domingo, 14 de janeiro de 2018

DETRÁS DA MINHA JANELA.






Quem olha, de fora, através de uma janela aberta,
não vê jamais tantas coisas quanto quem olha de uma janela fechada.
Não há objecto mais profundo, mais misterioso, mais fecundo, mais tenebroso, mais radiante que uma janela iluminada por uma luz difusa.
O que se pode ver à luz do sol é sempre menos interessante que o que se passa atrás de uma vidraça. Neste buraco negro ou luminoso vive a vida, sonha a vida, sofre a vida.
Para além do ondular dos telhados, avisto uma mulher madura, já com rugas, sempre debruçada sobre alguma coisa, que nunca sai de casa.
Pelo seu rosto, pela sua roupa, pelos seus gestos, por quase nada refiz a história desta mulher, ou melhor, a sua lenda e, por vezes, conto-a a mim mesmo, chorando.
Tivesse sido um pobre velho, também a teria refeito, facilmente.
E deito-me, feliz, por ter vivido e sofrido pelos outros como se fosse eu mesmo.
Talvez me digam: “Tens a certeza de que esta lenda é verdadeira?”
Que importa o que possa ser a realidade situada
 fora de mim, se me ajuda a viver,
 a sentir que existo e o que sou?


[ Baseado no  poema “As Janelas”
de Charles Beaudelaire ]





46 comentários:

  1. Respostas
    1. Os olhos são as janelas da alma, Poeta.
      Há que olhar bem dentro deles.

      :)

      Eliminar
  2. Uma grande realidade poética. Adorei :))

    Hoje:- A chave...numa insana desorientação.
    .
    Bjos
    Um óptimo Domingo.

    ResponderEliminar
  3. Belíssima partilha querida amiga ,desejo-lhe uma semana muito feliz ,beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente semana também para si, Emanuel.

      Eliminar
  4. Inspiração maravilhosa. Adorei conhecer teu blog.
    Boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Edith Lobato.
      Seja muito bem-vinda.
      Muito grata pela visita.

      Votos de excelente semana.

      Eliminar
  5. Esta foto já fez parte de um desafio. A poesia francesa que tão boa e agradável é !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Pois fez, Ricardo!
      Um desafio no qual também participaste.

      Boa semana.

      Eliminar
  6. Bonito texto, Janita!

    Beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mérito é de Baudelaire, Graça.

      Beijinhos.
      (Excelente semana e as melhoras do teu marido.)

      Eliminar
  7. A imagem está brilhante. O texto se imaginar-mos bem, é tão real... mesmo!!! AMEI

    Beijo de boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A imagem é uma fotografia minha, com a qual concorri a um desafio/enigma do nosso Amigo Rui, Cidália! :)

      beijinhos, boa noite.

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Amigo Rogério.

      A que se vê é da casa
      a que se lê é a da alma.

      :)

      Eliminar
  9. Lenda ou não, as janelas trazem luz a espaços menos iluminados caso não existissem, só por Isso, são abençoadas.

    Infinitos agradecidos por está bela partilha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se as casas têm janelas
      para nelas entrarem a luz,
      a Alma tem os olhos,
      para deixarem fluir todo o encanto
      e a paz, que o coração reproduz. :)

      Um grande e grato abraço, Rainha do Infinito.

      Eliminar
  10. A foto é-me familiar, já passou pelo meu blog ! :)

    Confesso que o texto me intrigou ! (?)... Creio ter percebido uma "lenda verdadeira" de há já bastantes anos !?... O "mistério", as coisas tão tristes e tantas outras tão agradáveis, que testemunhamos, que nos fazem sentir hoje que existimos, que permanecem na nossa memória e que se passaram dentro de quatro paredes e uma janela ! ...
    Confesso que não sei se cheguei a interpretar bem o teu texto !?

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah pois...a fotografia conheces tu muito bem, Rui. :)
      Aliás, foste o primeira pessoa a vê-la depois de mim!

      Não te preocupes tanto em interpretar e analisar, com a mente e a razão, tudo o que lês. Basta que o teu coração entenda...

      Beijinhos e um abraçaço, Amigo Rui.

      Eliminar
  11. Hoje é dia de enígmas e filosofias? Esta hora não é, para mim, adequada para tal, até porque o nariz continua pingão.
    (Ainda espirra?)
    1 bji.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não senhor! Hoje, ontem e amanhã, serão dias de ler, ver, olhar e gostar...ou não. Tudo fica em suspenso! Percebeu? :)

      Espero que se encontre melhor do pingo no nariz.
      Já deixei de espirrar há muito, comigo dá-me forte mas passa-me depressa.
      Um beijinho.

      ( a partir de hoje não se aceitam abreviaturas. Quero tudo por extenso.)

      Eliminar
  12. O texto que não conhecia é nuito imteressante.
    Um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É da autoria de Beaudelaire, tinha de ser interessante.
      A imagem já era de seu conhecimento. :)

      Um abraço e boa semana, Elvira.

      Eliminar
  13. Querida Janitamiga

    Ora cá estou eu depois de longa ausência de visitar-te. Passaram-se muitas coisas que passo a explicar.

    Tive alta no sábado depois de ter estado internado durante onze dias no Hospital de Santa Maria com uma pneumonia agravada por umas complicações.

    Mas, deixa-me que te diga que fui tratado maravilhosamente. Cinco estrelas! Médicos/as, enfermeiras/os auxiliares toda gente bué fixe. Se alguém me vier falara do SNS parto-lhe as trombas! Espero, agora, que retomemos as nossas trocas de comentários e respostas. Muito obrigado.

