segunda-feira, 23 de novembro de 2020

AMANHÃ...É TERÇA-FEIRA!!!

 ============================

É terça-feira

e a feira da ladra

abre hoje às cinco

de madrugada


E a rapariga

desce a escada quatro a quatro

vai vender mágoas

ao desbarato

vai vender

juras falsas

amargura

ilusões

trapos e cacos e contradições




É terça-feira

e das cinzas talvez

amanhã que é quarta-feira

haja fogo outra vez

o coração é incapaz de dizer

"tanto faz"

parte p´ra guerra

com os olhos na paz


É terça-feira

e a feira da ladra

quase transborda

de abarrotada


E a rapariga

vende tudo o que trazia

troca a tristeza

pela alegria


E todos querem

regateiam

amarguras

ilusões

trapos e cacos e contradições


É terça-feira

e das cinzas talvez

amanhã que é quarta-feira

haja fogo outra vez

o coração

é incapaz

de dizer

"tanto faz"

parte p´ra guerra

com os olhos na paz


É terça-feira

e a feira da ladra

fica enfim quieta

e abandonada

e a rapariga

deixou no chão um lamento

que se ergue e gira

e roda com o vento

e rodopia

e navega

e joga à cabra-cega

é de nós todos

e a ninguém se entrega


É terça-feira

e das cinzas talvez

amanhã que é quarta-feira

haja fogo outra vez

o coração

é incapaz

de dizer

"tanto faz"

parte p´ra guerra

com os olhos na paz.


Imagem  da Net.

Volantes velhos, espelhos de todos os tamanhos, brinquedos de criança, soutiens de senhora, roupa e calçado de todo o tipo, quinquilharias e velharias, vasos, pratos, copos, talheres, candeeiros, relógios, chaves, molduras, azulejos, bugigangas, perfumes, estatuetas e máscaras africanas, cachecóis dos maiores clubes portugueses e da Selecção Nacional, quadros, enciclopédias…
Tudo se se vende e compra na maior feira de Lisboa!


========================================

domingo, 22 de novembro de 2020

Por Outro Lado....

*******************************

Imagem DAQUI



Havia já um tempo que a palavra se ia infiltrando na sua mente
insidiosa e lenta, como uma serpente rastejante.
A princípio não ligou e havia até certas horas em que 
se sentia liberta de ideias estranhas e deprimentes.
Havia de estar preparada, queria crer que sim...

Por outro lado...
Sabia ser impossível acontecer, 
fosse o que fosse aquilo que sentia; sonho ou pesadelo,
não era real. Não podia ser!

Naquela noite após muitas voltas na cama
conseguiu por fim adormecer.
De manhã, ao acordar, ainda ouviu distintamente a voz sussurrante
que entoava a última estrofe do poema de Drummond,
a afastar-se cada vez mais até se transformar num leve murmúrio quase inaudível;

"Amor é primo da Morte,
e da Morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de Amor."

Desde essa manhã não teme mais a palavra que até a Morte vence:
AMOR ...


****************************************

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

A ESTA MISSA EU VOU...

 

...E VÓS, QUEREIS IR?...........



Dançai, cantai e  alegrai-vos.









_____________________________________


quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Cu-Cu...... 😉

================================




Cu-Cu...

quem se esconde

atrás do manto?


Cu-cu...

É um menino 

brincalhão e tanto.


Cu-cu...

Sou o Noah,

gosto de 

pregar partidas...

...assim serei

com as raparigas.


Cu-cu...

Agora,

 ainda sou pequenino

mas sou alegre 

e muito ladino...



💪

Gosto de
comer

como sempre
tudo,

faço ginástica
para não ficar

barrigudo!

😀


Fiquem bem, cuidem-se, e até uma próxima visita.






quarta-feira, 18 de novembro de 2020

Um Soneto Por Semana. # 7

 

Camélia do meu Jardim.



Se Eu Fosse Deus...


Se eu fosse Deus seria a vida um sonho,

nossa existência um júbilo perene,

nenhum pesar que o espírito envenene

empanaria a luz do céu risonho!


Não haveria mais o adeus solene.

A vingança, a maldade, o ódio medonho,

e o maior mal, que a todos anteponho,

a sede, a fome da cobiça infrene!


Eu exterminaria a enfermidade,

todas as dores da senilidade,

e os pecados mortais seriam dez...


