sábado, 10 de janeiro de 2015

PALAVRAS DE VELUDO.


 
São de veludo as palavras
Daquele que finge que ama
Ao desengano levo a vida
A sorte a mim já não me chama

Vida tão só
Vida tão estranha
Meu coração tão maltratado
Já nem chorar
Me traz consolo
Resta-me só um triste fado

A gente vive na mentira
Já não dá conta do que sente
Antes sozinha toda a vida
Que ter um coração que mente

----------------------------------------------------------

Seja qual for a vossa forma de Vida:
Sejam Felizes!
 
                                                                        

30 comentários:

  1. Obrigada Janita. Igualmente para ti.

    Beijinho com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com igual carinho, um beijinho, Adélia!

      :)

      Eliminar
  2. Abracei esta minha "Vida tão Estranha"
    Que já não a consigo estranhar
    Gostava de ter outra vida
    E pode-la também abraçar

    É uma das canções mais belas dos últimos tempos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se a Vida nos abraça
      ou se nós a abraçamos.
      Só sei que quem nos enlaça
      nem sempre é quem precisamos!

      A canção? É belíssima, Rogério!

      Um abraço. :)

      Eliminar
  3. Linda esta canção (melancólica) do Rodrigo Leão e gostei desta voz "macia" e meiga da intérprete !
    Não me "sinto" na letra da canção, ... e isso é bom ! :))
    Não tenho que dizer da vida, nem do coração, Janita ! ... Sou um felizardo !!! rsrs

    Beijinhos para ti e sê feliz neste e em todos os dias da tua vida, sempre com muita amizade, querida Amiga ! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Engraçado que ler o poema, não nos diz tanto como ouvi-lo, na bonita voz da Ana Carolina, não achas Rui?

      Também não posso dizer que me revejo no poema, mas lá que nos toca a alma, sem dúvida que sim!

      Grata pelas tuas palavras sempre animadoras e encorajantes e por teres esse grande coração onde cabemos todos... que te queremos bem! :)

      Beijinhos, querido Amigo!

      Eliminar
  4. Janita,

    Já divulgamos no nosso blog o vencedor do desafio do Farol.

    Agradecemos que passes por lá para recolheres a "menção honrosa" que te atribuímos. Parabéns!...

    Obrigado pela tua participação e lá te esperamos no próximo desafio.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Argos, ou melhor, toda a equipa!

      Já estive no Farol e como podem ver já cá tenho a recordação que com Amizade, me presentearam! :-)

      Beijinhos.

      Eliminar
  5. Querida amiga, para já gostei muito do teu poema, parabéns.Agradeço o teu comentário e deixa que te diga que a intenção ao postar, foi mesmo levar os meus amigos ao engano rsrs, desculpa, mas gostei da idéia e não o fiz por mal, apenas brinquei um pouquinho e as imagens são bonitas.Espero que estejas bem e que 2015 seja para ti como para todos nós, melhor que o ano 2014, que é um ano para esquecer e te traga tudo de bom. Um grande beijinho.
    Miuíka

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebi isso, minha querida Miuíka, mas só depois de ver! :)

      O carinho com que essa famílias se relacionam, deveriam servir de exemplo a muitos humanos.

      Também espero que 2015 seja melhor, em todos os aspectos, e para todos nós, do que este que passou.

      Obrigada, Amiga e leva contigo um abraço enorme.

      Beijinhos

      Eliminar
  6. Amiga Janita também te desejo o mesmo, obrigada!
    Adoro esta canção e já a publiquei no meu blogue pelo menos duas vezes :)
    Como gostamos ambas do MEC. aqui vai um texto dele que deves conhecer e que é apropriado a este teu post.

    "Para se ser feliz é preciso ser-se um bocado parvo. Eu, por exemplo, sou. A felicidade é inversamente proporcional a uma série de coisas de boa fama, como a sabedoria, a verdade e o amor. Quando se sabe muito, não se pode ser muito feliz. A verdade é quase sempre triste. "
    Miguel Esteves Cardoso

    beijinho e boa semana



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Fê, quando gostamos de algo, como é o caso desta canção, nunca nos cansamos de ouvir!

      Por acaso, conheço este texto do MEC e deve ser dos poucos que não estou de acordo! Vê lá tu!...:)

      Acredito que a culpa seja minha, porque não suporto a mentira mesmo que seja do tipo mentira piedosa!... Para nos protegerem, sabes?
      Prefiro ouvir a verdade, ainda que doa!

