terça-feira, 23 de agosto de 2016

DA BREVIDADE DA VIDA.

Amor- Tela de Gustav Klimt



Bilhete

Se me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa-em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem
devagarinho,
que a vida é breve,
e o amor mais breve ainda

(Mário Quintana)




43 comentários:

  1. Nem sempre os poetas terão
    razão
    a vida não se mede pelo tempo
    mas por aquilo que lhe metemos dentro

    e o amor não é um momento
    senti-lo
    é tanto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em que ficamos, Rogério?

      Os poetas não são todos seus irmãos? Então, os bons irmãos têm sempre a mesma visão da vida...:)
      Aqui, não há uma medição do tempo, há sim, um aproveitamento dele, até à sua mais ínfima partícula.

      :)

      Eliminar
  2. Não gosto, nem concordo, com o que o poema transmite. : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó Catarina, será que as tuas andanças lá pela British Columbia (ou lá como se chama o lugar por onde andaste) te debilitaram a sensibilidade poética?
      Se sim, acho que a culpa foi daqueles vaqueiros, rudes, habituados aos solavancos, no lombo dos touros bravos, logo, sem tempo para amar com tempo!...:))
      Ora lê lá outra vez o poema, com calma, sff.

      Quando a vida se torna breve, quer-se que o amor seja sentido com ternura, devagarinho, sem gritos que assustem os passarinhos :), sussurrado ao ouvido, prolongado, saboreado lentamente, sem pressas...Percebeste, agora?
      Tipo amor tântrico, sublime e sublimado, sei lá!...

      Beijocas!! :))

      Eliminar
    2. Eu perceber, percebi...

      Será mesmo falta de sensibilidade poética? (não estou a discordar... : )) ou simplesmente porque não gosto deste poema em especial?!

      Boas férias. Descansa e depois conta-nos como foi!

      Bjos

      Eliminar
  3. Mário Quintana tem uma escrita que não é muito fácil.
    Mas é um autor que se deve acompanhar.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós é que andamos todos sem tempo para interiorizar as mensagens que os poetas nos querem transmitir, Pedro, isso sim! :)

      Beijinhos

      Eliminar
  4. Olá Janita!
    Não conhecia este poema, mas como em tudo na vida, uns gostam e outros não e gostos não se discutem!
    Beijocas!
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É evidente, Paulinha.
      O que seria da humanidade se todos gostássemos do mesmo?
      Seria lindo, seria. Era tudo a mim, a mim...:))

      Beijinhos, minha querida!

      Eliminar
  5. Gosto muitos dos poemas de Quintana, este é muito bonito.

    Beijinhos Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se levarmos as palavras ao pé da letra, talvez as não entendamos. Cada pessoa retira de um poema aquilo que vier de encontro ao seu sentir, penso eu.
      Por isso, umas pessoas sentem-se tocadas por palavras, que a outros nada dizem.
      Obrigada, Manu. :)

      Beijinhos.

      Eliminar
  6. Acho que sim. Amar baixinho, num sussurro... Sem alarido. Amar profundo. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, não é, Luísa?
      Também acho que sim...:)

      Beijo, repenicado e barulhento!!!

      Eliminar
  7. Nunca li nada do autor. O poema parece contraditório, mas daí...
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já deve ter lido, José. O que acontece é que, neste momento, não se lembra. Já tenho publicado outros poemas deste poeta brasileiro.
      Por acaso há ali um ifen mal colocado, mas fica assim, à mesma. Não creio que seja esse erro, que o faça parecer mais ou menos contraditório aos seus olhos, José.

      Beijinho.

      PS- Anda a ficar saturado disto? Já vai embora de novo...Tenho pena.

      Eliminar
  8. Gustav Klimt é o pintor preferido da minha filha Vannie.

    A vida é breve, o amor verdadeira é eterno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «O Beijo» é, talvez, dos seus quadros mais famosos e do que menos gosto, Teresa. Há tanta 'versão' que até já enjoa.

      Tem bom gosto, a tua filha Vannie.

      Todo o amor é eterno, enquanto dura, minha amiga! Já o dizia Vinicius de Moraes.

      Um abraço.

      Eliminar
  9. Os Poemas

    Os poemas são pássaros que chegam
    não se sabe de onde e pousam
    no livro que lês.
    Quando fechas o livro, eles alçam vôo
    como de um alçapão.
    Eles não têm pouso
    nem porto
    alimentam-se um instante em cada par de mãos
    e partem.
    E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
    no maravilhado espanto de saberes
    que o alimento deles já estava em ti...

    Mário Quintana, in 'Esconderijos do Tempo'

    (Vais ficar zangada por partilhar este poema?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo,

      Eu devia era de ficar zangada por me fazeres essa pergunta. Ai...ai!!
      O poema é lindo, já o conhecia e até o publiquei com uma imagem muito bela. Não te lembras?
      Quando encontrar o post, envio-te. :)

      Então o meu abraço?

      Beijinhos

      Eliminar
    2. Pois...por isso é que queria apagar o que escrevi. Estava a repetir.