    Baseado no poema “As Janelas” de Charles Beaudelaire, o estes versos estão lindíssimos. Bravo!

    Qjs da Raquel e do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Henrique.

      Folgo muito em saber que o pior já passou.
      Tem cuidado contigo, para evitares uma recaída.

      Agora que voltaste, claro que lá irei visitar-te na
      "A Nossa Travessa", com todo o gosto.

      Um grande abraço para ti e um beijinho para a tua Raquel.
      Cuida-te!

      Eliminar
  14. Gostei muito de ler.
    Se me importar nada se é real ou ficção.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim é que eu gosto de ouvir falar, Pedro!
      Se gostamos, porquê saber se é verdade ou não?
      Isso é para casos de justiça.:)
      Nos assuntos que nos tocam a alma, é deixarmo-nos levar.
      Beijinhos, excelente semana.

      Eliminar
  15. Lindo demais!!!
    Beijinho, Janita, boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, António, que bom teres cá vindo.
      Obrigada!

      Beijinho, boa semana.

      Eliminar
  16. Olá, janita, maravilhoso Beaudelaire! Certo dia em que passeava com meu dog, olhava as janelas das casas, dos apartamentos e imaginava as pessoas com suas vidas, eram muitas vidas que faziam com que eu pensasse isso. Janelas com cortinas de croché, vasinhos de flores, mas sabia que lá dentro a vida não era tão alegre assim. Outras vezes enxergava a rua de minha janela, as pessoas em seus ritmos alucinantes, muitas em seu egoísmo acompanhando pessoas deficientes que me deixavam como um ponto de interrogação! Enfim as janelas são panos de fundo para que o ser humano se mostre em suas profundezas. Podemos tirar conclusões tanto de fora para dentro como de dentro para fora. É a observação que adoro fazer. Grande Beaudelaire!
    Beijo, querida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, querida Tais.
      É muito bom tê-la de volta.
      Grata pela descrição que aqui nos deixa.
      Por detrás de cada janela há, de facto, um mundo por descobrir.

      Um beijo e meu obrigada.

      Eliminar
  17. Olá, goste de ler o que considero ser uma historia verdadeira, o interesse causa curiosidade.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, A. Gomes.

      Obrigada pelas suas palavras de apreço e interesse.

      Boa semana.

      Eliminar
  18. boa semana, Janita, e que haja sempre uma janela aberta para tudo o que for bonançoso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Mia.
      Não há tempestade, por maior que seja, que dure sempre.
      Um dia, surge a esperançosa bonança. É assim, na vida de toda a gente.

      Eliminar
  19. Essa janela conheci logo, porque quando a vi a 1ª vez reparei que tem uns cortinados iguais aos que estiveram em tempos no quarto da minha filha e que os tenho guardados.
    O texto é algo que penso ser real e de muita reflexão que por vezes fazemos, mesmo que não encontramos alento.

    Boa semana Janita e um grande beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que neste passatempo do Rui não participaste, pois não, Adélia? É que não tenho a mínima ideia da tua janela.

      É mesmo, ainda que sem encontrar alento, observar a tristeza as alegrias alheias e vivê-las como se nossas fossem, torna-nos mais ricos de vínculos afectivos.

      Boa semana, Adélia e um grande abraço com amizade.

      Eliminar
  20. Olá Janita,

    Gostei muito deste post!
    Foto e poema.
    Tu provavelmente sabes que Beaudelaire é um dos meus poetas malditos preferido.
    E também sabes porque destaco esta parte do texto:
    "Que importa o que possa ser a realidade situada
    fora de mim, se me ajuda a viver,
    a sentir que existo e o que sou?"

    Abraço

    P.S. O Albatroz? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ricardo.

      Não. Não sabia, nunca tínhamos falado nisso, mas sei porque destacas essa frase e sei porque também foi essa parte que me levou a fazer esta publicação.

      Não, não faz parte d'"O Albatroz", é do "Pequenos Poemas em Prosa" ou "Le Spleen de Paris".

      Podes ver AQUI

      Clica que é uma hiperligação. :)

      Abraços.

      Eliminar
    2. Desculpa, não me fiz entender!
      Estava a perguntar se conhecias o poema "o albatroz"

      Abraço grande

      Eliminar
    3. Então é do "As Flores do Mal"?

      Não gosto do 'Albatroz', não.

      Abraço.

      Eliminar
  21. As pessoas ainda se debruçam à janela para se distraírem?
    “Antigamente” as raparigas namoravam à janela.
    Algumas janelas teriam muitas estórias para contar se lhe dessem ouvidos. : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este, é um olhar para dentro, não para fora da janela, Catarina.
      Mas acredito que sim, que ainda haja muita gente que se debruça nas janelas, para se distrair olhando para os transeuntes, quiçá, imaginando o que pensarão, para onde vão, qual será a sua história...

      Eliminar
  22. Excelente a foto e o poema. Dalgum modo identifico-me com este último, em especial da perspectiva: _"Que importa o que possa ser a realidade situada
    fora de mim, se me ajuda a viver,
    a sentir que existo e o que sou?"

    Parabéns

    Continuação de excelente resto de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Victor.
      Também eu me identifico com essa parte, e não só eu, tenho a certeza.

      Um abraço, bom resto de semana. :)

      Eliminar