sexta-feira, 6 de novembro de 2020

ARREPENDO-ME....

 ........por me ter adentrado nos recantos mais recônditos do sótão, em demanda das "Vinhas...da Ira"

Ao abrir caixas e caixotes de velhos livros cheios de ácaros, encontrei vários dos meus autores preferidos.

GGM, Jorge Amado, Pearl Buck, Erico Veríssimo,  Hemingway, Eça de Queiroz, Camilo... dois livros de António Damásio.

 De Steinbeck, só encontrei A Leste do Paraíso. 

Arrependo-me...

.... porque fui remexer em lembranças que me surgiam na forma de pequenas notas por mim manuscritas, pensamentos e mágoas, que me apeteceu destruir, mas voltei a guardar para serem encontradas, um dia, por alguém que não eu, ou então, destruidas sem que sejam lidas.

Arrependo-me....

.... porque encontrei um par de pequenas botas de criança e umas sandalinhas minúsculas, uma gaiola para grilos, um pianinho, bonecas, livros infantis, carrinhos em miniatura e...a colecção de latas de bebidas de tudo quanto havia, até de Israel, onde a avó foi em passeio, e se lembrou da colecção que o neto fazia...

Cada um seguiu o seu caminho, e ninguém se quis desfazer das lembranças... 

Deitei tudo para uma das buracas laterais e desci as escadas com a Françoise Sagan,  à Trela...



                                                    Este, pelo aspecto, sem ácaros.

                                               Irei ler e depois conto-vos como foi....


                                                       

                                                     ==================


34 comentários:

  1. Ordenar as provas de que houve um passado mas... não as destruir.
    Boa Noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou muito apegada às lembranças palpáveis, sobretudo as que se ligam aos afectos. Dificilmente me desfaço de livros e objectos que me tragam boas memórias.
      Mas... um dia, alguém irá desfazer-se de tudo.

      Obrigada, desejo-lhe uma Boa Noite também.

      Eliminar
  2. Não tenho sótão
    Só gavetas, armários
    E procedimentos adiados
    Sem coragem para a tarefa
    Que vai ser
    meter-me na intimidade dela
    nas suas lembranças guardadas
    nos seus papeis
    sem que me sinta no direito
    de lhe ordenar o passado
    embora
    isso me será pedido
    pela sua memória

    Sem coragem
    Tenho tarefa adiada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para o Rogério é muito mais doloroso fazer uma despedida dos objectos e vestuário que lhe lembrem a sua recente perda, é diferente do contexto em que fui arrumando para o sótão tudo o que para mim me é muito caro e não me quis, nem quero, desfazer.

      Um abraço, com muita pena por não lhe trazer as "Vinhas...", que li, mas me devia ter sido emprestado.

      Eliminar
  3. Mexer no baú às vezes traz boas memórias e boas surpresas.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Remexer em memórias adormecidas, traz-nos coisas boas e outras nem tanto, Pedro.

      Beijinhos, bom FDS

      Eliminar
  4. Alguns desses escritores tb foram os meus favoritos a certa altura.
    De vez enquanto faz bem rever coisas do passado.
    Bjos

    Gosto muito da foto la de cima.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Catarina. :)

      Nisto das leituras tenho tido as minhas 'fases' ao longo da vida.
      Quando me apegava a um escritor, lia tudo desse autor e ficava atenta a novos lançamentos. Passei tardes de sábado na FNAC a seleccionar leituras. Quando li Paul Auster foi até à exaustão.
      GGM, igual e por aí adiante. :)
      Já não sou a leitora compulsiva que fui em tempos, não sei se isso é bom, ou mau...

      A foto de cabeçalho é de uma panorâmica da minha terra. Enviada por uma amiga de infância.

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  5. Bom dia
    Se calhar não está arrependida pois é sempre bom recordar .

