quarta-feira, 30 de junho de 2021

NÃO HÁ FESTA COMO ESTA.


💔 

E eis que Junho chega ao fim

Neste dia  derradeiro

Sem arraial nem odor a alecrim,

Mas sonhando o mês inteiro.



Já se vai o mês das Festas

Onde antes haviam cantigas

Tomara que se esvaiam por frestas

    Os vírus, onde há maldade e intrigas.

💙

Já vislumbro o mês de Julho

Cheio de Sol e calor

Quero ir dourar-me na praia

Nos braços do meu Amor.



Quem quiser entrar na dança

Desta Festa da Janita

Venha, e traga uma quadra,

Que seja engraçada e catita.


😍   😇  😊

Cá estão os quatro primeiros corajosos marchantes desta Marcha Popular:  "Os Valorosos Janitenses"

* * *

Da Chica:  


Nessa festa da Janita,

não quero perder de entrar!

Com minha saia de chita,

no salão vou rodopiar!

*  😊 

Do Joaquin Rosário:


Julho é o meu preferido

o do meu aniversário

satisfaço o seu pedido

do amigo Joaquim Rosário


Sempre fui muito alegre

agora nem tanto assim

só Deus sabe o que me espera

e o que será de mim.

😊

                                            Do José: (500)                                                     

Tenha dó e caridade

De quem não sabe versejar

E já não tenho idade

De a escola frequentar.

😊

 Da Manu:  


Esta festa não quero perder

Não vou bailar nem cantar

Quero apenas desfrutar

Deste espaço que me dá tanto prazer.

 😊

****************************************
E os marchantes vão chegando
repletos de sonho e magia.
Já aqui chegaram mais três
pra afugentar a pandemia.

* * *


Não há festas, não há nada
Não há quem consiga saber
A culpa é, da malta marada
Que se juntam para beber

O que pandemia já nos tirou
Tarde e mal nos vai devolver
Até o São Pedro já se acabou
Sem um arraial para entreter

No blogue da menina Janita
É sempre um prazer, entrar
Deixar dois dedos de escrita
E sair sorridente a cantarolar.
  😊


Não tem festa,desencontro,
Tem saudade, até gostosura,
Aqui na Janita a encontro.
Música animada de Ternura.
😊


O Junho está a acabar
E o arraial não aconteceu
Não houve musica a tocar
E a sardinha foi um ar que lhe deu

Nem o cheiro aconteceu
nem manjericos vendidos
Nem o pessoal bebeu
Nem houve bêbados caídos

Foi mesmo uma tristeza
As festas foram esquecidas
Mas tenho uma certeza
As cervejas foram bebidas.

😊
*********************

segunda-feira, 28 de junho de 2021

FRUTOS & POESIA.

 


Morangos, cerejas, figos,

Pêssegos, peras, laranjas,

Maçãs, melão, melancia,

                Romã, banana, 

São música para os meus sentidos,

Pura delícia da língua.

 




Deixai-me agora falar
Do fruto que me fascina,
Pelo sabor, pela cor, 
Pelo aroma das sílabas:
Tangerina, 
              tangerina...

 


    Adaptação de um poema de Eugénio de Andrade.

Nota: Exceptuando a tangerina, cuja foto retirei da Net, todos as outras são da autora do blogue.


Flor do maracujá-banana

---------------------------------------------------------------------------
------------------------------


domingo, 27 de junho de 2021

HUMOR DOMINICAL....

 ....nem sempre é radioso. Este é um pouco cinzento.



Esta piada pode parecer bizarra, mas serviu a muitas pessoas que não queriam  ver os outros remexendo no seu lixo.

*


Que tal tomar aquele cafezinho a meio da tarde e descobrir que, na verdade, você foi envenenado? Humor negro, não significa ter-se mau gosto, sabia?

* * 


Previsão certeira do biscoito da sorte? Haver quem acredite, acontece mais do que se pensa!

* * *

Qual terá sido a reacção do chefe?

* * * * 
Como não há Domingo sem Sol...Ei-lo.



B O M    D O M I N G O!


sexta-feira, 25 de junho de 2021

Um Soneto Por Semana. #16

 

Foto minha.


Temo que a minha ausência e desventura

Vão na tua alma, docemente acesa,

Apoucando os excessos da firmeza.

Rebatendo os assaltos da ternura.


