domingo, 28 de fevereiro de 2021

APRENDA...SE QUISER.

 A Verdade dos Provérbios.


Imagem da Net.



"Esta miúda não pára quieta, parece que tem bichos carpinteiros"

Foi uma grande dúvida na minha infância...Mas que bicho-carpinteiro seria esse?

Um bicho pode ser carpinteiro?

Esta é a forma correcta:

"Este miúdo não pára quieto, parece que tem bichos no corpo inteiro".

Aí está a resposta a todos os nossos dilemas infantis.

*

"Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão"

Mas o correcto é:

"Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão"

Se a batata é um tubérculo subterrâneo, ou seja, nasce enterrada, como se poderia ela esparramar pelo chão se ela está debaixo dele?

*

"Cor de burro quando foge"

O correcto é:

"Corre de burro quando foge."

Este é o pior de todos!

O burro muda de cor quando foge? De que cor fica? Porque mudaria de cor?

*

Outro em que todos erram:

"Quem tem boca vai a Roma"

Bem, esse eu achava que percebia, de um modo errado, mas percebia!

Pensava que quem sabia comunicar ia a qualquer lugar.

O correcto é:

"Quem tem boca vaia Roma"

(Do verbo vaiar, sim! )


Outro que toda a gente diz de forma errada:

"Cuspido e escarrado"

Quando se quer dizer a alguém que é muito parecido com outra pessoa.

O correcto é:

"Esculpido em Carrara"

*

Mais um famoso....

"Quem não tem cão, caça com gato"

Entendia também, de forma errada, mas entendia.

Quem não tem um cão para ajudar a caçar, utiliza um gato...

Embora o gato só faça o que quer, pode ser que nesse dia esteja de bom humor!

Mas o correcto é:

"Quem não tem cão, caça como gato"

... ou seja;  sozinho.


Se não sabia o verdadeiro sentido de todos estes ditados populares, agora que já sabe não faz sentido continuar a usá-los de forma errada, ou faz?

Por vezes, o hábito é mais forte do que o saber, não é? 

Pois é!...


E, porque não quero ser pobre e mal-agradecida, aqui fica o meu Bem-Haja a quem isto me ensinou.

********************************

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

"NEGRITO"

 

Este era o Negrito.
O gato mais dócil que já pisou estes domínios.
Depois dele, mais nenhum felino passou do umbral da porta.
Hoje, s
em contar, encontrei o seu olhar cor de esmeralda.



Há um deus único e secreto

em cada gato inconcreto

governando um mundo efémero

onde estamos de passagem.

 

Um deus que nos hospeda

nos seus vastos aposentos

de nervos, ausências, pressentimentos,

e de longe nos observa

 

Somos intrusos, bárbaros amigáveis,

e compassivo o deus

permite que o sirvamos

e a ilusão de que o tocamos.

 

Manuel António Pina.

"Os Gatos"



***************************

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Ary...Porque Sim.

 



MULHER


A mulher não é só casa

Mulher-loiça, mulher-cama

Ela é também mulher-asa,

Mulher-força, mulher-chama


E é preciso dizer

Dessa antiga condição

A mulher soube trazer

A cabeça e o coração


Trouxe a fábrica ao seu lar

E o ordenado à cozinha

 E impôs a trabalhar

A razão que sempre tinha


Trabalho não só de parto

Mas também de construção

Para um filho crescer farto

Para um filho crescer são


A posse vai-se acabar

No tempo da liberdade

O que importa é saber estar

Juntos em pé de igualdade


Desde que as coisas se tornem

Naquilo que a gente quer

É igual dizer meu homem

Ou dizer minha mulher.




"Por causa dos seus desentendimentos com o pai, José Carlos Ary dos Santos, mais por razões pessoais do que políticas, viu-se obrigado, ainda novo, a sair da casa de família. Mas sempre manifestou um terno afecto pela sua mãe, desaparecida quando o poeta tinha apenas treze anos. É significativo que, no último verso do seu último soneto, escrito na véspera da sua morte, tenha evocado, com filial saudade, a sua memória: “Tenho tantas saudades, minha mãe!”






terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

QUEM ESCREVEU? #4 [ Reedição]

Eis que é chegada a hora de reeditar  a quarta edição desta série de Desafios. 


Esta foto mostra-vos o quadro antes de ser recortado e proposto a desafiar o vosso poder de intuição, observação e perspicácia.

