sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Simplesmente MARIA?... NÃO PODE...!!



Depois de esperar ¾ de hora, até que ouvisse o tilintar do painel e ficasse a tremelicar, numa luz intermitente, por instantes, a letra e número que tinha na minha senha, dirijo-me ao balcão indicado.
Depois de apresentar os documentos pedidos, para que desta vez ficasse tudo all in one, como manda a lei da cidadania europeia, vejo o funcionário franzir o sobrolho, olhar para mim, olhar de novo para o ecrã do computador, de novo para o BI e, novamente, para mim.
Mau! – pensei, queres ver que já vem por aí algum aborrecimento burocrático?
É de Serpa? - Bolas, o homem tem o documento em frente dos olhos e pergunta-me de onde sou?
Lá expliquei que não, mas que sim….Porquê?...Passa-se alguma coisa?
Com um sorriso aberto, sarcástico porém simpático, de quem viu passarinho verde - que sim, mas nada de grave, nada que não pudesse ser esclarecido; que esperasse uns instantes...

Comecei a transpirar, tirei o casaco, a bolsa a tiracolo, encostei-me e desencostei-me ao balcão, olhei para trás, para os lados, estiquei o pescoço na direcção em que havia seguido o senhor e, com algum alívio, vi-o sorrir enquanto falava ao telefone com alguém. Mau…então este deixa-me aqui à espera e vai namorar? Fiquei logo de carranca…
Quando voltou, nem sequer se sentou. Sem abandonar o sorriso, disse-me ter estado ao telefone com a colega de Serpa.
Sabe - houve um lapso no Registo Civil da sua terra, aquando da informatização dos serviços de separação dos nomes próprios e apelidos. Então, atribuíram-lhe como nome próprio o seu primeiro apelido ( coisa impensável, senão…) e vai ter de cá voltar para a semana. A correcção tem de ser efectuada lá e, neste momento, não se encontra na repartição a senhora conservadora…
Saí disparada  - a engolir os nomes feios que me apetecia chamar àqueles alentejanos d’uma figa - sem sequer perguntar em que dia lá deveria voltar… Será que toda a gente tem de ter dois nomes próprios?...
…Já uma pessoa não pode chamar-se; simplesmente Maria?
Pela primeira vez na minha vida, senti vergonha por ser alentejana…L


===================================


42 comentários:

  1. LOL!
    Nem sei o que lhe diga.
    Nem sei se ria ou se chore.
    Mas pense positivo. Sempre assim, vai poder "namorar" o homem novamente, mesmo que tenha que espera outros três quartos de hora.
    :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje fui o primeiro?
      Que emoção!
      Existe prémio?
      Tenho direito a prémio? Uma medalha? Não!?
      :-D

      Eliminar
    2. É que é mesmo pra já! Prémio chorudo, pois então...:DD

      Ria, ria Remusinho...agora que me passou a neura, até eu tenho vontade de rir!
      Há coisas que só me acontecem a mim...má fortuna...mas vendo bem a coisa, talvez seja o mesmo senhor a atender-me e aí...quem sabe? Simpático era ele, era! LOL

      Eliminar
  2. É um incómodo teres que lá voltar mas não me parece ser caso para ficares envergonhada :))), rir ou sorrir será sempre o melhor remédio.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Papoila, eu que fujo da Loja do Cidadão como o diabo da cruz, lá tenho de voltar...Enfim! Rir é mesmo o melhor, que remédio!!

      Beijinhos

      Eliminar
  3. São os serviços deste País, lool Se fosse eu até deitava lume pelas ventas :-) Porém, gostei de ler :)

    Bjos
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Engraçado que eu, que fervo em pouca água, em ocasiões que requerem tento, consigo dominar-me e engolir o sapo. Que remédio tinha eu...
      Bom fim de semana, Larissa.
      Um beijo.

      Eliminar
  4. Ia a dizer uma asneira, mas contive-me. Agora vou ver a continuação da bola.
    BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também calculei que estivesse a ver a bola...
      E então, ganhámos à Arábia Saudita?
      Ainda não me informei do resultado...

      Eliminar
  5. Então, mas afinal o que te chamaram? Maria de Serpa?

    Beijocas tantas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não mulher...não percebeste?
      Usaram um dos meus apelidos, como se fosse nome próprio.
      Mas eu não tenho apelido Serpa... Balha-me a santa!!

      Beijinhos com auréola!

      Eliminar
  6. Olá!!!

    Se tens Facebook, queres dar a conhecer o teu blogue a mais pessoas e conhecer outras tantas, adere:

    https://www.facebook.com/groups/126383254703861/

    Beijinhos, Diana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Diana.

