal veneno;
      Toda tu cheiras a feno
      Do campo onde trabalhaste;
      És verdadeiro contraste
      Com a tal flor delicada
      Que só por muito pintada
      Nos poderá parecer bela;
      Mas tu brilhas mais do que ela,
      Tu és a flor minha amada.

      Pois se te tenho na mão,
      Inda assim acho tão pouco,
      Que sinto um desejo louco:
      Guardar-te no coração!...
      As coisas mais belas são
      Como as cria a Natureza,
      E tu tens toda a grandeza
      Dessa beleza que almejo,
      Tens tudo quanto desejo,
      És a gentil camponesa

      Há lá hino mais lindo que se possa dedicar a ima mulher?:)

      Beijinhos amigos, Jorge!

      Eliminar
  25. Tão esquecido o Garrett...
    É bom trazê-lo à lembrança.

    ResponderEliminar
  26. Minha mãe cantava essa musica pra mim, adoro é linda demais, hj tenho 65 e sempre adorei a musica desde de pequenina. Bjos no coração.

    ResponderEliminar