sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

AMORES QUE NÃO DESILUDEM.

É com enorme tristeza que venho pedir desculpa a todos os amigos/as que tiveram a gentileza de me deixar os seus preciosos comentários na postagem que tinha publicado a seguir a esta.
Lamentavelmente e por reconhecida “azelhice” da minha parte, ao tentar introduzir algumas alterações no dito post, acabei por o fazer desaparecer.
Pelo facto, que tanto me abalou, a todos peço que me perdoem.
Com profundo pesar, comunico que, por motivos alheios à minha vontade, irei ausentar-me por tempo indeterminado.

Obrigada a todos, meus amigos queridos…



25 de Fevereiro de 2011
PS: A foto é uma parte daquilo que eu pretendia fazer. De qualquer modo vou deixá-la ficar...para que não me esqueçam...até eu voltar!..
Beijinhos para todos
Janita

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Queridos amigos, como vi que gostaram do meu João, digitalizei mais estas duas fotos, tiradas naqueles anos dourados em que o tive, sempre, comigo.
Toda a minha entrega, a este menino, em tempo, dedicação e carinho, foi uma parte infinitamente menor, do bem que ele me fez!... 19/02/11





Há um legado da minha Mãe que não morrerá comigo: o amor pelas plantas de jardim!



Não o consegui transmitir aos meus filhos…gostam muito de plantas em casa, daquelas muito bonitas que se compram em vasos e é só regar e pôr à janela para apanharem luz e ar, mas meter as mãos na terra para a tornar fofa e retirar as ervas daninhas, inspirar o forte odor de terra remexida... isso não os cativa nem apaixona.
Em contrapartida, vi no meu neto mais velho o João Pedro, uma grande paixão pelas flores e o deslumbramento por assistir ao seu crescimento e desabrochar.
Como o criei desde os quatro meses até perto dos quatro anos, ele habituou-se, desde muito pequeno, a ver-me cuidar, plantar e regar o jardim.

A jardinagem chegou a ser para mim uma forma de terapia.
Ainda, hoje, durante as férias escolares o João vem para junto de mim e me incita à jardinagem. Só que a fiel jardineira arranjou outras formas de terapia e o jardim já não é o que era.
Talvez um dia, não muito distante, tudo volte a ser como dantes.



Nesta foto o meu neto tinha 8 anos.



Foi tirada em Ponte de Lima, numa Feira Temática dedicada à reciclagem. O João tem, agora, 11 anos. Continua gostar de plantas e a apreciar as belezas com que a Natureza, tão prodigamente nos contempla. Não existem no Mundo seres tão reconhecidos, como as plantas e os animais!
Se cuidarmos deles com atenção e carinho, ser-nos-ão eternamente gratos e deslumbrarão a nossa vida com lealdade, alegria, beleza e afecto...



~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

38 comentários:

  1. Os legados geracionais são...
    uma complicação.
    Julgo que o que conta tem muito que se lhe diga.
    O seu jardim é, para mim, a metáfora sobre um amor (ou valor?) que é mais percepcionado pelo seu neto.
    Acontece-me o mesmo com o meu e sinto que me olha do mesmo jeito com que eu olhava o meu avô: um profundo respeito...

    Estou certo que iremos regressar ao temo (eu pelo menos vou)

    Beijos para si e para o puto

    ResponderEliminar
  2. Janita
    Os amores não desiludem nunca uma terna jardineira.
    As flores que provocas guardam a frescura do orvalho da manhã, a ternura da infância, o entardecer da vida.
    O teu jardim será sempre o refúgio das tuas dúvidas, o retiro do teu cansaço.
    A ele voltarás, quando apagares os desencantos.
    Jardim é algo eterno que não desilude.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Legado belo.
    Aqui no seminário há um jardim enorme e gosto as vezes de ficar olhar as flores, eles são tão belas e seguem o curso da sua vida tão bem, elas enfeitam a nossa vida.
    beijos querida janita.

    ResponderEliminar
  4. Que preciosidad de nieto no me extraña que con el nieto y el jardin siempre enamorada estes de las flores sus aromas y sus colores.


    Toma esta rosa
    la linda flor envidia siente
    en tus labios ella presiente

    que sus pétalos si estarán
    en ellos siempre presente

    a ellas sus petalos se les marchitarán ,las rosas de pena lloraránllorarán llorarán.

    Saludos

    ResponderEliminar
  5. Você tem razão, Janita, não há ninguém que nos retribua amor como animais e plantas. Que bom que o João Pedro pegou este gosto da avó!

    ResponderEliminar
  6. Minha Querida Amiga Janita,
    Parece ser verdade que a heritariedade segue do Avô para o Neto e não de Pai para Filho e daí talvez a razão do João Pedro lhe seguir as "pisadas jardineiras"!Quanto à ideia que expressou sobre o Amor das Plantas e dos Animais é algo de muito verdadeiro pois nos retribuem esse Amor em dobro sem nada nos "cobrar"!
    Nos últimos tempos tenho gozado o meu Neto Tomaz a "tempo inteiro" o que tem sido um regalo!
    Um beijinho muito amigo extensivo ao João Pedro que é muito bonito.

    ResponderEliminar
  7. que bonito esse post, Janita. Seu neto pegou o amor pela terra, herdou de vc esse bonito sentimento.

    e parabéns por ser uma avó tão jovial.
    bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. Querida amiga Janita!
    Este é um dos textos mais lindo que você já publicou aqui.
    E este é o netinho que tirou aquela fotografia espectacular à avó no mergulho para a piscina.
    Essas coisas e outras aprendem-se, logo desde o berço, e ficam pela vida toda.
    Aqui na minha casa somos seis,e só quem mete as mãos na terra sou eu, os outros têm as Mãos muito finas, e não querem sujar as unhas na terra. Eu aqui no meu quintal tenho um pouco de tudo.
    Até tenho umas latas alinhadas com umas flores enfezadas.

    Um bom fim de semana
    um beijinho grande para si,
    com o meu carinho.
    José.

    ResponderEliminar
  9. Só sei dizer que o João está em boas mãos e aprenderá muitas coisas boas com a vovó. Beijos e ótimo final de semana

    ResponderEliminar
  10. Olá Janita,os filhos não apanharam mas o netinho tem jeito e gosto. Também herdei da minha avó o gosto pela doçaria. Pena que partisse tão cedo...amiga o teu jardim vai florir quer seja ou não Primavera, pois o que plantaste, dá fruto e flor em qualquer estação. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  11. Minha amiga:
    Obrigada por partilhar connosco algo e alguém tão precioso para si.
    Vê-se que é uma pessoa muito sensível e verdadeira.
    Nunca tive e felicidade de ter um jardim e tenho pena, também ainda não tenho netos e pena tenho ;)
    Mas acho que aqui a nossa amiga blogosfera tira-nos o tempo para outros prazeres ;)

    beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Bem se vê que ainda não olhaste o meu blogue lá para baixo...adoro uma casinha e ando a ver se consigo uma baratucha que depois arranjo, viver em simplicidade, só isso e terra para andar descalça, vivi em África e pronto, a terra nos pés é terapia... Só contando minha querida, amo as flores, amo regar, tratar, fazer hortinha, adoro, a minha mãe tem casa mas não é a mesma coisa...ja tentei tomates cereja em casa, xi o quarto do Nuno na janela tinha o mildio ehhh lixo com tudo, tavam na varanda mas para proteger do frio...e vieram do Canadá... tens de ter o teu jardim como sempre, lindo, lindo...Que bom que o neto gosta, se tem as tuas sementes.

    Um beijinho da laura

    ResponderEliminar
  13. Pois eu adoro mexer na terra, sentir aquele cheiro quando cai a chuva...

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  14. Amiga Janita!

    Goste muito de ver o teu netinho e de ver o seu amor pelo jardim, pela natureza.

