quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Saudades do que não vivi...

Saudades da Terra

Uns olhos que me olharam com demora,
não sei se por amor se caridade
fizeram-me pensar na morte e na saudade
que eu sentiria se morresse agora.
 
E pensei que da vida não teria
nem saudade nem pena de a perder,
mas que em meus olhos mortos guardaria
certas imagens do que pude ver.

Gostei muito da luz.
Gostei de vê-la
de todas as maneiras,
da luz do pirilampo à fria luz da estrela,
do fogo dos incêndios à chama das fogueiras.
 
Também gostei do mar. Gostei de vê-lo em fúria
quando galga lambendo o dorso dos navios,
quando afaga em blandícias de cândida luxúria
a pele morna da areia toda eriçada de calafrios.
 
E também gostei muito do Jardim da Estrela
com os velhos sentados nos bancos ao sol
e a mãe da pequenita a aconchegá-la no carrinho
e a adormecê-la
e as meninas a correrem atrás das pombas
e os meninos a jogarem ao futebol.

A porta do Jardim, no inverno, ao entardecer,
à hora em que as árvores
começam a tomar formas estranhas,
gostei muito de ver erguer-se
a névoa azul do fumo das castanhas.

Também gostei de ver, na rua, os pares de namorados
que se julgam sozinhos no meio de toda a gente,
e se amam com os dedos aflitos, entrecruzados,
de olhos postos nos olhos, angustiadamente.
E gostei de ver as laranjas em montes, nos mercados.
As mulheres a depenarem galinhas
e a proferirem palavras grosseiras,
os homens a aguentarem e a travarem os grandes camiões pesados,
e os gatos a miarem e a roçarem-se nas pernas das peixeiras.

Mas ... saudade, saudade propriamente,
essa tenaz que aperta o coração
e deixa na garganta um travo adstringente, essa, não.
Saudade, se a tivesse, só de aquela
que nas flores se anunciou,
se uma saudade alguém pudesse tê-la
daquilo porque não passou.

De aquela que morreu antes de eu ter nascido,
ou estará por nascer - quem sabe? - ou talvez ande
nalgum atalho deste mundo grande
para lá dos confins do horizonte perdido.

Triste de quem não tem,
na hora que se esfuma,
saudades de ninguém...
nem de coisa nenhuma!

António Gedeão


A todos os meus seguidores e  amigos /as desejo um bom feriado e fim-de-semana. Fiquem bem e façam por ser felizes...fazendo felizes aqueles a quem querem bem. Espero voltar um qualquer dia da próxima semana. Beijinhos para todos.

Janita

28 comentários:

  1. Eu chego e você vai? Até a volta, então e aproveite o feriado. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Aqui estive com muito gosto.
    Voltarei sempre que possível.
    Bj.

    ResponderEliminar
  3. Saudades do que não vivi
    Saudades já, de si

    (Também gostei do mar. Gostei de vê-lo em fúria
    quando galga lambendo o dorso dos navios,
    quando afaga em blandícias de cândida luxúria
    a pele morna da areia toda eriçada de calafrios.)

    ResponderEliminar
  4. Olá, Janita!

    Gedeão complexo e profundo, deixando-nos aqui o balanço por antecipação daquilo que ele imagina que irá sentir saudades na despedida desta vida.
    E pobres daqueles que não terão saudades nenhumas...!

    E que te saiba bem esta pausa, seja ela mais curta ou comprida...

    Beijinhos.
    Vitor

    ResponderEliminar
  5. Um poema de uma humanidade tocante!
    "Triste de quem não tem saudades"...
    E sabes, Janita?!
    Eu tenho muiiitas... muiiitas!
    Obrigado por teres escolhido este poema do fantástico Rómulo de Carvalho.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Amiga Janita, já tenho saudades suas!
    Se vier para os meus lados, diga qualquer coisa :)
    Boa viagem!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Com tempo e sem tempo
    No tempo que o tempo tem
    Demoro a dar-te tempo
    O tempo que sempre vem

    Beijinhos querida Janita

    ResponderEliminar
  8. Buen poema para dejarnos una despedida,te esperaremos que vengas descansada y seguro que hasta rejuvenecida.

