quarta-feira, 30 de novembro de 2016

FANTASIANDO ILUSÕES.


IMAGEM  ENCONTRADA NA  NET



             
Fantasiei demais

              Encantei-me com sonhos inexistentes

         a descoberto pus o desencanto


     Numa árvore
                    nua

         olho e vejo o teu rosto.

               Já havias partido e eu

         louca

Ainda sonhei perfumar-te com meu pranto.





32 comentários:

  1. Que lindas palavras!! Muitos doces e sentidas.

    Beijinho, Janita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata pelas tuas simpáticas palavras, Graça.
      Temos fases de melancolia e fases de regozijo, no entanto, quase nunca há razões plausíveis para uma ou outra. Que estranho é o coração da gente...

      Um beijinho.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Obrigada, Elvira.

      Um abraço, bom feriado.

      Eliminar
  3. Janita, não corras atrás do defunto, deixa que vá, não era para ficar. Antes, abre um sorriso, e aguarda, porque se tiver que chegar e seu teu, o sonho será.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há pessoas que saem da nossa vida, mas não partiram para a terra da 'verdade', Noname.
      E, por vezes, saem, porque fomos nós que o quisemos.
      Muitas são as vezes que choro...por mim. Queria ser diferente, mas sou o que sou e como sou.

      Beijinhos, NN.

      Eliminar
    2. Janita ok, "fedunto" não foi a melhor palavra para designar, alguém que nos passou pela vida e se foi, não tendo que ir para a tal terra da verdade, falava em modo figurado. Todos podem passar, todos podem partir, todos deixam algo deles, e levam algo de nós - e isso só nos pode enriquecer, por isso ser proibido separar-nos de nós mesmos.

      Beijinho e vá lá, põe uma música agradável, mune-te de recordações boas e vais ver, que a coisa toma outro rumo.

      Eliminar
    3. Se hoje fosse colocar uma música seria sem sombra de dúvida a "Aqua Luminae" , apesar de não ter nada a ver com o que escrevi. A não ser a tristeza que se apoderou de mim desde que mais uma porta se fechou, nesta nossa rua de boa vizinhança...

      Beijinhos

      Eliminar
  4. Todos somos poetas, uns escrevem outros não

    Um poema vale para além do explicito
    o aroma que deixa
    mesmo que seja pranto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também concordo que a poesia pode estar em tudo, logo, todos seremos poetas.
      E a poesia não se explica, tem razão, sente-se! Pode haver quem a sinta ou não, mas quem escreveu sentiu.

      Grata, pela opinião, Poeta Rogério!

      Eliminar
  5. Gostei muito.
    Do poema e do quadro.
    Haja imaginação!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O quadro está mesmo muito bom, Pedro! Pena não haver um nome de autor a quem atribuir o justo mérito.

      Beijinhos, bom fim de semana.

      Eliminar
  6. Excelente poema
    que nos transporta
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu, não chamaria 'poema' a essas palavras escritas ao correr da pena e com os olhos postos na imagem. Quiçá, palavras que ao invés de saírem directas da mente, passaram primeiro pelo coração, não? :)

      Beijinho, Mar...Obrigada.

      Eliminar
  7. Excelente , Janita !!! ... Todos nós, em maior ou menor grau temos as nossas fantasias, sonhos e desencantos ! Por vezes eles prevalecem, outras não passam disso mesmo,... desencantos !
    Há "partidas" que, todavia, teimam em permanecer nas nossas memórias e a continuarem a atormentar-nos !
    Admirável essa foto associada à frase : "Numa árvore nua olho e vejo o teu rosto !"
    Adorei, querida amiga ! ... Admirável este teu pensamento / confissão !

    Grande Abraço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Quanta bondade, meu amigo. Pois, olha, que na maior parte das vezes, escrevo e apago, porque me parecem ridículas as palavras que escrevo. Já pareço o Pessoa a falar das suas cartas de amor, mas é verdade. Não me sinto muito segura em relação a manifestações mais intimistas, ainda que sejam revestidas de uma semi-verdade.
      Se um dia me conseguir soltar, talvez ainda me surpreenda a mim mesma! :))

      Beijinhos, Rui.

