janita

janita
Rosas do meu quintal.

Argos.

Argos.
Vista parcial do Rio Douro e da Ponte D. Luís. A foto está pouco nítida por ter sido tirada do interior do Funicular dos Guindais!

Eden

Eden

quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2013

É Dessas Que eu Sou...!


Pastoral

 
Não há, não,
duas folhas iguais em toda a criação.

Ou nervura a menos ou célula a mais,
não há, de certeza, duas folhas iguais.


Limbo todas têm,

que é próprio das folhas;

pecíolo algumas;

bainha nem todas.

Umas são fendidas,
crenadas, lobadas,
inteiras, partidas,
singelas, dobradas.

Outras acerosas
redondas, agudas.
macias, viscosas,
fibrosas, carnudas.
 
Nas formas presentes,
nos actos distantes,
 
mesmo semelhantes,
são sempre diferentes.

 
Umas vão e caem no charco cinzento,
e lançam apelos nas ondas que fazem;
outras vão e jazem
sem mais movimento.
 
Mas outras não jazem,
nem caem, nem gritam
apenas volitam
nas dobras do vento.
 
É dessas que eu sou!
 
Poema de António Gedeão
 

13 comentários:


  1. Fiquei encantada com o poema... e com a música do vídeo.
    Que bela forma de me despedir deste dia frio de inverno e ir descansar esperando o dia de amanhã... e ansiando pela Primavera!


    Muitos beijinhos
    Dorme bem
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Gedeão é meu irmão!
    (É!, há poetas que não morrem...)

    Volitamos, ambos
    nas dobras do vento

    ResponderEliminar
  3. Neste teu espaço, continuas a divulgar a (boa) poesia portuguesa.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Ou seja nada e tudo, ninguém e todos!
    Normal, se se pode dizer! :D

    ResponderEliminar
  5. Claro que “folha” é metáfora !
    Cada um de nós é uma “folha” neste universo !
    Não há credos, não há cores, não há "diferenças", não há nada que nos diferencie profundamente! Todos somos simultaneamente, iguais e diferentes !
    Cada ser humano é único, não há 2 iguais. e como tal, as suas ideias, as suas atitudes, as suas opiniões , as suas convicções, deverão ser aceites e respeitadas, na diferença !

    António Gedeão soube perfeitamente expressá-lo neste magnífico poema ! Não há 2 “folhas” iguais , tal como não há dois seres humanos iguais !

    Mais uma vez,... o poeta é um "fingidor"! Finge que não está a falar dos humanos ! :)) ... (é a minha leitura).
    .

    ResponderEliminar
  6. Mas outras não jazem,
    nem caem, nem gritam
    apenas volitam
    nas dobras do vento.

    É dessas que eu sou!

    Amiga Janita, não conhecia este belíssimo poema de Gedeão, imperdoável! :)
    Sou uma alma de outono,obrigada por estas lindas folhas caídas.

    beijinho


    ResponderEliminar
  7. Olá, Janita!

    Não só sabia ele muito de poesia e filosofia, como ainda nos dá lições de botânica;começando por falar de folhas, a que gradualmente vai dando vida e contornos de gente.E eu, se fosse folha, também gostaria de ser uma dessas: levada nas asas do vento...

    Lindo post!
    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderEliminar
  8. E não há mesmo, Janita.
    Essa é que é a beleza do ser humano - não haver dois iguais.
    Nem os gémeos mais idênticos são iguais.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Um poema pastoral quer dizer que os leitores são ovelhas? lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Zé! lol

      Repara:

      Oh monte, monte estéril, e escalvado,
      Amiga solidão, tristeza amiga!
      Eis um pobre pastor, e um pobre gado,
      Eu cheio de saudade, ele de fome
      Permite Amor, que eu diga
      Por desafogo o mal, que me consome
      Os clamores sentidos
      Da solitária ninfa, que responde
      A meus ternos gemidos.
      Lá da gruta, ou da mata, em que se esconde;
      Vão ser noutros outeiros,
      Vão ser noutras montanhas pregoeiros
      Das ânsias, a que Flérida me obriga,
      E tu ouve injustiças do meu fado,
      Da minha doce, e bárbara inimiga,
      Oh monte, monte estéril, e escalvado,
      Amiga solidão, tristeza amiga!

      Isto escreveu Manuel Maria Barbosa du Bocage.
      Um Pastoral edílico bucólico:))

      Vai lendo, que isto da poesia é assim a modos que a filosofia:
      Primeito estranha-se e depois entranha-se...
      Já vais versejando...bom indício, bom indício!!

      ;)

      PS: Tem uma boa noite de S. Valentim.

      Eliminar
    2. Ah, gracias p'lo poema... A poesia vai entranhado... verdade.

      Eu do Bocage tabmém gosto das anedotas...

      Eliminar
  10. E como eu gosto do meu "folha seca" heheh
    Janita que concidência ontem estive a ler este poema de Gedeão.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar