segunda-feira, 17 de maio de 2021

DOS JULGAMENTOS.

 



Alimento da Alma.


Não me julgues mal pelo que digo

Não deixes de me querer por não confiar

Eu sou o produto dos tempos em que vivo.

Onde é proibido confiar, crer e sonhar.


Quisera ser aquilo que já fui

Acreditar no amor e na  bondade.

Hoje sou o produto que não quis

Sem crenças nem fé, até na amizade.


Porém, espero e creio poder ainda ser

Não o ser perfeito, porque tal não existe

Mas quero voltar a poder acreditar


Naquilo em que um dia acreditei

Sem reservas, só crer por crer

Em ti, e na força que ainda em mim persiste.


Fotografias e palavras da autora do blogue.





* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * 
--------------------

sábado, 15 de maio de 2021

VOZ LUNAR.

 

Foto Minha

Que voz lunar insinua

o que não pode ter voz? 


Que rosto entorna na noite

todo o azul da manhã? 


Que beijo de oiro procura

uns lábios de brisa e água? 


Que branca mão devagar

quebra os ramos do silêncio?


 Eugénio de Andrade


________________________---------------------______________________

-------------------------------------------------

quarta-feira, 12 de maio de 2021

AMIGOS IMPROVÁVEIS?

 Não! Provavelmente os melhores amigos!

Os mais protectores e mais solidários.



Um exemplo para muitos  humanos, por vezes, insensíveis  até à voz do sangue.

Vamos aprender a dar sem pensar no retorno...vejamos este poema:

 

–Te amo... ¿Por qué me odias?

–Te odio... ¿Por qué me amas?

  Secreto es éste el más triste

  y misterioso del alma.


 Mas ello es verdad... Verdad

dura y atormentadora!

–Me odias porque te amo;

te amo porque me odias.

 

                   [ Autora: Rosalía de Castro ]

❤ 

Para quê a contradição?... Porquê não amar simplesmente deixando falar o coração? Assim...


Amo-te mesmo que me não ames
Sem segredos, quero a tua felicidade.
Se me não amas, que ao menos
         me não odeies, deixa que te ame eu ____ 
____em segredo.

 

 ❤    ❤


*********-------*********
_______________________________________

segunda-feira, 10 de maio de 2021

L E I L O E I R A.

 


 Vou vender o meu jardim com flores

 Relva verde, malmequeres às cores

 Borboletas e passarinhos

 Ninhos de melros e estorninhos.


 Acho que se o leiloar

Será mais rentável e

divertido

Bato na mesa com o martelinho

Grito __ quem dá mais?

Há grande algazarra, uma confusão.


 Chegando a hora de o entregar

 Choro com saudades

 Desfaço o leilão

 e volto para casa com as flores na minha mão.



 

---------******---------

----------------------------------------

sábado, 8 de maio de 2021

Já Fui Feliz Aqui. # LXII

 

Casa do Alentejo - Lisboa - Outubro de 2017
(Não tenho bem a certeza, mas devo ter sido eu a fotógrafa,
uma vez que não me vejo entre os convivas)

Há momentos que vivemos e não voltam.

Não voltam os bons nem os maus.

Ainda bem que assim é

por que momentos há que,

 se voltassem,

talvez já não trouxessem

o encanto, a alegria e o espanto

que senti e  se foi esvaindo com o tempo.

Para tudo há um tempo certo, penso.


Assim, guardo em mim, intocável,

 a alegria e a emoção

 daquele dia memorável...




=======================================

----------------------------

Nota: Ao fundo, vemos o saudoso Amigo Rui Espírito Santo, em amena cavaqueira, com a fugitiva  Graça Sampaio.

----------------------------------------------------------------------------------


sexta-feira, 7 de maio de 2021

Mademoiselle Kina.

 





Eu tenho 
Dois amores
Parecidos, mas não iguais
E são ainda parentes
de quem gostaram mais 
- e mais delas gostou - 
Uma, toda ela é nobreza
Chama-se Pórcia, é da realeza
Rosto pálido
a quem o Sol nunca beijou.




Já esta outra, simples e morena

É bem mais bela, 

donzela sem exotismos.

É moça do Povo, 

chama-se Joaquina

E cismou agora ( aonde já se viu?)

de querer ser tratada por...