    Esse é um valor imensurável do qual és responsável e que ele não sou herdou mas que lhe foi empiricamente ensinado...nada melhor!

    Parabéns pelos resultados obtidos.
    Beijo neste Domingo molhado mas com raios de sol.

    ResponderEliminar
  15. Olá querida Janita, Boa Tarde!
    Assim que adentrei em "su casita" deparei-me com a frase. "A amizade é um amor que nunca morre" Com certeza é, adorei que tenhas passado por meu cantinho mesmo que rapidinho, o prazer é meu em tê-la por lá, amiga do José com certeza minha amiga também será, pois ele com sua simpatia e simplicidade sabe como ninguem repartir amizade e com ela seguimos a vida, não somos nada sem amigos, são eles os canteiros da nossa vida, onde colhemos em cada raminho, pétalas perfumadas de carinhos que enfeitam ainda mais a nossa existência, só tenho a agradecer cada amigo que chega assim de mansinho e vai aos poucos cativando a nossa alma e colorindo a nossa caminhada não é?
    Amei as lembranças do filhote neste jardim maravilhoso chego a sentir o perfume da grama de tão fresquinha nos mostra as imagens, o teu netinho hoje com 11 aninhos que segue a exemplo da avó a tomar gosto pelas flores, pela terra e com certeza segurá pela vida como um bom jardineiro, amando e cuidade do nosso planeta tão carente de cuidados...
    É tudo lindo por aqui amiga Janita. Aceite meu beijo com o carinho da minha amizade.
    A amiga, jady

    ResponderEliminar
  16. Lembrei-me da minha Neide que é Cientista, e quando me vê a jardinar na terra sem luvas, começa a barafustar, que está cheia de bicharocos de nojo de porcarias e devia resguardar as mãos, mas eu ando lá de mãos é pés, isto se me deixarem à vontade...

    Beijinhos e bom resto de domingo...haja jardins, flores, amores.

    laura

    ResponderEliminar
  17. HOLA MI DULCE JANITA.

    QUE BELLAS Y LUMINOSAS FOTOGRAFÍAS Y QUÉ HERMOSOS NIÑOS. NOS MUESTRAS UNA PARTE AMADA DE TI Y CON ELLA UN TROZO DE TU HERMOSO MUNDO DONDE NO CAVE DUDAS QUE REINA EL AMOR.

    CON CARIÑO!!

    PATRY

    ResponderEliminar
  18. Janita,

    Recebi teu recado lá no Rafeiro, não te preocupes em devolver comentário, venho aqui porque gosto da tua inspiração, ainda mais hoje com um tema que venero. Jardinagem, mexer em terra, aquele cheirinho bom depois de uma chuvada, tuo que seja verde me encanta, as flores desabrochando, o seu perfume suave, semear, cuidar, adubar, acarinhar, falar, colher, partilhar, nossa são tudo prazeres que não se encontram nesse nosso dia a dia, torbulento e empedrado.
    Esse menino é lindo e quando bem cuidados pelas avós, são tesouros ensolarados toda a vida.

    Beijokas

    ResponderEliminar
  19. João
    diz à avó Janita
    que eu sei
    que ele tratará bem
    o cravo que lhe ofertei

    Give me five, meu!

    ResponderEliminar
  20. Querida amiga Janita!

    Muito obrigada por ter feito o que fez, é sempre bom poder contar com os amigos para estas coisas.

    Boa noite
    e um beijinho grande,
    José.

    ResponderEliminar
  21. Deixaste-me curioso, o que é que eu esqueci? Não tens um e-mail?

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  22. Una de las mejores cosas que podemos hacer en la educación de nuestros hijos es el inculcarles el amor a las plantas y a la naturaleza en su conjunto.
    Quien ama y respeta a la naturaleza ama y respetara a los seres humanos y sera siempre en su vida una persona integra y equilibrada.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  23. Amiga Janita...Precioso tú nieto y ese jardin florecido.
    Yo también tengo un nieto de 5 años que me tiene el corazón ganado..jaja.
    Que tengas una feliz semana...Besitos.
    PD...Perdona mi ausencia estos días ha sido debido a un fuerte estado gripal...Del cual aún estoy convaleciente.

