quarta-feira, 18 de julho de 2018

CARTAS.







Diz o Poeta que são ridículas
Diz o cantor que são pedaços de dor
Do amor que sente alguém…


…Eu, que não canto, não escrevo nem sou poetisa
quero apenas escrever algo que acompanhe a minha fotografia.


Carta das Finanças de mau gosto seria…

…Escolho uma carta de Amor…

              …que cai sempre bem! 


( e não faz mal a ninguém)



:)



                              

=================================
===================




30 comentários:

  1. Tu escreves muito bem e tens razão: prefiro cartas de amor às contas a pagar,rs...bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Chica...também eu!!
      Mas temos mais «contas» do que »cartas». :))

      Beijinhos, obrigada.

      Eliminar
  2. Cartas de amor quem não as tem??
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A canção assim o diz, Pedro, mas eu acho que poucos as tiveram e nenhum as tem! :)
      Beijinhos.

      Eliminar
  3. Muito bom, Janita, muito bom!
    Cartas de amor... hum, venham muitas!
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se forem mensagens, também servem, Teresa! ehehehe

      Beijinhos

      Eliminar
  4. Tão bonito :))

    Hoje:-Das cartas que eu nunca te enviei.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que coincidência, Larissa...ambas falamos de cartas! :))

      Beijinhos

      Eliminar
  5. Excelente postagem. Já não se escrevem cartas...de amor! Gosto da magia da caixa do correio...(as das finanças, não!) Loool


    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escrevem, Cidália? Onde? Quem? :))

      Beijinhos

      Eliminar
  6. Bom, e então onde está a dita carta de amor?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve estar a ser escrita, neste momento, José.
      Amanhã, o carteiro irá depositá-la nessa caixinha dourada.

      Beijinho

      Eliminar
  7. Uma caixa de correio clássica nas portas do antigamente e que hoje ainda se vão vendo por aí, mas,... para folhetos de publicidade, ou contas a pagar. :(
    Cartas de amor,... Viste-las ! eheh... Hoje, os "amantes apaixonados" limitam-se a umas singelas trocas de frases por telemóvel ! :(
    O poeta que lhes chame ridículas ! eheheh... mas sabiam tão bem ! :) ... o suficiente para tirar o sono, ou fazer-nos sonhar . :)

    Beijinhos, Amiga ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também escreveste alguma, Rui? Acredito que sim. Como escreveu Joaquim Pessoa:
      "São as pessoas como tu que fazem com que o nada queira dizer-nos algo". :)
      A tua Lena deve saber bem isso! :))

      O outro Pessoa, o Fernando, achava-as ridículas, mas também as escreveu.
      Eu recebi algumas, mas agora parece não haver mais o romantismo que havia outrora. E, a verdade, é que se vive bem sem essas lamechices, como diria a nossa amiga 'Ematejoca'. ehehehe

      Beijinhos, amigo Rui!

      Eliminar
  8. E ainda bem que o fizeste porque a fotografia merece ser partilhada! Que porta bonita!!

    Beijinhos em tons de azul
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando vi esta porta, neste azul tão intenso, não resisti à tentação de a fotografar, Afrodite!
      Foi pena o cromado do receptáculo para a correspondência - e tudo o mais que lá enfiarem - ter ficado com luz demais.

      A porta era muito bonita, na sua digna antiguidade reluzente e bem cuidada. :))

      Beijinhos

      Eliminar
  9. Palmas. Muitas palmas para
    quem é aquilo que nega.

    Janita, meu anjo. Beijos,
    muitos.


    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh...com tão bonitas palavras, o meu amigo deixa-me deslumbrada! :))
      Obrigada, Sílvio Afonso.

      Beijos.

      Eliminar
  10. Gosto da foto. E de cartas de amor. Atualmente estou a ler as de Lobo Antunes. Cartas de amor que também são de guerra ou vice-versa. "D'este viver aqui neste papel descripto."
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Provavelmente, leitura obrigatória lá da Academia Sénior, não Elvira?
      O título é bastante sugestivo, nem conhecia esse livro de cartas do Lobo Antunes. Resta saber até que ponto será um livro de cartas de amor (e guerra), algo tão pessoal, do interesse público. Só lendo, não é?
      Um abraço, obrigada.

      Eliminar
  11. «quem as não tem?»

    Só que agora, infelizmente, já não se escrevem cartas, nem se mandam postais. Uma pena!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «andorinhas,
      que num vai-vem
      levam bem,
      saudades minhas...» :)

      Já não há nada, Graça, agora só há conversa da treta!! :)

      Beijinhos.

      Eliminar
  12. Que linda imagem, também gostei das tuas palavras!

    Tenho guardadas cartas de amor escritas pelo meu marido em 1973/74/75 3 anos de tropa, foram os nossos primeiros 3 anos de casamento.

    Já não escrevo cartas de amor, mas ainda escrevo postais de aniversário e de Natal.

    Beijinho Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida, acredito que essas cartas sejam para ti verdadeiros tesouros.
      Manter essa tradição, de enviar postais natalícios é outra preciosidade que poucas pessoas têm o privilégio de receber. Fazes bem em dar essa alegria aos teus familiares e amigos, Adélia.

      Beijinhos, com amizade.

      Eliminar
  13. SERRALVES SEMPRE!

    Cartas de amor? Sempre ridículas!

    Cartas das Finanças? Pesadelos ao quadrado!!

    Do que eu gosto é do Verão!!!

    E da porta tão linda e tão azul.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande Viva à Vida, não é Teresa? :))

      Por cá, o Verão, aquele que sempre conhecemos, quente e radioso, anda muito fugidio.
      Ainda não pisei a areia nem mergulhei no mar, vê lá tu!!

      Folgo muito em te saber tão alegre e feliz.

      Beijos, Amiga de longe! :)

      Eliminar
  14. Gostei muito desta caixa azul, ficou linda a foto!
    Nela só deviam entrar cartas de amor!

    Beijinhos Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico sinceramente feliz com a tua opinião, que muito prezo, acerca desta fotografia, que tirei numa rua do Porto.
      Obrigada, Manu! :)

      Pois...isso era bom, mas de certo entram outras coisas menos boas.

      Beijinhos, Manu.

      Eliminar
  15. Minha tia, que Deus a tenha,
    corria ao portão, quando o
    carteiro gritava seu nome, até
    que um dia não gritou mais;
    quem escrevia as cartas se casa-
    ra com outra e ela com o pobre
    entregador de cartas.

    Minha tia era ótima, dava jeito
    em tudo.

    Beijos e beijos. Um monte.


    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas que sentido prático tinha a senhora sua tia, Sílvio Afonso! Pelo menos já conhecia bem o futuro marido... Espero que melhor, do que conhecia o noivo infiel. Depois, sempre estava mais à mão!!

      Beijo.

      Eliminar