      Mas o MEC é assim, hoje pensa de uma maneira, mas amanhã a vida pode levá-lo a pensar d'outra. Como todos nós, aliás!

      Beijinhos e boa semana, também para ti, Fê!

      Eliminar
    2. Sou mais flexível do que tu minha querida amiga, sinceramente há verdades que nem quero saber, o que se há-de fazer cada um é como é :))

      beijinho

      Eliminar
    3. Amiga Fê, gostar de saber a verdade - daquilo que nos possa afectar - não é ser-se inflexível!
      Considero-me flexível q.b.!! :))

      Aliás, deixa que te diga o que já afirmei aí num blog amigo...Na vida, é preferível usar a flexibilidade do junco à rigidez do carvalho!...

      Mas, como tu bem dizes: Cada um é como é...;))

      Beijinhos!

      Eliminar
  7. Olá, Janita!

    A vida é arte do possível, dizem alguns.E e eu tendo a concordoar como o dito - e também com o texto da Fê, da autoria do MEC.

    Beijinhos amigos e boa semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Vitor!

      Queres mais sabedoria do que a que essa frase encerra?
      " A vida é arte do possível"... Concordo inteiramente!

      Não é remando contra a maré que alcançamos a margem do Rio ou o porto seguro...Por vezes, precisamos deixar-no ir ao sabor da corrente...

      Quanto às crenças do MEC, já expus a minha opinião. Que tanto pode estar certa como errada, mas é a minha maneira de encarar as coisas da Vida!

      Beijinhos amigos e que tenhas uma excelente semana.

      Eliminar
  8. O grande nome da cena musical portuguesa actualmente, Janita.
    Beijinhos, votos de boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E acredito que tenha vindo para durar e durar, Pedro!

      O que é de qualidade é eterno!! :)

      Beijinhos e boa semana.

      Eliminar
  9. Nem sabes como gosto desta canção! Muito, muito bonita! Gosto da dolência, da cadência, de tudo. Fazia parte da banda sonora de Equador, de que também gostei muito quer lido, quer filmado.

    Obrigada pela escolha, Janita!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Graça!

      Também li "Equador" e vi a série televisiva. Escusado será dizer que a leitura me empolgou muito mais.

      Se não estou em erro o título desse álbum de Rodrigo Leão, que compunha a banda sonora, era 'Mãe', mas de momento não posso ter a certeza.

      Só poderias gostar da canção, Gracinha! Ela embala-nos...

      Eu é que te agradeço! Beijinhos!

      Eliminar
  10. Espe poema é lindo! Não conheço quem a interpreta, nunca tinha ouvido. Mas gostei da melodia e da docura da voz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poema, música, voz, tudo nesta canção nos prende, Manuel!

      A Ana Carolina tem muitas parcerias com Rodrigo Leão, mas, neste espectáculo, acho que quem canta é a Ana Vieira. Não tenho a certeza!

      Só sei que tem uma bela voz!

      Obrigada!

      Eliminar
  11. Também desejo que sejas feliz, Janita.

    Quando me ofereceram essecd passei horas a ouvir essa canção

    Abraço grande

    (Por acaso não foi Argos)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei, meu querido Argos! Tanto, quanto eu desejo que o sejas, também!
      Feliz, alegre e despreocupado...

      Já imaginava que tinhas o CD, gostas tanto de R.L....!!

      ( Só estava à espera que cá viesses para me dizer isso, de resto, eu já 'sabia'. :-) )

      Beijinhos e um graaaaande abraço!

      Eliminar
  12. Há gente com fado assim...então a solidão...é a melhor companhia.
    um bom 2015.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Graça!

      Antes de mais quero dar-te os Parabéns pela concretização do teu sonho antigo...publicar um livro! :)

      Como cantava a nossa Amália:---"Fado, é sorte e desde o berço até à morte, ninguém foge, por mais forte, ao destino que Deus dá"!...

      Mas também temos que fazer uma forcinha para fugir a essa fatalidade, ou seja, à solidão! Umas vezes consegue-se...outras, não! :(

      Beijinhos e muito sucesso com o teu livro.

      Eliminar
  13. Já desisti de mentir a mim mesmo há muito tempo e desde então sou muito mais feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, João!

      Que bom ouvir/ler dizeres isso! Fizeste bem. Mentir a nós mesmos é mantermo-nos, voluntariamente, prisioneiros e só nos pode trazer sofrimento.
      É assim mesmo que eu penso. A verdade acima de tudo e contra tudo!

      Beijinho.

      Eliminar