    ResponderEliminar
  24. Encantou-me este post sobre o seu neto João, e o amor pela terra que lhe transmitiu.
    É bem verdade que não existem seres tão reconhecidos como as plantas e os animais. Que bom seria se os da espécie humana também assim fossem!
    É, por certo, uma avó feliz por saber que o legado da sua mãe não morrerá consigo.
    O amor pela terra, pelas plantas e pelos animais, herdei-o do meu avô materno. Era um homem sábio.
    Gostava de o ouvir. Visitava-o amiúde, encontrando-o, quase sempre, fixado nos cuidados com a sua criação de canários, preparando-lhes a comida com gema de ovo cozido, gotas de Vinho do Porto para lhes afinar o canto (dizia ele, e era verdade!), pastilhas de carbonato de cálcio desfeitas em pó, e outras coisas – tudo misturado num almofariz de barro vidrado. Noutras ocasiões lá estava ele de volta das rosas e cravos híbridos e matizados por enxertos que ele fazia com o auxilio de um pequeno serpete, terra estrumada com bosta de pacaça e fita de nastro, dando-lhes beleza única. Cultivava-os no jardim à volta da casa, dando-lhe vida, transformando-o num deleite para quem o via. O jardim fazia amizades com facilidade, desabrochava afectos rápidos, numa relação encantada com quem por ele aparecesse!
    Sábio, homem bom e filósofo era aquele meu avô. Desenhava as ideias, escolhia as palavras com acerto e punha-me a pensar, como quando um dia me disse que o mais importante da vida era a felicidade. Logo acrescentando que, quando atingida muito cuidado deveríamos ter para não a deixarmos avariar. Para tal, insistia, nada melhor do que o amor pela terra, pelas plantas e pelos animais.
    Passei esse amor aos meus filhos, e, creio irem os meus netos (são já sete!)pelo mesmo caminho.
    --
    PS - Honrou-me com a visita à minha cubata, o comentário deixado, e ter-se inscrito com seguidora. Muito obrigado.
    Vi o carinho com que tratou o Cravo Vermelho oferecido pelo Rogério. Sei que irá fazer com que mantenha viva a frescura e os ideais!
    Encontrei no seu espaço mais uma afinidade: a leitura de García Márquez.
    Releve a extensão do comentário.

    ResponderEliminar
  25. Um neto bonito, um jardim lindo e um “alentejanito” dedicado são uma “corrente” de ternura para a Janita que se reflecte, sem dúvida, na poesia que escreve e nos textos que publica. Parabéns.

    ResponderEliminar
  26. Hermoso jardin y encantador jardinero.
    Felicitaciones al nieto y a la abuela
    Gracias por colocar la imagen y el haiku en un lugar destacado.
    He quedado encantado de la visita a tú casa.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  27. Querida Janita,
    Que bonito jardineiro tem aí! E que ternura esse amor...que não desilude!
    Adorei o seu comentário no Banzai.
    Imagino-a sempre com um chapéu, entre flores...ou numa rede...um livro pousado no colo.
    TERNURASSSSSSSSSSSSSSSS
    MUITAS

    ResponderEliminar
  28. Pois desisto, não consigo encontrar, pelo que rogo humildemente que tenhas tu a iniciativa. Beijocas!