A criação inteira alteraria,

porém, se eu fosse Deus, te deixaria

exatamente o mesmo que tu és!


[Martins Fontes]


=========================================

-----------------------------------------------

terça-feira, 17 de novembro de 2020

JÁ VOS ACONTECEU?...........

 .................. SE SIM. POR FAVOR DIGAM-ME O QUE FIZERAM PARA RECUPERAR A LISTA

 DE 

BLOGUES QUE SEGUEM E MOSTRAM NA LATERAL DIREITA DOS VOSSOS  ESPAÇOS.


ANDEI A DEAMBULAR PELOS BLOGUES PARA COPIAR OS RESPECTIVOS LINKS E, 

DEPOIS 

DE UMA TRABALHEIRA IMENSA,

 NÃO CONSEGUI GUARDÁ-LOS.


OBRIGADA!!


===================================

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Dias Luminosos, Noites Insones.

 



Deito-me na cama

Cubro-me de mantas

 e pensamentos.

Estico as pernas

a todo o comprimento.


Aninho-me em mim.


Por entre o torpor indefinido

que me invade, 

não sei se foi sonho

ou realidade o que me aconteceu

 durante o dia.


Reviro-me de um lado e outro

sem encontrar posição

 que me conforte.


Anseio pelo  raiar da claridade,

que termine com o

 negrume da noite sem fim.


Quando, finalmente, amanhece,

não sei se dormi e no sono

te sonhei.

 Sinto-te ainda a meu lado.


                                       Desejo que anoiteça...


Deixo-me embalar no sonho 

do sono dos justos,

 injustiçados...

                                            ....cubro a cabeça.

De olhos fechados, fico deitada,

sem saber de mim.


Foto minha.
Em  cima,
 uma experiência com o editor de imagens.

* * * * * * * 

* * * * * 

* * * * * * * * * * 

sábado, 14 de novembro de 2020

"... de quem mói um sentimento."

         





                                                                      

O PORTO É SÓ...

O Porto é só uma certa maneira de me refugiar na tarde,

forrar-me de silêncio e procurar trazer à tona algumas palavras,

sem outro fito que não seja o de opor ao corpo espesso destes muros a insurreição do olhar. 

O Porto é só esta atenção empenhada em escutar os passos dos velhos, 

que a certas horas atravessam a rua para passarem os dias no café em frente,

os olhos vazios, as lágrimas todas das crianças de S. Victor correndo nos sulcos da sua melancolia. 

O Porto é só a pequena praça onde há tantos anos aprendo metodicamente a ser árvore, 

procurando assim parecer-me cada vez mais com a terra obscura do meu próprio rosto. 

Desentendido da cidade, olho na palma da mão os resíduos da juventude, 

e dessa paixão sem regra deixarei que uma pétala poise aqui, por ser tão branca. 

[Eugénio de Andrade, 1979 ]


Aguarela da autoria do pintor Luís Rodrigues



Meu Porto Sentido...

Quisera ser realista, 

ver-te com olhos despidos de sonho.

Mas por mais que faça e que tente...

...és tu que vais povoando

o sonho que o meu olhar sente!


Foto minha - captada a partir do interior do Funicular dos Guindais - num dia 
pardacento.


                                                                           

* * * * * * * * * * * * * * * 

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

ÚLTIMA LIÇÃO.

 =========================

Ah... como hoje eu gostaria

voltar a ser de novo criança,

bondosa, crédula e inocente!

Acreditar que haveria

um tempo em que os animais

falavam e até cantavam,

com tino e algum desatino,

 tal como, afinal, 

toda a gente.




Voltar a cantarolar a fábula,

da fala dos animais:


"No tempo em que ainda falavam

os animais, como a gente,

é tradição que tiveram

conferência em caso urgente"


Continuo a aprender

e sei que antes de morrer,

ainda decerto vou ter...

 .                                                                ...a derradeira lição.




===========================

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Espantar a Tristeza.

Quero espantar a tristeza

que a tristeza não faz bem

inda não vi a tristeza

dar de comer a ninguém.


* * * * * * * * * * 






Se me vês desconfiada

não fiques triste, meu bem

tanto banho faz-te mal

seca-te a pele, cai-te cabelo

e tal cousa não te convém.


Tal cousa não te convém

e eu ando desconfiada

lava a cara, faz a barba

o resto não interessa nada.