      ( não está a ser fácil chegar ao Santuário (?)...) :(
      Nem os azulejos belíssimos estão a facilitar.
      Acho que estou a perder qualidades de concentração. )

      Eliminar
  8. Desencantamo-nos precisamente porque sonhamos com o que desejamos em vez de vermos o que temos mas em cima de um desencanto surge logo novo sonho. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só se desencanta quem se encantou, Mary. Não me arrependo de nada que sonhei e não realizei, porque durante esse tempo em que nos iludimos, a vida tem mais cor, mais luz. Gosto de me apaixonar, pelas pessoas e pelas coisas. Que importa se a seguir vier o desencanto se, antes, já me encantei? :)

      Beijinhos.

      Eliminar
  9. Ver o rosto do outro, numa árvore nua, é uma imagem grandiloquente. De que vale, pois, o pranto, a não ser acentuá-lo? ;)
    Ah, fadista!
    Gostei, Janita, dás sempre um toque peculiar às palavras, às emoções...

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grandiloquentes, são as tuas prosas poéticas! Eu vi o que está bem visível! :)
      "Ah, fadista", eu? Olha, gostei dessa exclamação... Por acaso até tenho uma veia afadistada.
      Grata, pela visita, e por nunca te esqueceres cá do cantinho...da Janita ;)

      Um beijinho, A.C. :)

      Eliminar
  10. Respostas
    1. Ai de quem não fantasia...
      :)

      Beijinho, Catarina.

      Eliminar
  11. Boa noite! Gostei. E como o Natal se aproxima, aqui vai o primeiro dos 4 que penso postar https://vieiracalado-poesia.blogspot.pt/2016/12/poema-de-natal-1.html
    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite, Poeta.

      Já li e comentei o primeiro dos quatro que tenciona dedicar à quadra natalícia. Pena que eu já não consiga pensar e aceitar o Natal como se de um bálsamo se tratasse.
      Muito grata pela visita, Vieira calado.
      Um abraço.

      Eliminar

  12. Fantasiei demais
    Encantei-me com sonhos inexistentes
    a descoberto pus o desencanto

    Numa árvore
    nua
    olho e vejo o teu rosto.
    Já havias partido e eu
    louca
    Ainda sonhei perfumar-te com meu pranto.

    Querida Janita, sabes que os poemas que mais aprecio são estes, curtos, intensos e onde colocamos tudo o que sentimos.

    Nunca te arrependas do que escreves , pois cada palavra que nos sai da alma é para guardar com carinho.

    A imagem quase que me passou ao lado pois o teu poema captou-me toda a tenção.

    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida Fê.

      Não consigo ver-me com o mesmo olhar com que tu me vês...:(

      Beijinhos, muitos!

      Eliminar
  13. Olá Janita, um poema curto que tanto diz. Gostei muito amiga. Boa semana e beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Rosa-Branca.
      Fico tão contente quando te vejo por aqui!
      Bem-hajas pelo carinho, que retribuo.
      Um beijinho e bom fim de semana.

      Eliminar
  14. Janita conseguiste uma bela associação de afetos !
    que seria de nós senão sentíssemos a dor da ausência ou da partida ! seria que não sentimos a força dos afetos?!
    abraços
    bom fim de semana
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A força dos afectos é mais sentida, quando há a dor da ausência, certamente, Ângela!
      Se não me faltar algo ou alguém de que/m gosto muito, não poderei dizer que senti saudade.:)

      Beijinhos, bom fim de semana!

      Eliminar
  15. Belíssimo poema que casa com a gravura na perfeição.
    É tremendo o desfecho.

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bondade sua, Agostinho.

      De qualquer modo, fico-lhe grata por ter vindo até aqui ler-me.

      Um beijo.

      Eliminar