domingo, 10 de dezembro de 2017

O BEIJO...[ Não é o de Klimt.]


Um beijo não custa nada,
Não custa nada
Dê-me um que eu não digo nada
Não digo nada.

Beijar é só encostar a sua boca à minha
Depois, limpa-se o batom
Nada se adivinha

Verá que desejará repetir o gesto
Pois o beijo é conta
Que não deixa resto

Porquê temerá você se me der um beijo?
Pois não tem de quê
Mata-me o desejo…


…Ora dê-me um beijo

Pois o meu desejo não é coisa pouca
Mais, pra lhe falar é para beijar
Que nós temos boca

Fique descansada que eu não digo nada
Creia na promessa
Aproveite agora, venha cá depressa

Entre os animais mais irracionais
Beijar é corrente
Mostre cá menina
Que nós somos gente...






sábado, 9 de dezembro de 2017

Dupla Festividade.

O dia 08 de Dezembro, feriado religioso,  já foi considerado e festejado como o Dia da Mãe.
Apesar da alteração efectuada a esta celebração, para mim passou a ser, também, desde há dezoito anos, o dia do Neto Primeiro.  
É sempre um dia a celebrar. Ontem, não fugiu à regra! 
Almoço com familiares e amigos e o prazer de ver o Douro e a Ponte D. Luís, envoltos em neblina, mas com o mesmo sortilégio que sempre me fascinou!

 Com algum pesar, da minha parte, recortei a foto pois no lado direito estou eu,  avó babada e o risonho aniversariante. Tivesse eu tirado outras, e esta teria ficado, para sempre, no álbum de família. Assim, partilho-a com quem por aqui faz o favor de passar, amigos e curiosos, porém, sem expor a minha imagem a más línguas!!! :)


Quando saí do restaurante, não muito tarde, mas já noite, chuvosa e escura, olhei para trás e não resisti à tentação de capturar o que os meus olhos viram: o Mosteiro de Santo Agostinho da Serra do Pilar, lá no alto, profusamente iluminado e belo, o Céu ainda azul e a Lua a espreitar, sorrateira. Por acréscimo, as iluminações natalícias que, para a fotografia, trouxeram mais prejuízo do que benefício.

Mas, voltando ao que verdadeiramente me interessa, ou seja, ao aniversariante, hoje em dia (ainda) não conduz veículos de quatro rodas como no tempo que a  imagem da esquerda vos mostra. Lá virá o dia...Por ora, irá iniciar a colocar em prática a oferta da avozinha: 
A aprendizagem de conduzir um carrito a sério...

Enquanto isso não acontece, ei-lo qual James Dean do século XXI.

Juízo, moço!!!

:)  :)  :)


=======================================
=======================

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

"AS PALAVRAS"











As fotografias são minhas, obtidas com a devida aquiescência dos proprietários da Barber Shop, cuja montra fotografei. Sem nenhuma qualidade, sei, mas com o sol a incidir na montra, foi o que se pode arranjar!...





São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
Barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?



 Poema de Eugénio de Andrade
in “Até Amanhã”


Nota: Dedico este post ao Remus, administrador do blog de fotografia, 

A propósito de uma conversa que tivemos sobre o significado  das  palavras. :)

===============================

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

RIAM COMIGO....

...e/ou de mim, se quiserem!!!! :-) Ó pra mim toda preocupada. ehehe



Sabem do que se trata, esta coisa? Não... Não é o olhinho da margarida nem é uma mãozinha daquelas a fazer figas, para dar sorte...nã... nã... não...!! É outra coisa com menos charme...mas é minha e faz-me tanta falta!!! :((((

Paciência...nada me impede de vos mostrar que posso continuar a sorrir, assim:




...Ou assim:- Também estou gira...!!!!!!!!!!!!



Porém, deixar que algum/a de vós me veja assim, nesta triste figura...




;))......................................JAMÉ...........................:((


Nota: As fotografias são todas de hoje....Felizmente, quando sorrio, só mostro os dentes  do maxilar superior...
.....Graças a Deus!!!....................Pois estarei assim belíssima até à próxima quarta-feira...........Ehehehehehehe...............



****-------****

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

"Há Palavras Que nos Beijam"




Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança
De imenso amor, de esperança louca. 

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto. 

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

Alexandre O'Neill, in "No Reino da Dinamarca'"

Sabia que a frase :- "Há Mar e Mar, Há Ir e Voltar..."
É da autoria de Alexandre O'Neill, que trabalhou em publicidade e a criou para a campanha de prevenção contra os afogamentos nas praias portuguesas, nos anos oitenta? É verdade!... Também só o soube hoje!!  Estamos sempre a aprender!!!


