quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

LUME D'ÁGUA.



“Cantar? E para quê? – me dizem todos:
Não é com cantos que se ganha a vida.
Por desgraça assim é; mas eu já agora,
Enquanto o barco da existência vogue
Ao lume d’água, irei cantando sempre.
Se com meus versos não alcanço glória,
Ao menos logro distrair o espírito
Das tristezas reais da vida amarga.”



Assim pensava e escreveu Guerra Junqueiro, como introdução
 ao seu poema "Baptismo de Amor", neste Vibrações Líricas." 

Concordo inteiramente: Quem não ganha a vida a cantar, 
canta  para as agruras da vida espantar. Ao menos isso...




===================================================
========================================

28 comentários:

  1. Grande verdade. Adorei :))

    Hoje, em texto:-Aves que esvoaçam ... Afastamento dilacerante...

    Bjos
    Votos de uma feliz Quinta Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já lá deixei a minha 'marca' no afastamento que dilacera, Larissa!

      Beijo, boa sexta e que sejam bons todos os dias.

      Eliminar
  2. Já lá diz o ditado: Quem canta seus males espanta!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre ouvi dizer isso, Gil, mas...será que espanta mesmo?

      Gostei de te (re)ver por cá. :)

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Uns cantam outros escrevem. Sem duvida!!!

    Beijos e um dia feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E outros são polivalentes, Cidália...escrevem, compõem e cantam.

      Beijos, felicidade, sempre.

      Eliminar
  4. gostei muito Janita,
    os poemas falam à nossa alma, que coitada permanece no silêncio demasiado tempo :))
    também gostei da tuna, os estudantes portugueses são espetaculares !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As almas que permanecem muito tempo silenciosas, são as que mais ruído provocam e mais estragos fazem, Ângela.
      As nossa Tunas Académicas são formidáveis, todas!

      Abraço e obrigada. :)

      Eliminar
  5. Gostei querida amiga ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei que tivesse gostado, Emanuel!
      Um abraço.

      Eliminar
  6. Guerra Junqueiro, e Florbela Espanca. Uma dupla de peso. E de talento.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talentos natos, como já se não vêem, agora, Elvira.
      Digo eu, mas o que sei eu?

      Abraço.

      Eliminar
  7. Também concordo!
    Canta ou ouve cantar...


    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu, que sempre gostei tanto de cantar, ultimamente, gosto mais de ouvir cantar os outros. Aqueles que cantam bem...:)

      Grande abraço, Ricardo.

      Eliminar
  8. Há quem ganhe a vida a cantar :)
    Beijinho Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então não há? Assim como há quem ganhe a vida a dar pontapés numa bola. Só quem vai ao mar buscar o pão, ou tira da terra o sustento, raramente ou nunca cantam...

      Beijinhos, Mena. :)

      ( já vi que, desta vez, o meu comentário não levou sumiço, lá no teu cantinho. )

      Eliminar
  9. A tal coisa de quem canta seus males espanta, não é?
    Bjs, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O ditado popular assim o diz, Pedro. Mas eu tenho para mim que, mesmo cantando, quando o mal é profundo não há cantiga que o espante!!
      Beijinhos, bom fim-de-semana.

      Eliminar
  10. Afinal de contas não tem de se cantar apenas para audiências externas, pelo que mesmo quem canta pior ou mesmo mal, se se sente bem consigo mesma/o, respectivamente cantando para si mesmo, como no duche :), porque não!?
    Por isso concluo: belo e eloquente o texto acima de Guerra Junqueiro, a meu ver muito bem partilhado pela Janita!
    Parabéns
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe Victor, essa coisa de se cantar no duche deve ser mito...eu, que gosto tanto de cantar - e até nem canto mal - nunca cantei a tomar banho.:)

      Fico contente que tenha gostado. A poesia de Junqueiro é fabulosa e única. Já tenho publicado imensos poemas de livros seus.

      Um abraço.

      Eliminar
  11. Bem verdadeiro o "dito" : "Quem canta seu mal espanta" ! :)

    Uma boa voz e simpática a presença do Luis Represas e do João Gil ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá dizer dizem, Rui...até que ponto a coisa funciona, não sei. :)

      Beijinhos, grata pela companhia. :)

      Eliminar
  12. Janita segue a minha resposta ao teu comentário, no meu blogue, na qual tu perguntas se eu não recebi o teu comentário para a minha última postagem:

    "Não recebi o teu comentário, Janita.
    Procurei no e-mail, inclusive no spam, mas não o encontrei.
    Lembro-me ter feito um comentário na tua penúltima postagem, no poema em que aparece uma imagem, que pensei ser do Cristo Redentor, mas tu esclareceste que não era uma imagem do Rio de Janeiro.
    Um ótimo final de semana.
    Beijo.
    Pedro"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Pedro.
      É com muita pena que verifico não ter recebido o meu comentário de ontem. Andam a acontecer perdas de comentários em situações muito estranhas, que não sei como resolver.
      Acabei de vir do seu blogue, Pedro, espero que desta vez o receba. Um segundo comentário sobre o mesmo tema nunca reflecte o mesmo sentimento, até porque já se faz uma segunda leitura. Lamento.
      Agradeço a atenção e desejo ao Pedro e família um excelente fim-de-semana.
      Um abraço.

      Eliminar
  13. «Quem canta seu mal espanta»...

    Beijinhos, Janita, e continua a cantar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantarei, querida graça...cantarei; até que a voz me doa!!!:)

      Beijinhos e bom fim-de-semana.

      Eliminar
  14. Durante anos vi e ouvi todas as tunas que aqui vinham. Até esse hábito perdi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Catarina...com o passar do anos vamos perdendo uns hábitos e ganhando outros. E ainda bem! Pois se o mundo está em constante mudança, também nós vamos mudando e adaptando-nos a novas vivências.
      Beijos. :)

      Eliminar