      Abraço grande

      Eliminar
    3. Nem pensar, Ricardo!

      As repetições, e até inovações, são sempre bem vindas se vierem com boa intenção, tudo o que aqui deixas vem com carinho...!

      Um beijinho. :)

      Eliminar
  10. Que doce este Bilhete... Muito lindo!

    Beijinhos breves...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste, Graça! Fico deveras contente.

      Beijinhos, ao som do chilreio dos passarinhos...

      Eliminar
  11. Acho que gostamos do que lemos consoante o que nos vai na alma, penso que o mesmo acontece com os poemas. Gostar de ler Mário Quintana não fujo há regra, há outras coisas dele que gosto mais, este não conhecia, gostei de ler.

    Beijinho Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida Adélia,

      um beijinho! :)

      Eliminar
  12. Gosto muito de Quintana, mas este poema... Ou hoje não estou a "carburar" bem, ou não entendo.
    "Deixa-me em paz a mim?" É um amor não correspondido?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha Amiga 'carbura' sempre lindamente. Com lucidez e inteligência. Se algo não correu bem, a culpa é toda minha!

      Um abraço, Elvira.:)

      Eliminar
  13. Mário Quintana era um mestre da escrita, tem textos assim tão singelos e verdadeiros... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  14. Respostas
    1. Revolucionário e envolvente, como tudo o que mexe com os sentimentos, Mar!
      Um amor pacífico é um amor sem chama nem ardor...mas ainda assim, é amor!
      :)

      Eliminar
  15. El amor sosegado y tranquilo se disfruta mucho más que si fuese un amor al borde de un ataque de nervios.

    Gracias por tú gentil visita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, amigo José!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  16. Janitamiga

    Tive a honra e o privilégio de ter estado em Porto Alegre com Mário Quintana e com ele conversar mais ou menos quatro horas Ajudou muito o facto de serem dois jornalistas a contar estórias da vida de cada um. Mas, o Mário ganhou-me sempre: era poeta, quer dizer Poeta com caixa alta...

    Um homem bom, um brincalhão que jogava com a ironia como quem salta ao eixo, ribaldeixo, cada bola mata um - pim, pam, pum. Versejava quando lhe apetecia, disse-me; mas que versos!



    Penso que já sabes a desgraça por que tenho passado neste ano bissexto de 2016. SÃO UMAS ATRÁS DAS OUTRAS! Porra! Na NOSSA TRAVESSA podes ler a maldita estória.
    Estou muito descoroçoado. Penso até pedir um empréstimo ao banco com quem trabalho para pagar as nossas viagens aos Emirados. Veremos.
    Entretanto chegaram as últimas e malfadadas notícias de lá
    Entretanto venho infelizmente, dar-te as últimas notícias do EAU

    (Agora (23:17 de 27 deste mês de Agosto chega-me a informação de que o meu irmão já está hospitalizado e já tem metástases no fígado e nos rins. Imagino-o na cama do hospital a pensar como a vida é filha da puta. Já terá dito que nunca mais nos vê, a nós e aos sobrinhos e aos sobrinhos-netos...)

    Não sei bem o que farei, mas talvez peça um empréstimo ao Banco para ir lá...

    A estória completa do que tem sido o nosso ano bissexto de 2016 está publicada na NOSSA TRAVESSA. Desculpa-me a chatice

    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu bom Amigo, lamento muito estes maus momentos que estás a viver, mas tens de apelar para toda a tua coragem e seguir en frente.
      Horas melhores virão. Não há mal que nunca acabe.

      Um beijinho e grande abraço com votos que tudo se resolva pelo melhor.

      Beijinhos para a Raquel, também.

      Eliminar
  17. Olá Janita. Já cá estou. Cheguei primeiro, mas estou a "entrar devagarinho" e sem gritos, para não assustar os passarinhos !

    Abraçaço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Rui!! :)

      Já cá estás e com nova foto de perfil. Voltaste a usar o boné do Rui da Bica? Fica-te só bem...:)

      Beijos e grande abraçaço amigo! :)

      Eliminar
    2. rsrsrs... "Farda" de férias, Janita. :))

      Eliminar
  18. Boa tarde, excelente poema de Mário Quintana, seus poemas são encantadores.
    Resto de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde, António.

      Obrigada pela gentileza da sua visita.

      Um abraço e bom fim de semana.

      Eliminar
  19. Já cá estou amiga Janita ! :)

    Adoro este poema de Mário Quintana ou não falasse ele de passarinhos :)

    Um beijinho, volto depois com mais tempo :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também amiga Fê!!:))

      Acho que precisava de mais uns dias, para descansar do descanso. eheheh
      Dia 05, segunda-feira, já vou pegar no batente! Lá tem de ser, que a vida é feita de luta, nada nos cai do ar. Só a chuva. :)

      Um beijinho grande, mais tarde passarei pelo teu cantinho. :)

      Eliminar
  20. Lindo e magnífico poema,gostei imenso!!

    ResponderEliminar