                                                                              
*******************************************************
**********************


domingo, 3 de dezembro de 2017

Espécie de Black Friday?...Não é de Hoje Já Vem de Longe.


O consumismo natalício não é de hoje, assim como o apelo das grandes superfícies comerciais para cativar clientela e esvaziar as bolsas femininas - e não só -  desestabilizar os orçamentos familiares, também não. Vejam o que diziam em Dezembro de 1933, os Grandes Armazéns do Chiado.








Quer queiramos, quer não, e eu sou das que vota contra o consumismo exacerbado, nesta quadra ou noutra qualquer, o Natal foi, é, e será, um tempo de magia e deslumbramento...Sobretudo para famílias numerosas e/ou onde houver crianças...e eu já não tenho..

Mas, para ficar por dentro dos acontecimentos, ver a origem das fotografias e reviver a história dos Grandes Armazéns do Chiado, clique AQUI e saiba tudo!



***--------***

sábado, 2 de dezembro de 2017

Não Desfolhem a Margarida..


As flores trouxe-as do blog da querida Papoila...há um ror de tempo! Clique :)



Vesti a minha saia rodada
A mais simples, mais bonita
A que dizias gostar
De mãos dadas passeámos
E quando depois regressámos
Um lindo ramo de margaridas
Que colheste às escondidas
Tu me vieste entregar…

Com um leve sorriso no rosto
Eu disfarcei o desgosto por tu
As teres colhido…

Meu amor, não te entristeças
Disseste-me com meiguice.
Com um beijo de ternura
Perdoei-te a travessura...

Encostei-as ao meu peito
E as singelas margaridas
Sorriram enternecidas

E  felizes regressámos…



:)   :)   :)


**************************************************************

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

O MUNDO AO CONTRÁRIO.


                                                               

"Onde Vais?"
Perguntas tu,
Ainda meio a dormir.
"Não sei bem"
Respondo eu,
Sem saber o que vestir.

"Porque sais?,
Ainda é cedo,
E tu não sabes mentir."
"Nem eu sei,
Só sei que fica tarde
E eu tenho de ir."

Bem depois,
De estar na rua,
Instalou-se uma dor
Por nós dois,
Talvez sair
Tivesse sido o melhor...

Se assim foi,
Porque me sinto eu a morrer de amor?
Tenho a noite
A atravessar
Dói-me não ir,
Mas não me deixas voltar...

Se gosto de ti,
Se gostas de mim,
Se isto não chega
Tens o Mundo ao contrário.

O Mundo ao contrário

Tenho a noite
A atravessar
Dói-me não ir,
Mas não me deixas voltar...

Se gosto de ti,
Se gostas de mim,
Se isto não chega

Tens o Mundo ao contrário.





Até Sempre, Zé Pedro.

Olhos nos Olhos, como disse AQUI que gostava de falar com  quem consigo falava.

-----------------------------------------------------------

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O QUE TODOS OS SERES VIVOS PROCURAM É...

...CARINHO.




                                                           


Porque eu fazia do amor um
 cálculo matemático errado:
Pensava que, somando as compreensões, eu amava.
Não sabia que, somando as incompreensões
é que se ama verdadeiramente.
 Porque eu,
só por ter tido carinho,
 pensei que amar fosse fácil.



Clarice Lispector ]



==============================================

==========================


terça-feira, 28 de novembro de 2017

Já Fui Feliz Aqui [ XXXIX ]





Numa das  varandas, viradas para o Douro,

 no Museu Romântico da cidade do Porto.

A fotografia foi tirada a partir

 de uma outra varanda, ao lado! :)



  Quem sabe dizer qual destas meninas sou eu?   :-)))








segunda-feira, 27 de novembro de 2017

PARA SI, JOÃO RICARDO....




....Com o mesmo carinho, com que escrevi este texto há quatro  anos atrás, no dia 07 de Novembro de 2013.






(…)

Vi, na Televisão, o actor João Ricardo falar sobre o livro, no dia do lançamento, e fiquei apaixonada pela história que surgiu a partir de conversas, enternecedoras, que mantinha com o filho. As ilustrações estão simplesmente fabulosas.

Com o Natal à porta, parece-me uma boa sugestão para oferecerem às vossas crianças!


O livro a que faço referência tem por título "Queres Namorar Comigo"? 