A cena reproduzida trata-se de um momento na vida de uma Comunidade Amish.


Nestas comunidades Amish é proibido o uso de bicicletas. No entanto, a utilização de um tipo de transporte que parece a mistura de um skate com uma bicicleta é bastante comum entre os seus integrantes. Esse modo de deslocação está em segundo lugar em termos de popularidade, perdendo apenas para as tradicionais carroças. É bastante comum ver jovens Amish indo para a escola nesses “veículos”. A propósito, eles são chamados de Amish Scooter e são produzidos por uma empresa especializada na qual trabalham apenas integrantes da comunidade.



Esta é uma carroça Amish típica e muito comum no Condado Lancaster - Pensilvânia.

AQUI podem observar mais informação acerca destas comunidades. Para exemplificar o seu modus vivendi, semelhante às figuras representadas no quadro, trago mais esta imagem do filme "A Testemunha", referido por dois dos participantes.



Passando à segunda e terceira questões apresentadas, se tivessem ampliado o quadro, seria notória e bem visível a técnica usada na sua elaboração. Qual? Pois aqui vos trago vários exemplos do meu talento como bordadeira amadora, de ponto cruz - e não só, obviamente. Esta é uma toalha inacabada que, inacabada permanecerá.






Procurei exaustivamente o esquema do quadro e não o encontrei. Como o bordei há mais de vinte anos para oferecer à minha filha, num seu aniversário e foi ela que escolheu o motivo, é natural que esteja em sua casa. Não faço ideia. Agora também já não interessa nada.

----------------

Vamos ao que interessa: Eis os três primeiros participantes que atingiram a meta, obtendo lugar de destaque no Pódio:

UmaMaria (Sem blogue)  ___  Brancas Nuvens Negras ___  Catarina 



Acertaram e estão igualmente de Parabéns:




Sandra Martins (Sem blogue)






💙💙💙
🙏  😍  👍


Estiveram presentes:

SilvioAfonso
https://palhacopoeta.blogspot.com/

Porventura Escrevo
http://homemplastico.blogspot.com/

António
https://vidassem.blogspot.com/

Ryc@rdo
http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.com/

Cidália Ferreira
https://coisasdeumavida172.blogspot.com/

Ângela
(Portugalredecourvetes)
https://portugalredecouvertes.blogspot.com/
--------------------------------------

A TODOS os participantes, o meu sincero agradecimento. 

Cá vos aguardo no próximo Desafio

 que poderá ser literário, ou não. 




**********************************

sábado, 20 de fevereiro de 2021

QUEM ESCREVEU? #4 [ Não É Sobre Literatura ]

 Neste caso ficaria mais correcto se o título fosse: QUEM PINTOU ELABOROU, etc, etc...mas mantém-se.



Continuando com os Desafios já habituais por aqui, este que hoje vos trago, é diferente dos anteriores. Penso não ser necessária uma pesquisa exaustiva nem possuir muitos conhecimentos da Arte em causa. Será mais um caso de intuição, observação e perspicácia. 

Como é habitual nestas brincadeiras, peço a quem souber a(s) resposta(s) - desta vez colocar-vos-ei três questões - que as envie para o meu e-mail  e/ou, use de  uma forma subtil e minimamente engenhosa, de modo a fornecer dicas que possam ajudar os outros participantes a chegar à solução.

Como já frisei anteriormente, serão sempre Desafios simples, apenas  um entretenimento sem intuitos didácticos. 

 


Questões:

1ª - Como se designa a comunidade representada neste quadro?
A maioria destas comunidades,  que no quadro representa uma cena do seu quotidiano, encontram-se na Pensilvânia. Esses grupos são compostos por descendentes de alemães e suíços que migraram para os Estados Unidos e Canadá.


2ª - Que técnica foi usada na sua elaboração? Aguarela, pintura a óleo, outra. Qual?

3ª - Qual o nome do seu autor/a?

Mais simples não seria possível. 👍

Por favor enviem os vossos palpites para o seguinte e-mail:
 fgmncf@gmail.com  

Adenda: Coloco uma dica sob a 1ª questão pois, por lapso da minha parte, não o fiz no início. Peço-vos desculpa.


 Boa Sorte!  😊


=========================================


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Perfume de Mulher.

 



Mulher


Mulher é Mãe

é flor delicada

é perfume suave

paciência infinita.