Temo que a tua singular candura

Leve o tempo fugaz, nas asas presa

Que é quase sempre o vício da beleza,

Génio imutável, condição perjura.


Temo; e se o fado meu, fado inimigo

Confirmar impiamente este receio,

Espectro perseguidor que anda comigo,


Com rosto, alguma vez de mágoa cheio,

Recorda-te de mim e diz contigo:

"Era fiel, amava-me e deixei-o."


Soneto de Manuel Maria Barbosa du Bocage


===============================

----------------------



quinta-feira, 24 de junho de 2021

Parabéns Meu Filho. [ Com Adenda ]

 





Que tenhas Saúde e Muito Amor na tua Vida 
e sejas sempre Feliz!!



  💙 💙 💙

Adenda:

Acabei de receber esta deliciosa imagem e não posso deixar de a partilhar convosco. 😄


😂 😂 😂

quarta-feira, 23 de junho de 2021

SÓ ESTA PENA ME EXISTE!

 



Fotos minhas.


Noite de São João, 

por onde ficaste perdida?

Mesmo com sardinhas, broa e bom vinho

não é a mesma coisa, nada tem sabor

sabendo que 

não há manjericos nem folia.



Só há São João onde houver sorrisos,

gente feliz e muita alegria.



***


 


---------------------------------------------------------------

NÃO HÁ AGORA, MAS HAVERÁ.

-------------------------------------------------

segunda-feira, 21 de junho de 2021

CHEGOU O VERÃO??

 Chegou o Verão, diz-me o calendário

Pois a mim mais me parece Inverno/Outono

Sem ver o Sol brilhar troquei de vestuário

Despi-me de calor e ando cheia de sono.




Se o desejares junta-te a mim, escreve um verso, 

uma quadra, o que quiseres.

Junta a tua voz à minha 

a ver se o Sol brilha. 

Pra fazer chegar o verdadeiro Verão, 

que nos anima.

Escreve o que quiseres,

 com ou sem rima.



A Foto é minha, a Orquídea é da minha mana.


********************************************
---------------------------

sexta-feira, 18 de junho de 2021

Vamos Sorrir? 😊

 Em tudo...

Há sempre uma primeira vez!


😘

Lindo menino!!

***

Um jantar...

Nunca é de graça?


😋

Este, foi!!


BOM   FIM-DE-SEMANA

Foto minha.

👍

quinta-feira, 17 de junho de 2021

EM NOME DO AMOR.


Imagem daqui.



 Foi em 17 de Junho de 1631, que Muntaz Mahal morre, ao dar à luz o seu décimo quarto filho. Diz a Lenda - entre outras coisas mais - que seu marido, Shah Jahan, imperador do Império Mongol, iria demorar 20 anos para construir o seu mausoléu, o  belo Monumento: Taj Mahal.

 Mumtaz Mahal tinha 39 anos. 


E agora sim! A Flor-da-Paixão!!

 
* * * * * * * * * * 
* * * * * * * * 

terça-feira, 15 de junho de 2021

ENTRE A LUZ E A TORMENTA.

 

Foto minha


Às vezes entre a tormenta,
quando já humedeceu,
raia uma nesga no céu,
com que a alma se alimenta.

E às vezes entre o torpor
que não é tormenta da alma,
raia uma espécie de calma
que não conhece o langor.

E, quer num quer noutro caso,
como o mal feito está feito,
restam os versos que deito,
vinho no copo do acaso.

Porque verdadeiramente
sentir é tão complicado
que só andando enganado
é que se crê que se sente.

Sofremos? Os versos pecam.
Mentimos? Os versos falham.
E tudo é chuvas que orvalham
folhas caídas que secam.


 Fernando Pessoa, in "Cancioneiro".



******************************************

********************


domingo, 13 de junho de 2021

E ASSIM, DIA APÓS DIA.... SE PASSARAM VINTE MESES.

 

...E o meu príncipe vai crescendo e aprendendo a ser homem.

Na escolinha

"Lizzy lê uma história do livro de Dikkie Dik,
na história, quando Dikky Dik esbarra na TV.
Estrondo! Noah disse: "Oh, oh "...



Com as amiguinhas





Em casa praticando  os dançares aprendidos na escolinha.



Atento às compras que os pais fazem.
* *
Finalmente, em casa

Analisando atentamente a contracapa do livrinho sobre 
veículos que a avó enviou de Portugal.