    JR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veja só o Joaquim como são as coisas. Ontem, quando desci as escdas do sótão, dizia de mim para mim que, tão cedo, não iria escarafunchar em velharias, pois hoje, levada por esta minha teimosia em esclarecer as minhas proprias dúvidas, voltei lá.
      Ninguém diga: «desta água não beberei». :)

      Um abraço e bom FDS

      Eliminar
  6. As idas ao sótão são um perigo!
    Lá só tenho recordações dos meus filhos, livros e cadernos escolares e até manuais da faculdade, a sua biblioteca infantojuvenil, brinquedos, bicicletas grandes e pequenas, um cavalinho, um mundo.
    Os meus netos adoram o sótão.
    Não sei o que é que o meu filho fará a tanta memória!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer!
      O meu sótão está dividido em três divisões. Aliás, quatro, com a pequena casa de banho. Uma divisão está cheia de prateleira com 'macacada' de que vou aliviando o andar de baixo. Dos lados, tem as tais "buracas" como lhe chamo, e aí, é um deus nos acuda de caixas com livros que já não tenho espaço e toda a espécie de tralha, desde rolo de papel de parede a arcas cheias de "farrapada", entre elas, o meu vestido de noiva, imagina...:) Os meus filhos, quando pequenos, é que levavam para lá os amigos e se divertiam.
      Cada incursão, é uma viagem no tempo. Enfim...

      Um abraço. :)

      Eliminar
  7. Recordações de vidas, que nos trazem sempre ou quase sempre boas memórias.
    Tenho pena de não ter um sótão, as minhas lembranças ficaram noutro lugar, onde por enquanto, não posso ir.

    Beijinhos querida Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Umas boas e outras menos boas, Manu.
      Aquele sótão vai ser uma dor de cabeça para os meus herdeiros. Ehehehe
      Pois, cada um nós tem a sua história de vida. Por vezes, cruzam-se em alguns pontos.

      Beijinhos, querida Manu e bom FDS

      Eliminar
  8. Nunca li nada de António Damásio.
    Li tudo de John Steinbeck.
    O meu favorito: "A UM DEUS DESCONHECIDO".

    Continuação de boas leituras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voltei há pouco ao 'lugar do crime', para te poder dar uma resposta com exactidão.
      Na verdade, eu só tenho um livro do nosso cientista António Damásio. É o livro que o guindou à fama internacional e lhe grangeou o Prémio Pessoa. De certo já ouviste falar ou até leste: "O Erro de Descartes".

      O que me levou a dizer que tinha dois - o que poderia até ser verdade, porque Damásio é autor de várias obras - foi algo tão caricato que ao constatar o meu 'erro' até soltei uma gargalhada. Na verdade, o outro livro é uma edição sobre o 'Discuro do Método' do verdadeiro Descartes...

      Talvez, um dia, em que eu esteja virada para 'caçoar' de mim, faça um postalito com a foto dos dois livros e a razão que me levou à publicação. Mas, não, por estes dias.

      Obrigada, igualmente te desejo o mesmo: 'Boas Leituras'!

      Eliminar
  9. Lixo dessa natureza é que não me falta.
    Da lista referida, creio que não me escapa um, até a Pearl Buck, de quem li, há muitos anos, várias obras, sobretudo sobre a sociedade chinesa.
    "As Vinhas da Ira", quem não leu?
    Quanto à "Trela", desconheço Terei lido uma obra da Sagan, mas confesso que não me recordo do título.
    beijinhos e se cuide, que está frio e chuva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois..."As Vinhas da Ira", quem não leu? Eu li há muitos anos.
      Porém, nem todos os livros que tenho lido, durante toda a minha vida, e comecei a ler muito cedo, a maioria eram-me emprestados.

      No meu tempo de adolescente a vida não era o 'mar de rosas' que é hoje. Os livros eram um luxo a que poucos tinham acesso. Lembro-me de quando fomos do Alentejo para Lisboa, ir visitar a madrinha de minha Mãe, filha do patrão de meu avô, proprietário da Herdade onde o meu avô era 'manajeiro', capataz, ou coisa parecida.
      A estante replecta de livros foi o meu encanto. Pedi à senhora para me emprestar "Guerra e Paz". Claro que mo não emprestou, não era leitura para a minha idade, disse. Só anos mais tarde o li.
      Hoje, liguei-me à terra, mas já vou desligar.
      O que eu escrevo em comentários, dava para publicar dezenas de postais. :))

      Beijinhos e obrigada pelo seu cuidado, José.