Seja humana gente

seja fera ou bicho

Mulher ama sempre

sem esperar nada...







quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Simplesmente Poesia. #1 ( Com Adenda)

 

Moema.
Pintura histórica de 1866, do pintor brasileiro Victor Meirelles. *



Morrer de Amor. 


Morrer de amor

ao pé da tua boca


Desfalecer

à pele

do sorriso


Sufocar

de prazer

com o teu corpo


Trocar tudo por ti

se for preciso.


(Maria Teresa Horta)


* Conheça AQUI a história que inspirou o pintor.

Adenda: Às 10: 40.
Até ao momento, todos os comentadores se fixaram nas palavras de Maria Teresa Horta, eróticas, dizem, sem ninguém questionar a pintura nem o porquê dela aqui estar. Por favor, não deixem esta publicação pela metade. Leiam a origem da pintura histórica e façam justiça à força do Amor. 💘😊



===============================================
=======================

terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

ASSIM, SIMPLESMENTE.

 



Assim, simplesmente,

se resume a vida 

expressa 

num lamento.

Brilham vaidosos os 

narcisos.

Cai a singela e perfumada flor de jasmim

e deixa a pairar no ar a sua fragrância.

Logo, num repente, o seu suave  aroma 

é levado impiedosamente

pelo vento!




*****************************************************

*************************

domingo, 14 de fevereiro de 2021

CHUVA.

 

Foto minha.

Goza a paisagem 

fresca da minha ferida,

quebra juncos e riachos delicados.

Bebe na coxa de mel

o sangue derramado.


Palavras de Federico García Lorca

Tradução minha.



                                                                           



La lluvia tiene un vago secreto de ternura,

algo de soñolencia resignada y amable,

una música humilde se despierta con ella

que hace vibrar el alma dormida del paisaje.


Es un besar azul que recibe la Tierra,

el mito primitivo que vuelve a realizarse.

El contacto ya frío de cielo y tierra viejos

con una mansedumbre de atardecer constante.


Es la aurora del fruto. La que nos trae las flores

y nos unge de espíritu santo de los mares.

La que derrama vida sobre las sementeras

y en el alma tristeza de lo que no se sabe.


La nostalgia terrible de una vida perdida,

el fatal sentimiento de haber nacido tarde,

o la ilusión inquieta de un mañana imposible

con la inquietud cercana del color de la carne.


(...)


Manel Mau-Tempo aka Cigano Maltês aka Atravessado, espero que passes por aqui, porém, mesmo que não passes, se alguém clicar AQUI , saberá a quem é dedicado e porque razão criei este poético momento. 😊


*******************************************

E, já agora, porque me lembrei de repente - cabeça a minha - que hoje é Domingo de Carnaval, vamos atenuar a nostalgia com esta batucada e o Martinho da Vila?
Bora lá, Manel! Juntemo-nos todos ao batuque




💗   😍



sábado, 13 de fevereiro de 2021

QUEM ESCREVEU? #3 (Reedição)

   




Eis o livro de onde transcrevi o pequeno texto que fez parte do Desafio nº 3. 

Joanne Harris nasceu em Yorkshire, filha de mãe francesa e pai inglês, é a autora do bestseller "Chocolate", romance que foi adaptado ao cinema e teve como principais protagonistas os actores Juliette Binoche e Johnny Depp. 

A escritora escreveu este livro, posteriormente ao que foi referido e a um outro que não revelo agora o título, pois poderá ainda vir a sair nestes desafios. 

A exemplo do que fiz anteriormente, vou levantar um pouco o véu  mas sem descobrir toda a beleza que existe nestes "Cinco Quartos de Laranja" de modo a que vos aguce o apetite e o queiram saborear brevemente.

********

Framboise, agora já no Outono da vida, regressa à pequena cidade onde nasceu e abre um restaurante que rapidamente se torna famoso graças às receitas de um velho caderno que pertencera a sua mãe. Essa espécie de Diário contém igualmente uns apontamentos cuja decifração lançará uma nova luz sobre os dramáticos acontecimentos que lhe marcaram a infância, nos dias já longínquos da acupação nazi.

E pronto... Creio que isto será o suficiente para vos despertar o desejo de degustar este pitéu


Acertaram.


Elvira      Gábi   -     Teresa




Sandra Martins ( sem blogue)


UmaMaria (sem blogue)







Estiveram presentes mas não quiseram pesquisar:





Maria Dolores Garrido

A TODOS, o meu sincero agradecimento. Cá vos aguardo no próximo Desafio que poderá ser literário, ou outro. 





sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

QUEM ESCREVEU? # 3

 



Continuamos com o Passatempo/Desafio que sei ser do agrado de Todos, incluindo até de quem não participou nos anteriores. 