PARABÉNS   NOAH

💚💚  😄 💓💓




sábado, 12 de junho de 2021

NOITE DE BREU E FANTASIA.

 

Foto minha


Há noites sem fulgor em que a fantasia

encontra lugar certo

para entrar.

Infiltra-se, insidiosa,

e depressa faz das suas,

deixando-me loucamente 

a divagar.


E nessa divagação louca e sem sentido,

levando-me a lugares

nunca vividos,

faz-me ainda acreditar

ser possível existires

 e que esperas por mim,

algures, 

num fantástico lugar.


*** Janita***


Foto minha.

----------------------------------------------

-----------------

quinta-feira, 10 de junho de 2021

PRIMAVERA - CAMPOS EM FLOR

 Ah! quem nos dera que isto, como outrora,

Inda nos comovesse! Ah! quem nos dera

Que ainda juntos pudéssemos agora

Ver o desabrochar da Primavera!


Saíamos com os pássaros e a aurora.

E, no chão, sobre os troncos cheios de hera,

Sentavas-te sorrindo, de hora em hora:

“Beijemo-nos! amemo-nos! espera!”



E esse corpo de rosa rescendia,

E aos meus beijos de fogo palpitava,

Alquebrado de amor e de cansaço.


A alma da terra gorjeava e ria…

Nascia a Primavera… E eu te levava,

Primavera de carne, pelo braço!




As imagens de flores campestres representam a minha colheita de Primavera, agora quase estio, o belo Soneto espalhado entre elas, são fruto da Primavera do Poeta brasileiro: Olavo Bilac.

************************
----------------


terça-feira, 8 de junho de 2021

METAMORFOSES.

 

A fotografia é minha e as palavras...também! 😄


Como o adejar das asas 

de uma pequena borboleta.

Guardei um trevo de quatro folhas

 na minha gaveta.


Esqueci-me de tudo

 perdi-me do tempo.

Vivi outras vidas

 senti outras dores.

Regressei agora

mais leve, mais eu.

O trevo secou

desfez-se ao pegar-lhe.


Dentro da gaveta

saiu, para meu espanto,

uma linda borboleta

que deixei voar...


 

🦋    🦋    🦋  


domingo, 6 de junho de 2021

CADA ANO SÃO DE UMA COR DIFERENTE...

 ...Se na Natureza tudo muda, porque não mudar a gente?


Este ano, para meu encanto, estão assim as minhas hortênsias.



💜 💜 💜 💜 💜 💜 💜



sábado, 5 de junho de 2021

Não Te Deixarei Morrer...

Foi aqui, neste meu cantinho, que  ao longo dos anos fui depositando sonhos, ilusões, desabafos, tristezas, alegrias e, o mais importante: mantive viva a criança que havia, e ainda há, em mim. É essa criança que não quero deixar morrer. 

O primeiro selo que me foi oferecido, nos primórdios  do meu tempo na blogosfera.
Gentileza e carinho do meu amigo virtual, Pepe, cujo rasto perdi.


Quero continuar acreditando que este mundo virtual é o arco-íris da vida que todos sonham. A crença num mundo melhor. Isso, apesar dos pesares, só tu, Cantinho meu,  me podes dar. 

Por isso, não te deixarei morrer.

Quando sentir que a minha capacidade para te manter se esgotou, levar-te-ei comigo. Não te abandonarei à tua sorte. 

Não te deixarei de portas trancadas a ganhar caruncho, teias de aranha e cheiro a mofo. É o som dos passos de gente amiga, que te dá vida. O calor humano, verdadeiro, sentido.

Também não te abandonarei de portas escancaradas, indefeso e sozinho.  De ti, de mim, guardem os que por aqui passaram - e ainda passam -, tudo o que de bom  recolheram de mim enquanto por aqui andarmos: Tu e Eu.

Uma coisa é certa: esse dia ainda não chegou...


--* *--

Que se não pense serem  somente as silhuetas, altas e esguias,  ágeis e graciosas na execução dos difíceis e complicados passos de dança. 
Quem dispuser de alguns minutos, não deixe de apreciar este par.


* * * * 

____________________

terça-feira, 1 de junho de 2021

Emissão Interrompida.

 



Vou descansar, sair por uns dias. Em breve voltarei. Fiquem bem e façam por ser felizes.

Tal como Álvaro de Campos:

Eu sofro ser eu através disto tudo, como ter sede sem ser de água.


____________________________