      Obrigada pelo convite , mas fechei a minha página de FB, faz muito tempo. E não lhe sinto a falta, se quer saber. :)

      Beijinhos.

      Eliminar
  7. Não precisava te dizer que estou a rir, porque não me vês, mas estou, com o teu post, porque recordei uma situação que aconteceu com o Rodrigo no Registo Civil em Lisboa quando foi renovar o B.I. o tipo achou que ele era tipo Marroquino, acho que só faltou mandarem-no prender, uma situação muito idêntica em 2001 com os funcionários de um hotel, desconfiaram que ele não era portugês, mas sim Marroquino ou coisa parecida.

    Espero que quando lá voltares tudo fique esclarecido.

    Beijinho e bom fim de semana sem confusões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando ouvimos contar certos acontecimentos insólitos, pensamos que essa coisas só acontecem aos outros, até que um dia nos toca pla porta e ficamos meio atordoados. Acho que foi o que aconteceu comigo. Enfim...
      Ser marroquino não era coisa que desse prisão, mas o preconceito é pior que uma doença...
      Haja santa paciência para levar a vida, senão estamos fritos!

      Beijinhos, Adélia! :)

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Uma história verdadeira que até parece mentira, Laura.
      Há muita incompetência entre o funcionalismo público.
      O fulano/a que fez isso, às tantas nem saberia o que era nome próprio e apelido, sei lá!

      Beijinhos.

      Eliminar
  9. Não acontece só com os alentejanos. Eu tinha 20 anos quando a minha mãe, que tinha nos seus documentos o nome de Gravelina da Silva, nascida na freguesia de Penude concelho de Lamego, a 16 de Julho de 1926 filha de Manuel Varandas e de Maria do Carmo da Silva, estado civil casada foi renovar o seu BI, e descobriu que não existia, Depois de várias tentativas de obter uma certidão de nascimento , acabaram por descobrir que existia uma Gravelina do Carmo Baranda, filha de Manuel Baranda, e Maria do Carmo da Silva, nascida a 8 de Junho de 1926, estado civil solteira.
    Não calcula o sufoco que foi até conseguir que lhe fosse atribuído um novo BI, com essa identidade, depois fazer o averbamento do seu casamento, mas nunca conseguiu mudar os nossos registos de nascimento, o que fez com que os três filhos tenham como mãe, a Gravelina da Silva que deixou de existir em 1967. Foi-lhe indicado que se enviuvasse, deveria doar aos filhos todos os seus bens em vida, porque se não o fizesse, os filhos não teriam como se habilitar à herança. Bom isto não foi preciso, já que a sua herança, foram os caminhos livres para passear. Mas como vê há coisas muito esquisitas nos registos, e nem precisam ser alentejanos.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa sua história, ou melhor, da senhora sua mãe, ainda é mais incrível. Que confusão! Vai ver foi tudo por causa da pronuncia com o B e o V. Há cada história que deveria ser estudada e contada por historiadores, sobre as coisas aberrantes que acontecem, por erros ocorridos, nas conservatórias do registo civil.

      Um abraço.

      Eliminar
  10. Nome, é questão
    de batismal pia
    quem manda sua madrinha
    prantar-lhe só Maria

    Se lhe prantasse
    Só Maria
    já daria...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me fez soltar uma boa gargalhada, amigo Rogério. :))
      Os seus comentários em rima são uma maravilha.
      Adorei isso do «Só Maria».
      Havia uma que era a Maria do Ó...Lol

      :)

      Eliminar
    2. eu no meu tempo de rádio tinha uma ouvinte bastante assídua que se chamava, precisamente, Maria do Ó. ainda guardo algumas cartas dela. :)e

      Era bem pior se o funcionário não tivesse dado conta. Ainda ate acusavam de andares com um CC falsificado. :)

      Beijinhos

      Eliminar
    3. Em Águas Santas- Maia, há uma CAPELA de Nossa Senhora do Ó. :)

      :)) Bem observado, NI!
      De facto o senhor apenas cumpriu o seu dever e vá lá ter-se apercebido que Gonçalves, não é, seguramente, nome próprio de ninguém. :)

      Beijinhos.