Espero, contudo, que desta vez se deixem entusiasmar, pois quantos mais participantes, maior o entusiasmo geral.

Como é habitual nestas brincadeiras, peço a quem souber a resposta que a envie para o meu e-mail [fgmncf@gmail.com] e/ou, use de  uma forma subtil de modo a fornecer dicas que possam ajudar outros participantes na pesquisa e chegar à solução.

Como já frisei anteriormente serão sempre Desafios simples, apenas  um entretenimento sem intuitos didácticos. 

 



Eis a questão que desta vez vos coloco:

Sabem quem escreveu e qual o título do livro, onde se  pode ler este poema tão docinho?


Dica: Escritor/a de origem britânica e não se trata de um livro de poesia.


Boa Sorte!  😊

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

DA PANDEMIA E OUTROS DEMÓNIOS. *

Imagem da cientista, recolhida na Net.


 “Carta de Amor Numa Pandemia Vírica"


Gaitas de foles tocadas na Escócia

Tenores cantam desde varandas italianas

Os mortos não os escutarão

E os vivos querem carpir os seus mortos em silêncio

Quem desejam confortar?

As crianças?

Mas as crianças também estão a morrer

Nas minhas circunstâncias

Poderei morrer

Perguntando-me se vos irei ver de novo

Mas antes de morrer

Quero que saibam

Quanto gostava de vocês

Quanto me preocupava convosco

Quanto me recordava dos momentos partilhados e estimados

Momentos então

Eternidade agora

Poesia

Riso

Mar

Pôr do Sol

A pena que a gaivota levou para a nossa mesa

Pequeno-almoço

Botões de punho dourados

A magnólia

O hospital

Meias, pijamas e outras coisas acauteladas

Tudo momentos então

Eternidades agora

Porque poderei morrer e vós tereis de viver

Na vossa sobrevivência, a esperança da minha duração.

----------------

Poema escrito pela imunologista Maria de Sousa que faleceu no dia 14 de Abril de 2020, vítima do novo coronavírus.

O poema foi redigido no dia 03 de Abril e em inglês, tal como a autora se expressava quando escrevia poesia.

A tradução é da jornalista Francisca Soares da Silva.


Quem desejar saber mais acerca desta cientista portuguesa, faça favor de clicar: AQUI 

E ouvi-la, AQUI.

* Inspirada no título do livro de  Gabriel García Márquez: "Do Amor e Outros Demónios"

Foto minha.


--------------------------------------

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

MEMÓRIAS DANÇANTES. # 2 - QUIÉN SERÁ?

 Sempre quero ver se, desta vez, alguém do pessoal mais saudoso e amante de música de baile, latino-americana, diz que não se lembra desta melodia...



Quién será la que me quiera a mí?

Quién será, quién será?

Quién será la que me dé su amor?

Quién será, quién será?


Yo no sé si la podré encontrar

Yo no sé, yo no sé

Yo no sé si volveré a querer

Yo no sé, yo no sé


He querido volver a vivir 

la pasión y el calor de otro amor

De otro amor que me hiciera sentir,

que me hiciera feliz  como ayer lo fui


Ay, quién será la que me quiera a mí

Quién será, quién será?

Quién será la que me dé su amor?

Quién será, quién será?


*************

Como todos disseram que sim, uns dançaram, outros com o pé já mais pesado, porém, gingaram e abanaram a cabeça, ao som da música, todos têm direito a um bónus especial: esta  moderna versão interpretada pelo magnífico Hauser e o seu violoncelo mágico. 

Desfrutem e relembrem. 






-----------------------------------------------------------

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

NABICE POÉTICA. #2

 


Quem tiver boa memória por certo se lembra do pequeno nabo que encontrei esquecido no frigorífico, engelhado e quase murcho, porém  a dar indícios de querer florir, qual planta de toucar. Quem já se esqueceu faça o favor de clicar AQUI.

Em água continuou e, em poucos dias cresceu um pouquinho mais e agora está assim.



Ora, tal facto, leva-me à seguinte reflexão poético filosófica:


...a água é fonte de vida

que tudo faz desabrochar e desenvolver

se houver um pouco de calor, 

melhor.