Não julgues que te quero mal

mas vou deixar-te um aviso

toma um banhinho mensal

ou isto in'da vai acabar..... 

                                 .... em teu e meu prejuízo.


😏




😇

***********************************


terça-feira, 10 de novembro de 2020

CONFINAMENTO & DISFARCES.

 

Desenho de Maria Helena Vieira da Silva
Daqui





Confinou seu pensamento
a tudo o que lhe doía
espraiou seu olhar atento
pelo caminho que pisa
pensando ver o que queria.......

.                                     .......... e viu que já nada queria.

Nada do que vê já quer
desse olhar dentro de si.
O que esperou já não espera
só desencanto lhe via....

...ninguém é quem se esperava,
ninguém é  quem se sonhava.
E nesse sonho adormece
acorda ao raiar do dia.....

.......vendo que tudo não passa
de um pesadelo sem graça,
e que o sonho continua,
vem refugiar-se aqui, 
onde nem tudo se disfarça........

                                       ............ e viu que já nada lhe doía.





===========================================



segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Aprenda....Se Quiser. # 1

 ............ Com método, precisão e muita criatividade...o Homem sonha, Deus quer e a obra nasce.




Se não quiser colocar em prática, siga, passo a passo,

e deixe-se deslumbrar com o resultado final.

Porque...


A Arte de saber olhar,

 vendo beleza acrescida,

  vai de quem sabe sonhar;

      em tudo o que sonha, vê vida...


Foto Minha.


----------------------------------------------------

----------------------

domingo, 8 de novembro de 2020

PAUSA...Para So(r)rir...

 ...Porque rir..... é de graça!!   


                                                        



                                                 😊  😇  😀


QUEM PODERÁ SABER...?

 

Fonte da Imagem.


"C o n t i g o"


¿Mi tierra?

Mi tierra eres tú.


¿Mi gente?

Mi gente eres tú.


El destierro y la muerte

para mi están adonde

no estés tú.


¿Y mi vida?

Dime, mi vida,

¿qué es, si no eres tú?


 [ Luis Cernuda ]



Breve nota informativa acerca do Poeta:

Luis Cernuda foi um dos poetas fundamentais da Geração dos 27, nascido em Sevilha em Setembro de 1902. A obra de Gustavo Adolfo Bécquer despertou o seu interesse pela poesia desde muito jovem; começou a escrever incentivado por um professor, que por sua vez fornecia conhecimentos técnicos.  Sempre muito influenciado pela literatura francesa, chegou a traduzir parte da obra do surrealista Paul Éluard. O Poeta nunca escondeu a sua homossexualidade, isso acarretou-lhe rótulos depreciativos e o desprezo esperado na sua própria terra, com a qual ele parecia não se sentir muito identificado. Durante a Guerra Civil, iniciou o seu exílio nos Estados Unidos, onde trabalhou como professor. Mais tarde, mudou-se para o México, onde faleceu em Novembro de 1963.


*********************************************

---------------------------

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

ARREPENDO-ME....

 ........por me ter adentrado nos recantos mais recônditos do sótão, em demanda das "Vinhas...da Ira"

Ao abrir caixas e caixotes de velhos livros cheios de ácaros, encontrei vários dos meus autores preferidos.

GGM, Jorge Amado, Pearl Buck, Erico Veríssimo,  Hemingway, Eça de Queiroz, Camilo... dois livros de António Damásio.

 De Steinbeck, só encontrei A Leste do Paraíso. 

Arrependo-me...

.... porque fui remexer em lembranças que me surgiam na forma de pequenas notas por mim manuscritas, pensamentos e mágoas, que me apeteceu destruir, mas voltei a guardar para serem encontradas, um dia, por alguém que não eu, ou então, destruidas sem que sejam lidas.

Arrependo-me....

.... porque encontrei um par de pequenas botas de criança e umas sandalinhas minúsculas, uma gaiola para grilos, um pianinho, bonecas, livros infantis, carrinhos em miniatura e...a colecção de latas de bebidas de tudo quanto havia, até de Israel, onde a avó foi em passeio, e se lembrou da colecção que o neto fazia...

Cada um seguiu o seu caminho, e ninguém se quis desfazer das lembranças... 

Deitei tudo para uma das buracas laterais e desci as escadas com a Françoise Sagan,  à Trela...



                                                    Este, pelo aspecto, sem ácaros.