    ResponderEliminar
  29. Olá miúda!
    Então não tens mail?
    Pois é, já vi que a tua amiga Patricia entrou na loucura do meu mundo. Espero que não me ache demasiado louco, se é que ela entende os meus desabafos.
    Quanto à sardinha, ela pode ser virtual mas também pode ser real. O mundo é muito pequeno e quando a gente menos espera estamos mesmo lado a lado.
    Quanto ao Bruno e à Neide, eles estão quase lado a lado (ambos em NY) mas também não se conhecem pessoalmente, apesar de estar para muito breve um jantar em casa do meu filho.
    Então e como está o teu jardim? E o teu João?
    Cuidado com ele, pois as rosas estão cheias de espinhos.
    Já agora quero avisar-te que nem no teu blogue nem no da Paricia se consegue entrar directamente através dos seguidores.
    Beijinho para ti

    ResponderEliminar
  30. Boa noite Janita,
    não imagina o quanto gostei deste post. Veio completar o meu "Não Colhas as Flores". O seu netinho tem a idade do meu filho mais novo. É tão bom vê-los brincar assim alegres e saudáveis.

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  31. Janita,

    nos dias de hoje não há tempo para cuidar de plantas ou jardins, vou ser sincero consigo, eu tenho privilégio de viver numa habitação com um jardim fantástico (tratado pelo jardineiro)que passo meses sem lá pôr os pés, para muita pena minha.

    Os vasos de plantas são cuidados pela minha empregada doméstica e pela minha cara-metade senão já há muito tinham entregue a "alma ao Criador".

    Um vício compro, semanalmente, flores para decorar as jarras no interior da minha casa, não consigo viver sem flores.

    Beijinho

    P.S.- Bonito o seu neto, lembra-me a minha filha do meio sempre atrás da avó e da mãe para cuidar das plantas.

    ResponderEliminar
  32. Menina Janitaaaaaaaaaaaaaaaaa, a gente precisa da menina para rir, sorrir e nem que seja para nem rir ou sorrir, queremos a menina por aqui e nos blogues a espalhar sorrisos..

    Um beijinho

    laura

    ResponderEliminar
  33. Janita

    Chego sempre atrasada a teu blogs e leio as tuas despedidas.
    esteve en São paulo por um tempo largo e escrevi de lá umas coisas,
    mas o pc não dava para responder.

    Felizmente, agora, te encontrei em José e embora tenha apanhado com uma despedida por tempo indeterminado (sempre me acontece)
    fico feliz por saber de ti.

    Continuas a ser a amiga que não vou esquecer!

    Beijos e até um próximo encontro.

    Maria Luísa

    ResponderEliminar
  34. Janita: Adoro flores principalmente rosas vermelhas, mas aonde vivo não tenho nenhum jardim apenas tenho o meu eterno aonde coloco as minhas belas e eternas doces flores, que são as minhas amigas/os reais ou virtuais da net como tu que já fazes parte desse meu eterno Jardim.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  35. Querida amiga Janita!

    Não te culpabilizes. Erros desses fazemos todos, só não erra quem não faz...

    Sinto-te decepcionada, desiludida, triste.
    Não sei para onde vai, de vez em quando, a Janita que conheço.
    A mulher forte e bela, cheia de certezas e de corretas convicções.
    Seja lá qual for a razão, não te deixes abater.

    Espero voltar a ver-te brevemente.
    Qualquer coisa, sabes onde moro.
    Rua do Rau, 6
    VNC

    ResponderEliminar
  36. Não te preocupes Janita, eu também ja andei fazendo asneiras lá pelo meu bloguito excluindo todos eu disse: (TODOS) os comentários de mais de 2 ans de blog veja voce, fica com Deus por onde andares, estarei a tua espera quando voltares, passa lá quando puderes ta?
    Beijos e carinhos.
    Jady

    ResponderEliminar
  37. Entro neste cantinho pela 1ª vez, batia à porta, ninguém atendeu.
    Aguardo que a dona do sítio resolva os seus problemas informáticos (que não são nada de grave)e dou os meus parabéns por este lindo espaço.

    Amanhã estamos outra vez no "Era assim... Em Luanda"

    Beijocas

    ResponderEliminar
  38. Minha amiga:
    mas o que se passa que andamos a desistir? Não pode ser, força!
    Desejo e espera vê-la por aqui de novo com os seus belos post, ok?

    Beijinhos e até brave

    ResponderEliminar