      Se cuide??...agora fala no portuguêis do Brasiú?

      Cuide-se, também. :)

      Eliminar
  10. Tenho dezenas, para não exagerar, de livros que nunca li e, se calhar, nunca os irei ler. Estão numa prateleira. bem arrumadinhos. Em caixotes não os gosto de ver.
    .
    Deixando um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)) Pois... quando me sair o Euromilhões, também tiro as centenas de livros que JÁ LI...e andam espalhados pela casa, e as dezenas que tenho metidos em caixas - por falta de espaço - e compro uma maison com quarenta divisões, incluindo uma biblioteca gigantesca.
      Está bem assim, Sr. Ricardo Valério? :)

      Obrigada e bom FDS.

      Eliminar
  11. Quem gosta de ler sempre tem a tendência para ir acumulando livros.
    Abraço, saúde e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com esta 'coisa' da blogosfera e do blogue, aliada às leituras de livros digitais, o meu tempo de leitura e para a leitura, dos meus livros, ficou muito reduzido.

      Obrigada, Elvira, bom FDS

      Eliminar
    2. A escassez do meu tempo, tem muito a ver com a Margarida e com os olhos. Tem dias em que quase não consigo vir ao pc e outros em que me sinto bem aproveito para ir agendando posts para os dias em que não consigo. Agradeço a sua sugestão, também gosto muito do Hauser e tenho alguns posts agendados, o primeiro dos quais "Adágio" na próxima Terça-feira.
      Abraço, saúde e bom fim de semana

      Eliminar
    3. Como sabe, também eu tenho problemas com os meus olhos.
      Consultas todas canceladas, no HSJ, penso que em Janeiro terei finalmente acesso aos exames que foram sendo sistematicamente adiados.É também, por isso, a dificuldade de leitura em livros de papel, que tenho dado preferência às leituras digitais. Sempre se pode ampliar o tamanho das letras.

      Grata pela sua atenção, amiga.
      Um abraço.

      Eliminar
  12. Remexer em livros, papéis ou álbuns de fotografias há muito arrumados numa prateleira de esquecimento provoca-me sentimentos ambivalentes. O prazer de boas recordações e ao também da redescoberta de muitas coisas. Um fio de tristeza e saudade pelo que será para sempre o passado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Álbuns de fotografias também tenho eu muitos. Tenho-os aqui numa destas prateleiras. De vez em quando revejo-as com agrado.
      É difícil enterrarmos o passado, Luísa, ainda que sejam factos mais desagradáveis.

      Tem um boa noite! :)

      Eliminar
  13. Pearl buck
    Uma escritora de quem nunca li nada mas que faz parte da minha infância.
    😊
    Gostei

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Pearl Buck...o primeiro livro que comprei com dinheiro meu foi "A Carta de Pequim", que andei semanas a namorar na montra da livraria perto de mim. Tenho imensos livros dela, inclusive, a trilogia composta por 'Terra Bendita' 'Os Filhos de Wang Lung' e 'Casa Dividida'. Grande escritora norte-americana que viveu imensos anos na China. Quase toda a sua literatura anda à volta da cultura chinesa.

      Obrigada, Miguel. :-)

      Um abraço.

      Eliminar
    2. Sim.
      Lembro me da minha mãe me dizer isso.
      Em vários momentos da minha infância lembro me de capas dos livros dela pela minha casa
      Recordações que ficam
      😊

      Eliminar
    3. E ainda vão sendo essas boas recordações do passado qe nos ajudam a encontrar referências, que dão algum sabor ao presente, tão cheio de desencanto.
      Obrigada, pela companhia. :-)
      Um abraço.

      Eliminar
  14. Respostas
    1. Thank you for your visit, Rajani.
      I will also visit you soon.

      Eliminar