                                               Irei ler e depois conto-vos como foi....


                                                       

                                                     ==================


quarta-feira, 4 de novembro de 2020

Poeminha Naif.

                                                  =====================

Tela de Dima Dmitriev.

 

Sempre que a vida te sorrir

e mesmo quando o não faça

não chores, não fiques triste

a vida é folha que voa. 

A vida é 

vento que passa.


Tecendo os ciclos da vida

veloz a aragem perpassa

em todo o ardor das paixões

quais romãs rubras e doces.

A vida é

vento que passa.


Cai a folha, douram teus olhos de mel. 

Tudo teu coração ultrapassa

correm devagar os dias,

teu olhar fica mais terno

A vida é

vento que passa.


Embranquecem teus cabelos

recusas falar de desgraça

mas teu lento coração

não acompanha teu querer....

...E a vida é

vento que ( já não) passa...



===========================


terça-feira, 3 de novembro de 2020

Um Soneto Por Semana. # 6

 ****************************************




O Mais Famoso Soneto da Literatura Universal:


O SONETO DE ARVERS


"Félix Arvers teve a glória de produzir o mais famoso soneto surgido na literatura universal. Soneto algum jamais foi tão traduzido e imitado.

Um poeta de 24 anos escreveu-o no álbum maravilhoso de uma jovem de 19 anos, comprometida e recatada, sem grande beleza, mas dotada de muita inteligência, graça e simplicidade.

Poetisa de alma iluminada. Autora e intérprete de melodias colocadas em poemas de Victor Hugo, Alfred de Musset e Sainte-Beuve.


A afeição do poeta era imensa. E tão discreta que, pelo menos, aparentemente, passou despercebida à moça dos seus sonhos.

Ao mesmo tempo feliz e desventuroso, subiu, como uma estrela divina, ao céu azul da imortalidade, o amor sem esperança de um cantor pela sua Musa."

* * * 

Apresentado o Poeta e a paixão que o levou a escrever tão belo Soneto, cabe-me acrescentar que, das muitas traduções e adaptações feitas em torno do poema, - como podem confirmar aqui -  escolhi a adaptação do  poeta baiano José Augusto de Carvalho (1890), por ser a que mais gostei.


*   *  *


Um segredo cruel tenho n'alma escondido:

imenso, eterno amor num instante criado.

Sem remédio ao meu mal, padeço resignado,

pois quem me faz sofrer não sabe se hei sofrido.


Por ela eu passarei talvez despercebido;

mesmo que junto esteja, eu me sinto isolado,

e toda minha vida assim terei findado,

sem nada ousar pedir, nem tendo recebido.


Embora Deus lhe desse uma alma carinhosa,

ela irá seu caminho, alheia, descuidosa

desta queixa de amor, que sempre a seguirá!


E lendo este soneto, assim tão cheio dela,

dirá pelo dever que compaixão revela:

—"Que mulher será essa?" — E nada entenderá.


=========================



Espero que vos agrade, tanto, quanto me agradou!












segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Da Holanda Com Amor.

 =================================


O meu príncipezinho iniciou-se na aprendizagem de novas palavras.

Até aqui, só repetia o som de  palavras que lhe sabiam bem  ao paladar, tais como banana e batata... Agora aprendeu a dizer bagunça, na pronúncia da mãe, como diz o outro senhor, naquela fala lá dela  que atravessou o equador:




E também comemorou o Halloween com a  sua fatiota de fantasminha.




Como diz(ia) também outro senhor que falava com sotaque igual:


"Neste mundo de tantos espantos,

cheio das mágicas de Deus,

O que existe de mais sobrenatural

São os ateus..."


 Assim falava Mário Quintana.


FIQUEM BEM E ATÉ UM PRÓXIMO ENCONTRO.


=================

============================

                        

domingo, 1 de novembro de 2020

DEVAGARINHO...

 ========================================


Fotografia e palavras minhas.


Sei que um dia partirei,

Não tenho pressa em chegar

A esse lugar onde sei,

Que os meus irei encontrar.


Que missão me destinaste?

Qual foi a Tua intenção?

Não foi para o mundo salvar

Não, não me deste essa missão.


Devagar... sim, devagar

Ainda não terminei

Minha missão por aqui.


Deixa que  a possa entender

Depois poderei partir

Devagar... unir-me a ti.



--------------------------------------------------------------