                                                       ....Mademoiselle Kina.

 

 **********************************************

******************

quarta-feira, 5 de maio de 2021

TAMBÉM POR AQUI....

 ....existe um pequeno Paraíso.

E a Primavera manifesta-se, generosa, verdejante e bela.





As hortênsias começam a ganhar forma. À medida que forem crescendo
e tomando beleza e cor, ir-vos-ei dando conta dessa transformação.

Também as coroas-de-rei se vão formando...


A dália, cujos bolbos nunca retiro da terra, receando esquecer-me

 de os plantar, mesmo lutando contra a força perniciosa

 das ervas daninhas, lá vai mostrando que ainda está viva e resiste... 



Neste ponto, olho para o fundo do quintal e vejo algo vermelho

que me chama a atenção. Fui ver...


...Entre uma pernada caída do dióspireiro e um tufo de alecrim,

está uma papoila desmaida e frágil, quase sem cor.


O vermelho do seu trajar não é vermelho-sangue,

não é da cor de um rubi....


Mas é uma papoila que me foi enviada, por uma força

generosa, sabendo da minha saudade de ti...


❤  ❤  ❤  ❤  ❤

segunda-feira, 3 de maio de 2021

OUTRAS FORMAS DE VOAR.

 "Pouco no mundo teremos visto se não tivermos olhado os pássaros"


Fotografia da Luísa. Abusivamente tomada de empréstimo AQUI


      Escreveu a frase que encabeça o postal, um escritor moçambicano  por cuja escrita me apaixonei há largos anos.
       Dito assim, nesta forma algo poética, até parece poesia isto que escrevo. Mas não é. 
       Penso, repenso e medito longamente, cada vez mais, no voo que me aguarda. Pensamento que dantes me apavorava e hoje encaro com uma paz interior que me apazigua e me faz bem.
       Este meu voo interior, feito de momentos fugazes, é quase sempre interrompido quando sinto esta dor física atroz que me prende, não uma asa, não as duas, mas ambas as pernas. Ora uma, ora outra, mais a esquerda.
   Pergunto-me e pergunto-vos: Será que os pássaros conseguem voar  sem pernas? É que receio, na hora do meu voo derradeiro, perder o sentido de direcção, me enganar no destino e ficar pairando no ar, ou voando em círculos, qual alma penada. (Ou nem sequer conseguir levantar voo, o que seria bem pior.)


          Pavão e pavoa, vieram do Alentejo.




-------*******------
----------

domingo, 2 de maio de 2021

Meu Nome É...Pórcia.

 




Poderia chamar-me

Violeta, Isabela 

ou Efélide,

[mais conhecida por 

Sardenta.]

Mas não.

Sou a Pórcia

rica herdeira de todos os mercados

do Mercador de Veneza.

Vivo sempre mascarada

afilada para enfrentar 

todos os carnavais

deste Reino e 

de outros que tais.

Que se digladiem

que se enfrentem 

de espada em riste 

e à cinta. 


Meu lema é ser mais eu

por que outra não serei______

_____ sendo de família nobre

 vivo em casa  da Dona Plebe

_______ feliz, neste lar plebeu.


EU...? Eu Sou mais Eu.




💙 💜 💛

sábado, 1 de maio de 2021

MAIAS DE MAIO - GIESTAS EM FLOR __ VENHAM OUVIR A FLAUTA DO PASTOR .

 


Maio maduro Maio, quem te pintou?

Quem te quebrou o encanto, nunca te amou.

Raiava o sol já no Sul.

E uma falua vinha lá de Istambul.


Sempre depois da sesta chamando as flores.

Era o dia da festa Maio de amores.

Era o dia de cantar.

E uma falua andava ao longe a varar.




Maio com meu amigo quem dera já.
Sempre no mês do trigo se cantará.
Qu'importa a fúria do mar.
Que a voz não te esmoreça vamos lutar.

Numa rua comprida El-Rei pastor.
Vende o soro da vida que mata a dor.
Anda ver, Maio nasceu.
Que a voz não te esmoreça a turba rompeu.


Fotografias minhas.
A do cabeçalho é de ontem, as restantes de há dois anos.



===========================