      Eliminar
  11. manias estranhas... a mim nunca me aceitam o título "conde de trovisco" depois do nome... mas nã me parece motivo para ter vergonha de se ser alentejano... oh simplesmente Maria!
    beijos, serpense :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Manel...mas se fosse «Trovisco do Conde» já aceitavam:) então tu não és um nobre e adoras trovoadas?..hã??
      Eu senti vergonha porque aquele sorriso do senhor, lá da repartição, me pareceu um tanto trocista, nã percebeste?
      Deve ter pensado que nós, alentejanos, somos todos uns asnos. ;))

      Beijos, cigano maltês.
      (aparece mais vezes)

      Eliminar
  12. O que mais me incomoda é essa burocracia barroca portuguesa!
    Onde tiraste a foto de cima? Já pensei em perguntar-te tantas vezes, mas depois acabo por me esquecer.
    Boa fim de semana, Janita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos uns pelintras armados ao fino, é o que é, Catarina!!!

      A foto não fui eu que a tirei, ainda não fui a Bussum...por enquanto! :) Foi o meu moço que ma mandou.

      Beijinhos e bom fim de semana, Catá!

      Eliminar
  13. Burocracia marada,
    não tem a ver com regiões.
    É amêndoa estragada,
    carne estragada de cebolada,
    nudismo no Meco em calções.
    :)

    Lá vais tu de ir a Serpa. A ser assim, tira proveito disso e faz o que gostas.

    Um beijinho, Janita :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ehehehehehe...Ó AC, desculpa lá, mas agora até me engasguei a rir...o que é que a burocracia marada tem a ver com o nudismo no Meco ( fazem lá nudismo?) e a cebolada de carne estragada? :)))

      Não vou a Serpa, nada, homem! Eles lá é que vão reparar o erro que cometeram, depois, com isto das novas tecnologias e da informática :), quando eu lá voltar, para o BI renovar, já está tudo nos conformes...
      Meu nome próprio: Maria, meu apelido: Lisboa...isto é um suponhamos, claro! Entendeste, agora?

      Beijinhos, A.C. :)

      Eliminar
  14. E depois ... acordaste!
    Diz-me que não foi um sonho.

    Beijinhos, Janita alentejana porque sim ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi pesadelo, apesar do caricato da situação não chegou a ser nenhum drama, António...espero eu; conto que lá para quarta-feira, já esteja tudo em condições. Foi mais o aborrecimento de ter de enfrentar filas de espera e isso se voltar a repetir e assim...Sabes?

      Meu caro, porque sim, pois não é alentejana quem quer...mas eu gosto, apesar de tudo! :)

      Beijinhos, bom Domingo! :)

      Eliminar
  15. O Alentejo é grande
    neste pequeno país
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em tempos idos, diziam
      ser o celeiro de Portugal,
      mas ainda é grande, sim, Poeta!

      Beijinho.

      Eliminar
  16. Vá lá, não te registaram com o nome de "Prante-lheAna" como a miúda da anedota ! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) O erro não foi ao registar-me, aí ficou tudo bem...aconteceu quando, recentemente, foi para separar os nomes próprios dos apelidos...:) Aí é que o pessoal se baralhou todo.

      «Prantelhana» tudo pegado, Ricardo!! :))

      Eliminar
  17. Asnos há em todas as regiões, deixa lá... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...e em todos os países, vá!!

      Beijinhos e bom domingo, Luísa!

      Eliminar
  18. Ora, não seja tão severa para os seus patriotas. De qualquer parte no mundo ocorre lapsos na administração do registo civil
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, Alfacinha, mas por vezes perco a tramontana...

      Beijos! :)

      Eliminar
  19. Nunca entrei na Loja do Cidadão, nem penso lá entrar.

    Burocracia cá e lá.

    E como diz a Luísa, há asnos em todas as regiões e em todos os países.

    Um domingo com rosas 🌹🌹🌹 sem espinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Teresa. :)

      Eu também não vou propriamente passear para a Loja do Cidadão, mas havendo necessidade de lá ir, que remédio...

      Há mais burrice na estupidez humana do que em todos os burros deste mundo, essa é que é a grande verdade.

      Estás a desejar-me algo impossível, minha querida! :)
      Sempre ouvi dizer que toda a rosa tem espinhos, mas agradeço a boa intenção.

      Um grande abraço, amiga de longe e de perto!

      Eliminar

  20. De facto, enganos há-os em todo o lado, com funcionários da Administração Pública e em serviços de privados... pois errar é humano, já sabemos.
    Mas quanto às idas à Loja do Cidadão, e neste caso em concreto nos serviços do Registo Civil, sei que há maneira de agendar o atendimento para uma determinada hora. Não sei é quanto tempo demora o agendamento.

    Beijinhos e boa sorte para que tudo se resolva com diligência
    (^^)

    ResponderEliminar