No dia seguinte à minha publicação, as Livrarias Book House, na sua página do Face Book, faziam referência a esse post, sem que eu soubesse como tiveram conhecimento disso.
Só dois anos mais tarde, casualmente, soube disso.


«(…) o actor João Ricardo falar sobre o livro, no dia do lançamento, e fiquei apaixonada pela história que surgiu a partir de conversas, enternecedoras, que mantinha com o filho. As ilustrações estão simplesmente fabulosas.»
Os melhores elogios a uma obra são os escritos pelos seus leitores, como acontece aqui com o livro infantil «Queres namorar comigo?»
http://francis-janita.blogspot.pt/2013/11/queres-namorar-comigo.html


francis-janita.blogspot.com
Parte superior do formulário













------------------------------------------------------------------------------------

Nesta hora de despedida, quero fazê-lo com o mesmo carinho com que o ouvi falar, naquele dia, na TV,  das conversas que mantinha com o filho e tanto me enterneceram.

 Até Sempre, João Ricardo.

--------------------------------------------------
------------------------------

sábado, 25 de novembro de 2017

O PORTO OLHADO COM CARINHO.

Ver o Porto, é olhar para cada parte da mui Nobre e Invicta Cidade, com os olhos do coração. 
É sentir a neblina das manhãs envolvendo o Douro e o cais e os barcos...É lembrar os meninos que brincaram e cresceram no rio...



É ter em cada esquina um Amigo.


Evocar cada Monumento com nostalgia, respeito e admiração.







É deixarmo-nos extasiar com o colorido das suas típicas e belas janelas.


É a sua estranha identidade que guarda segredos por desvendar.








A sua Arte de Rua, os seus Artistas, que embelezam e decoram as paredes das ruelas
como se fossem as mais belas telas. É reconhecer a diversidade dos seus bairros.






Os seus relógios, as suas Torres a riqueza de uma arte arquitectónica incomparável e única.
Ver o Porto é sentir o cair suave dos crepúsculos, é  sentir aromas e deixar que ele nos tome e se deixe tomar, com a sentida noção de lhe pertencermos e, ele, o Porto sentido, nos pertencer...

Mas o Porto é muito mais, porque muito ainda fica por dizer.


[ Texto meu, imagens recebidas via e-mail do amigo SOL da ESTEVA ]

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

VOLTEI LÁ...

...ao local onde andava a tratar do tal assunto que havia ficado pendente e agora já está encaminhado. Finalmente!!

Pelo caminho voltei a parar onde havia parado há oito dias atrás, desta vez sem precisar de usar os piscas,  luzes intermitentes, entenda-se...:) pois encostei na entrada daquilo que me pareceu uma empresa - de quê, não sei, não perguntei e para o caso nem interessa -.  Que diferença, na paisagem!!

Ora confirmem lá:

Antes...ainda se lembram?



     
Hoje... o céu já não estava azul, as folhas da árvore perderam o belo tom acobreado e estão a rarear,  caindo de cansaço. Até a palmeira parecia ter um aspecto mais triste e abatido, como se se tivessem passado meses. Os raios de sol, luminoso, já não perpassavam as suas folhas conferindo-lhe aquele ar dourado, que apresentavam há poucos dias atrás. 
A chuva faz falta, o Inverno é preciso, para que a Natureza repouse e se revigore, isso todos nós sabemos e desejamos mas, e o nosso espírito?...como podemos nós sentir a mesma alegria de viver em dias como o de hoje? Sem a pujança que revigora,  sem luz, a nossa alma também enegrece. Não concordam?


Ah...as escadas, não são escadas...é uma espécie de portão, uma vedação que, ao baixar, impede a passagem de veículos àquele recinto....Tão simples e útil, afinal...!! :) 



*****-----*****

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Confissão.



Vá lá saber-se porquê, ou melhor, sei...

...lembrei-me desta lembrança, singela e tão amorosa, que o meu filho fez e me enviou por e-mail neste dia da Mãe em 2012...Já nesse tempo sentia tanto a sua falta, mas agora...ainda a sinto mais...talvez porque o saiba mais longe.




Este poeminha de Mário Quintana, faz, neste momento, todo o sentido, para mim...por todos os motivos e mais alguns.


Mãe... São três letras apenas
As desse nome bendito:
Também o Céu tem três letras...
E nelas cabe o infinito.

Para louvar nossa mãe,
Todo o bem que se disse
Nunca há-de ser tão grande
Como o bem que ela nos quer...

Palavra tão pequenina,
Bem sabem os lábios meus
Que és do tamanho do Céu
E apenas menor que Deus!