    Saludos

    ResponderEliminar
  9. Com que então fds prolongado, né? Ai se o Coelhito sabe...

    ResponderEliminar
  10. Hoje os comentários andam a pirar-se sem eu lhes dar ordem. Um bom fds!

    ResponderEliminar
  11. Querida Janita,desculpa de não agradecer a tua visita há mais tempo,mas não sei o que se passa com o meu pc,que não tenho conseguido comentar em nenhum blog,pois que quando clico para comentar,a internet desliga,tenho que reeniciar e começar tudo de novo e volta a acontecer,só agora me foi possível fazê-lo,mas estou a medo que de repente torne a acontecer.
    Amiga,obrigada pela tua simpatia e amizade,para comigo.
    Para ti um grande beijinho.
    Miuíka

    ResponderEliminar
  12. Então bom passeio. Hoje é dia de fados no pátio 24 e vou lá estar. Mas não creio que ande aqui pelas minhas bandas. Volte sempre.


    Ah e o Gedeão!! Saudades da poesia dele.

    ResponderEliminar
  13. Minha querida

    Um texto maravilhoso de António Gedeão que adorei.
    Deixo um beijinho desejando um fim de semana cheio de paz e amor.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  14. Beijinho e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  15. Janita Amiga,
    ...saudades de ter feito as coisas melhor ou de outra maneira...
    Muita felicidade para si e para os seus.
    Um prolongado e feliz fim-de-semana.
    Bj amigo,
    J

    ResponderEliminar
  16. Obrigado, Janita, por esta prenda maravilhosa do Gedeão e, também, pelos votos que, obviamente, retribuo.
    Beijinho
    Quicas

    ResponderEliminar
  17. Olha, parabéns ao Gedeão por tão bel e profundo texto, muito forte e meigo também, ao mesmo tempo. Gostei mesmo. E a você, Janita, sempre antenada nas coisas boas, nos brindou com essa beleza. uito obrigado por tudo. Beijos.

    ResponderEliminar
  18. Janita

    António Gedeão deixou-nos este belíssimo Poema de(a) Vida.
    Gostei, gosto.

    Beijos

    SOL
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  19. belíssimo, Janita!
    saudades de um amor não vivido, que bonita poesia. Obrigado por apresentar esta maravilha

    boa semana a vc e aos seus.

    ResponderEliminar
  20. Saudades do que não vivi
    também tenho a toda hora
    e tenha saudades de si
    e não a vi até agora

    Saudades das coisas boas
    saudades de coisas belas
    saudades de algumas pessoas
    de outras é melhor não telas

    beijinho grande,
    José.

    ResponderEliminar
  21. Obrigado por me ter dado a conhecer este belo poema do António Gedeão.
    Não conhecia e é magnifico.

    ResponderEliminar
  22. Querida Janita.

    Saudades de estar atento ao que é importante
    Saudades de não ter pressa para chegar mais adiante

    Saudades...tenho!

    Beijo e kandandos de carinho

    ResponderEliminar
  23. Minha Querida Amiga Janita,
    Que saudades eu tenho das aulas com Gedeão meu professor! Saudades também das suas ausências aqui e além... e saudades do tempo perdido que acabei por não viver...
    Beijinhos muito Amigos.

    ResponderEliminar
  24. Quero expressar o meu reconhecimento a todos os queridos amigos/as que durante a minha ausência visitaram o meu cantinho e me deixaram as vossas palavras de carinho, incentivo e amizade.
    Também àqueles que passaram em silêncio, agradeço a visita e quero que saibam que os compreendo e estimo.
    Para todos vai o meu carinho.
    Bem-hajam!
    Beijinhos.
    Janita

    ResponderEliminar