Desenvolve a rama do nabo, faz-lhe nascer a raiz

alegra-me o olhar a mim

dá-me motivos para sorrir __ e,  como existo,

logo penso.

Bem, penso que isto de ver 

um nabo ser tratado como flor

se calhar não é nabice  nenhuma.

É antes um acto de amor.

Que vos parece? __

É loucura, nabice  ou romantismo?


***** 💚 *****


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

CAI NEVE NA NATUREZA.....

 ...........Mas não no meu coração.




Batem leve, levemente,

que coisinhas brancas

são aquelas?___

Será chantili, serão nuvens?

Nunca o Noah viu nada igual

nem do céu cairem bolinhas

tão belas.



Foi ver...não viu gente

não viu água, nem nunca viu

nada igual!___

Os carros cobertos de branco

nos seus olhos eu vi espanto

e uma candura

angelical.




😙    😚   😊

----------------------------------------------

domingo, 7 de fevereiro de 2021

Um Soneto Por Semana. # 14

 



Ruínas


E é triste ver assim ir desfolhando,

Vê-las levadas na amplidão do ar,

As ilusões que andámos levantando

Sobre o peito das mães, o eterno altar.


Nem sabe a gente já como, nem quando,

Há-de a nossa alma um dia descansar!

Que as almas vão perdidas, vão boiando

Nesta corrente eléctrica do mar!…


Ó ciência, minha amante, ó sonho belo!

És fria como a folha dum cutelo…

Nunca o teu lábio conheceu piedade!


Mas caia embora o velho paraíso,

Caia a fé, caia Deus! sendo preciso,

Em nome do Direito e da Verdade.


Soneto de Guerra Junqueiro.

Fotos minhas




ADENDA: A propósito do comentário da Teresa do blog «ematejoca azul» e, porque penso ser a este tipo de "ataques" que ela se refere, ou seja, às acusações de que foi alvo o escritor, acusando-o de heresia e ateísmo, fotografei do livro "A Velhice do Padre Eterno", o excerto de um estudo, feito defesa, de outro escritor de nomeada: Camilo Castelo Branco.



Como Camilo aqui refere, as ventanias tempestuosas da opinião pública, já vêm de há muito...não são apenas dos nossos dias!

__________________________________

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

QUEM ESCREVEU? #2 - ( Reedição )

 



Este é o livro de onde transcrevi o poema oriental que fez parte do Desafio nº 2, desta série de desafios. Como podem constatar não se trata de um livro de poesia. É um romance e muitíssimo interessante.

Eis um pouco da história, para vos aguçar o apetite sem, contudo, revelar demasiado para que vos não retire o interesse na sua leitura, que recomendo vivamente.

Um carteiro solitário vive a sua vida através dos outros, lendo a correspondência alheia antes de a entregar aos destinatários. Inesperadamente, assume a existência de outro homem e aproxima-se da mulher por quem se apaixonara. 

Uma relação única, intensa e bela vivida apenas através das cartas e dos poemas que trocam entre si.

A não perder! 😊


Acertaram:

Gábi

Pedro Coimbra

José (500)

Elvira Carvalho

Brancas Nuvens Negras

Catarina

Rosa dos Ventos

Cidália Ferreira

Lis

Sandra Martins (sem blogue)

*************************************

Estiveram presentes, mas não quiseram pesquisar:

Porventura Escrevo

Kok

Rogério Pereira

Manu

Rycardo

Maria Dolores Garrido


A TODOS, o meu sincero agradecimento e cá vos aguardo no próximo Desafio que, poderá ser literário ou outro. 😉




================================





quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

QUEM ESCREVEU? #2

 




O repto lançado aos amigos e visitantes deste espaço, que foi inaugurado com sucesso, porém sem estratégia, fica de novo no ar.
Desta vez peço a quem souber a resposta que use de alguma subtileza para não denunciar abertamente o nome do autor ou título do livro em questão.
Trata-se de um Haiku. Quem não souber poderá chegar à solução se pesquisar.
Como já frisei anteriormente, serão Desafios simples, apenas  um entretenimento sem intuitos didáticos.  




Sabem quem escreveu este haiku e de que romance faz parte?


Dica: O  autor deste romance é um premiado escritor canadiano cuja primeira obra foi distinguida com o Prix Anne - Hébert.


Uma história apaixonada sobre

a continuidade da vida, o amor

e o encantamento das palavras.


Boa Sorte!  😊


***************************************